Álbum de Wayne Shorter com Milton Nascimento é disco influente que expandiu a música do compositor brasileiro pelo mundo

Morte do saxofonista de jazz, hoje aos 89 anos nos Estados Unidos, joga luz sobre a importância da gravação de 'Native dancer' em 1974.

A música monumental de Milton Nascimento extrapolou as fronteiras do Brasil ainda nos anos 1960. Tanto que o segundo álbum do artista carioca de alma musical mineira, Courage (1968), já foi direcionado para o mercado fonográfico dos Estados Unidos.

Ainda assim, a influência do álbum Native dancer (1975) – disco gravado por Milton como convidado do compositor e saxofonista norte-americano Wayne Shorter (25 de agosto de 1933 – 2 de março de 2023), ícone do jazz morto hoje nos Estados Unidos, aos 89 anos – foi determinante para expandir ainda mais o som do artista brasileiro pelo mundo.

Em Native dancer, Shorter se valeu da música original de Milton Nascimento para misturar o jazz com ritmos brasileiros em fusion pautada pela latinidade, alicerçada pela presença de músicos brasileiros no disco, como o pianista Wagner Tiso e como os percussionistas e bateristas Airto Moreira e Robertinho Silva.

Nada menos do que cinco das nove músicas do álbum Native dancer trazem a assinatura de Milton Nascimento. Algumas, como Ponta de areia (1974), parceria do compositor com Fernando Brant (1946 – 2015), eram novas na época da feitura do disco, gravado em 1974, em Los Angeles, Califórnia (EUA), e lançado em janeiro do ano seguinte.

Native dancer se tornou um disco instantaneamente influente e jamais perdeu essa característica ao encontrar novos ouvintes. Tanto que o grupo norte-americano Earth, Wind & Fire regravou Ponta de areia dois anos depois no álbum All ‘n all (1977), reapresentando a música com o nome de Brazilian rhyme.

O repertório de Native dancer reverberou em discos como Hybrido – From Rio to Wayne Shorter (2017), lançado pelo pianista carioca Antonio Adolfo há seis anos com repertório que incluiu dois temas apresentados por Shorter no álbum de 1975, Ana Maria e Beauty and the the beast.

Amigo de Milton Nascimento, Wayne Shorter se vai, mas deixa, entre o imenso legado musical, esse álbum que ajudou nomes como Esperanza Spalding a descobrir (e a se encantar com) a música inigualável de Milton Nascimento.

Capa do álbum ‘Native dancer’, de Wayne Shorter com participação de Milton Nascimento — Foto: Reprodução

+ sobre o tema

Olimpíadas 2012: Etiópia tem os dois melhores tempos para a final

  Os países africanos comprovaram nesta quarta-feira (8) sua tradição...

Olodum faz cover de Édith Piaf e fica incrível

Parece que o Olodum pirou de vez! Ou seriam...

Dudu Nobre deixa maternidade com a mulher e o filho

Dudu Nobre deixou a maternidade com a mulher, Priscila...

Por vídeos Snoop Dogg convida Neymar e Anderson Silva para show SWU

O rapper Snoop Dogg é fã do Brasil e,...

para lembrar

A CONEM e as eleições 2014

O Brasil é um país onde o racismo, o...

Jovem da Cidade de Deus é eleita ring girl do Jungle Fight

No próximo sábado, a Cidade de Deus irá receber,...
spot_imgspot_img

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...
-+=