Agressão, racismo e homofobia: universidade de Minas vira palco de polêmicas

Neste ano, três casos envolvendo alunos e professores da UFMG causaram repercussão

Nos últimos meses, a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) se tornou palco de polêmicas envolvendo estudantes e professores da instituição. Apenas neste ano, uma estudante foi espancada durante uma calourada, profissionais foram afastados por assédio e quatro alunos respondem a um processo administrativo por um trote com conteúdos racista e nazista.

minas

O trote dos alunos da faculdade de Direito causou revolta na internet em março. As imagens foram publicadas no Facebook e compartilhadas rapidamente. Uma das fotos mostra um veterano segurando uma estudante acorrentada, com a pele pintada e com um cartaz escrito “caloura Chica da Silva

minas2

Outra imagem que circulou na internet tem um aluno amarrado enquanto outros fazem uma saudação nazista. Ao todo, 198 estudantes foram processados, mas apenas quatro vão responder pelas práticas consideradas “incompatíveis com a dignidade universitária”

minas3

Em agosto, durante uma calourada dentro do campus da universidade, uma jovem de 26 anos afirmou ter sido espancada. Durante a festa, a estudante teria sido agredida sem nenhuma chance de reação após um desentendimento com o ex.

— Tivemos um desentendimento e ele começou a me agredir. Me empurrou e logo em seguida, como eu caí no chão, ele começou a me arrastar pelos cabelos, tanto que minha cabeça está com algumas feridas

minas4

Segundo a universitária, as agressões aconteceram no gramado da faculdade de Belas Artes. Ela afirma que o ex-namorado a arrastou até a calçada. Duas pessoas, supostos seguranças da universidade, assistiram a cena, mas preferiram ignorar a situação

— Eles continuaram caminhando e não me socorreram

minas5

Depois que o ex-namorado foi embora a estudante procurou a polícia e denunciou o suposto agressor à Delegacia de Mulheres. Ela teme que, por ser de classe média, o rapaz não seja punido. A aluna também denunciou casos frequentes de violência contra a mulher e ações de homofobia e racismo no campus da UFMG 

— Eu estou me expondo justamente para que não sejam invisibilizados esses casos. Vários homossexuais já foram agredidos ali dentro

minas 7

Na última semana, dois professores foram denunciados por estudantes por condutas irregulares. Segundo as informações, Francisco Coelho, que leciona no curso de Ciências Sociais, teria assediado uma aluna em sala de aula, dizendo que gostaria de queria “vê-la na horizontal”. Já outra caso apresentado pelos alunos é o de Antônio Zumpano, que ministra a disciplina de matemática no curso de Gestão Pública. Os universitários alegam que o profissional tem costume de utilizar as redes sociais para postar mensagens homofóbicas.

15 21 45 383 file

A denúncia foi encaminhada para a reitoria da universidade, Ministério Público e para o Ministério da Educação. As paredes e portas do prédio onde os professores dão aula foram pichadas. Uma sindicância foi organizada para avaliar a situação. Dois professores e um aluno serão responsáveis por analisar provas e dados sobre o caso.

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Os Caminhos da Sociedade Civil e o Sentido de suas Organizações e Coletivos

As manifestações brasileiras, e tantas outras pelo mundo,...

Marcha Mundial das Mulheres discute trajetória do feminismo na América Latina

Nesta terça-feira (27), as participantes discutem sobre as...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=