Airton Garcia nomeia novamente mulher suspeita de racismo e revolta comunidade negra e advogados de supostas vítimas

Desnecessário repetir aquilo que sabem, ou seja, o drama vivido por Eliani e Senhora Benê, ambas negras e desrespeitadas por Carla Maria Campos,  amiga pessoal do prefeito Airton Garcia Ferreira.

Por Ana Dias, Do Comando VP

(Foto: Imagem retirada do site AcidadeON)

Objeto de apuração em inquérito policial pela Delegacia da Mulher (proc. 1502915-35.2019.8.26.0566, pela Segunda Vara Criminal de São Carlos) e, ainda, junto ao Ministério Público do Trabalho, o fato, com serenidade, e na busca de JUSTIÇA, deve ser acompanhado por todos nós.

Ouvidas em sindicância acompanhada pelo SINDSPAM [Luís Luppi, Roberto Menezes e Joãozinho Oliveira], pela Câmara Municipal [Vereador Edson Ferreira], pela OAB [Doutora Sara Bononi] e por representantes da Comunidade Negra [Ilvana], confirmando o que disseram à autoridade policial, testemunhas não deixaram dúvidas acerca da postura, DESUMANA, da sindicada Carla em face de Eliani e Benê.

Portanto, nesse momento, ao ignorar isso tudo e nomeá-la para um cargo em comissão de sua gestão, Airton Garcia Ferreira, lamentável e desgraçadamente, revelando-se um déspota, deixa claro que NÃO RESPEITA a Comunidade Negra como, também, NÃO RESPEITA nenhuma das entidades que, listadas acima, acompanham o desenrolar desse triste episódio.

Com dinheiro do Povo, Airton Garcia Ferreira pagou e quer continuar pagando uma mulher que, sem capacidade para passar em concurso público [o histórico dela em gestões anteriores, sempre ocupando cargos em comissão mostra isso], desrespeita o ser humano.

Além disso, FATO GRAVE E QUE PEDE A UNIÃO DE TODOS, requerimento que fizemos à Secretaria de Segurança Pública, que tem à frente o Tenente-Coronel Samir Gardini, para que informe os horários de acionamento do alarme do prédio onde funciona a Secretaria da Pessoa com Mobilidade Reduzida, local onde Eliani e Benê foram aviltadas por Carla Maria Campos, não foi respondido, ainda.

Qual o receio em nos dar essa informação que, ressalte-se, tem caráter público?

A informação solicitada à pasta do Tenente-Coronel Samir Gardini deverá ser confrontada com informação já prestada pela Secretaria de Administração e Gestão de Pessoas.

Trata-se de informação sem caráter sigiloso, que não implica a segurança do patrimônio público e que, uma vez prestada, permitirá saber se a testemunha arrolada por Carla Maria Campos (folhas 90 do processo criminal), e ouvida pela Comissão de Sindicância, falou a verdade ou MENTIU, e no caso, com reflexos aos cofres públicos, dando ensejo a ação de ressarcimento e, ainda, processo crime.

Cadê, pela Secretaria de Segurança Pública do Município de São Carlos, a informação que, em nome de Eliani e, também, da Senhora Benê, pelo SINDSPAM, foi por nós solicitada?

Qual o motivo, ou melhor, O MEDO em nos fornecer essa informação?

Prezados Amigos/Irmãos da Comunidade Negra, vamos permanece unidos e vigilantes!

 

+ sobre o tema

Caso Extra: Sessão de ameaças durou 10 minutos

  S. Paulo - No quartinho em que T. ficou...

Teatro da Uerj amanhece pichado com inscrições racistas

RIO - Os muros do Teatro  da Uerj...

Desafetos ou racismo institucional na ciência psicológica?

O artigo Paradoxo na ciência: negros e mulheres inovam,...

Comandante da PM acusado de racismo em Campinas é transferido

  O capitão da PM, que ordenou a abordagem de...

para lembrar

Técnico da Croácia repudia torcedores racistas

GDANSK, 17 Jun (Reuters) - O técnico da...

Criança é Vitima de Racismo em Salão

Convocamos tod@s a participar amanhã, às 17 horas, no...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=