A afetividade da mulher negra Parte – 1

TEXTO: Maitê Freitas | FOTOS: Sangoma | Adaptação web: David Pereira

Matéria aborda o cotidiano afetivo da mulher negra.

Vira e mexe dizem por aí que “tem muita mulher solteira”. O que não se diz é que a maior parte das mulheres solteiras no Brasil são negras. De acordo com o Censo 2010, 52,89% das mulheres negras estão solteiras, ante 24,88% negras casadas e 2,60% divorciadas. Os números assustam, mas viver essa estatística no cotidiano e saber que isso é uma herança histórica é muito pior.

Autora do livro “Virou Regra?” (2010/Scortecci), a pesquisadora, ex-vereadora e presidente do SEDIN – Sindicato de Educação Infantil, Claudete Alves, explica: “A mulher negra enfrenta a solidão independente do extrato social. Não se trata de uma exceção, é a regra, um sintoma histórico que indica um comportamento real, as mulheres negras não têm (em sua grande maioria) a experiência do amor”.

Na mesma linha, a pesquisadora Ana Claudia Lemos Pacheco, autora do recém-lançado “Mulher Negra: Afetividade e Solidão” (2013/EDUFBA), reitera: “A solidão tem origem na estrutura familiar, o que as mulheres negras solteiras têm em comum? A origem social e a família. Já nascem e crescem com o racismo e o sexismo como sistemas cruzados de opressão. Muitas nunca vivenciaram relacionamento fixos, duradouros e saudáveis. A mulher negra, além de sozinha, é a maior vítima da violência doméstica”.

Pautados nesse debate, dois coletivos negros de teatro de São Paulo, a Cia Capulana de Arte Negra e Os Crespos, montaram os espetáculos “Sangoma” e “Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas”, respectivamente. Para o ator Sidney Santiago (Os Crespos), tratar do tema nos palcos faz do “teatro um espaço de reunião, debate e cura. A arte tem como dever do presente inserir temáticas caras à nossa sociabilidade negra e pensar que nossa saúde emocional é tão importante quando todas as outras inserções”.

afetividade_da_mulher_negra1

As dramaturgias assinadas pela pesquisadora Cidinha Silva têm em comum o uso de relatos reais e a própria experiência das atrizes, que em cena dão voz às solitárias mulheres negras. “Sangoma e Pari Cavalos têm em comum o abandono e a solidão pelos quais passam as mulheres negras e a busca do amor como forma de curar, principalmente de curar a elas mesmas à medida em que aprendem a se amar mais”, explica Cidinha.

Os textos, feitos a partir das próprias histórias das atrizes, mexiam com o público. “Muitos homens se incomodaram com o espetáculo, outros reconheceram a história da mãe, da avó… Não tenho como não falar das nossas experiências. A solidão, o silêncio, a dificuldade de reconhecer quando o amor chega, já que nos foi tirada a experiência do amor e de se gostar”, relata a atriz e bailarina Débora Marçal (Cia Capulanas).

O sonho do príncipe encantado, do casamento de véu e grinalda incutido no inconsciente feminino ao longo dos séculos, não faz parte da realidade da mulher negra, a educadora e atriz Adriana Paixão (Cia Capulanas) explica: “Seguimos modelos postos, grande parte das mulheres negras não vivem e nunca viveram esse modelo ocidental de relacionamento. Discute-se outras liberdades, outros temas, sequer olhamos para mulher negra”.

De acordo com a atriz Flavia Rosa (Cia Capulanas), “o racismo atinge todos os campos, muitas vezes a primeira referência de amor já vem com racismo, dentro de casa na relação com a mãe, com o pai (quando este está presente) e irmãos. A partir do momento em que esse desprezo é naturalizado, os demais segmentos e espaços de relacionamento também naturalizam esse descuido. Você não sabe o que é ser bem tratada, isso se estende às relações afetivas e institucionais”.

Os grupos, que tiveram como ponto de partida e inspiração para pesquisa o artigo da ativista e feminista norte-americana bell hooks (seu nome é grafado em letras minúsculas), cujo o artigo “Vivendo de Amor” coloca o dedo na ferida e leva o público a refletir sobre o papel afetivo e a construção de identidade da mulher negra. Segundo a dramaturga, “a autoestima de hoje é o velho amor próprio de nossas avós e bisavós. O enfrentamento ao racismo cotidiano que afeta as mulheres negras e suas famílias, pelas quais elas são responsáveis, rouba-lhes o tempo e o espaço do cuidado consigo mesmas, enfraquecendo o amor próprio”.

 

Fonte: Raça Brasil

Veja também 

A afetividade da mulher negra – Parte 2

+ sobre o tema

para lembrar

Menina que se veste como menino bomba nas redes sociais

Como um Sansão às avessas, Tereza Brant, uma menina de...

Empresa britânica quer dar folga para funcionárias que estão menstruadas

Uma empresa britânica pretende dar dias de folga para...

Preso por morte de Marielle já foi homenageado na Alerj; saiba quem são os 2 suspeitos do crime

O policial militar reformado Ronnie Lessa, apontado como o...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=