Alemanha reconhece que cometeu genocídio na Namíbia

Enviado por / FontePor France Presse, do G1

A Alemanha reconheceu pela primeira vez que cometeu um genocídio contra as populações das etnias hereros e namas da Namíbia no início do século XX, durante o período colonial. As autoridades do país africano afirmaram que a Alemanha deu um “passo na direção correta”.

“Do ponto de vista atual, hoje qualificaremos estes acontecimentos como o que são: um genocídio”, declarou o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, em um comunicado.

A Alemanha também anunciou que vai pagar ao país 1,1 bilhão de euros (R$ 7 bilhões) para ajudar no desenvolvimento e na reconstrução do país.

A quantia será paga ao longo de um período de 30 anos e deve beneficiar de maneira prioritária os descendentes das duas etnias. Do ponto de vista jurídico, não se trata de uma compensação, e este reconhecimento não abre caminho para uma “demanda legal de indenização”.

Imagem de 2017 mostra monumento às vítimas de genocídio na cidade de Windhoek — Foto: Gianluigi Guercia / AFP

“A aceitação por parte da Alemanha de que um genocídio foi cometido é um primeiro passo na direção correta”, declarou Alfredo Hengari, porta-voz do presidente namibiano, Hage Geingob.

“É a base da segunda etapa, que consiste em pedir desculpas e prever uma reparação”, disse.

Nas próximas semanas, o presidente da Namíbia organizará encontros com autoridades das comunidades de hereros e namas, sobre as “modalidades de aplicação do que foi estabelecido com a Alemanha”, disse Hengari.

O anúncio é resultado de cinco anos de negociações entre os dois países.

Colonização no século XIX
A Namíbia foi colonizada pela Alemanha entre 1884 e 1915. Os colonos alemães mataram dezenas de milhares de hereros e namas durante os massacres executados entre 1904 e 1908. Para vários historiadores, tratou-se do primeiro genocídio do século XX.
Perdão pelas “atrocidades

“À luz da responsabilidade histórica e moral da Alemanha, vamos pedir perdão à Namíbia e aos descendentes das vítimas pelas atrocidades cometidas”, afirmou o ministro alemão.

“Não se pode apagar o passado. O reconhecimento da falha e o pedido de perdão são, no entanto, um passo importante para superar o passado e construirmos juntos o futuro”, completou o chefe da diplomacia alemã.

Em uma tentativa de reconciliação, a Alemanha entregou à Namíbia, em 2019, os ossos de membros das tribos herero e nama exterminados. A secretária de Estado para Assuntos Exteriores, Michelle Müntefering, pediu “perdão do fundo do coração”.

O gesto foi considerado insuficiente pelos descendentes e pelas autoridades da Namíbia, que exigiam um pedido oficial de desculpas e uma compensação.

Em diferentes ocasiões, a Alemanha disse que repassou milhões de dólares à Namíbia desde sua independência em 1990 para contribuir com seu desenvolvimento.

Embora o trabalho de memória histórica na Alemanha sobre o período nazista seja, em geral, considerado exemplar, o de seu período colonial na África, da segunda metade do século XIX ao início do século XX, foi deixado de lado por muito tempo.
Campos de concentração
As tribos herero representam atualmente quase 7% da população do país, contra 40% no início do século XX.

Privados de suas terras e de seu gado, os hereros se revoltaram em 1904 contra os colonos alemães e mataram mais de 100 deles.

Enviado para reprimir a rebelião, o general alemão Lothar von Trotha ordenou seu extermínio. Os namas se revoltaram um ano mais tarde e sofreram o mesmo destino.

Ao menos 60 mil hereros e quase 10 mil namas foram assassinados entre 1904 e 1908. As forças coloniais alemãs usaram técnicas genocidas: massacres em larga escala, exílio no deserto, onde milhares de pessoas morreram de sede, e campos de concentração ( o mais famoso deles é o de Shark Island).

Restos de ossos, em particular os crânios das vítimas, foram enviados à Alemanha para experimentos científicos de caráter racial. O médico Eugen Fischer, que trabalhou em Shark Island e cujos escritos influenciaram Adolf Hitler, pretendia demonstrar a “superioridade da raça branca”.

+ sobre o tema

“The Hiphop Archive” (WEB Du Bois Institute – Harvard University)

Em meados de 2009, quando comecei a desenhar...

Insurreição do Queimado, um marco da luta pela liberdade

O dia 19 de março de 1849 é um...

Morre aos 93 anos saxofonista Youssef Lateef

O saxofonista e compositor de jazz Youssef Lateef morreu...

Teatro de bonecos em São José dos Campos mostra diversidade africana

O espetáculo teatral “Os Orixás”, do grupo Giramundo Teatro...

para lembrar

Criolo e Mano Brown falam sobre racismo, ambição, Ferraris e Bolsonaro

Representantes de gerações diferentes do rap brasileiro, eles vão...

Miss América. O pedido de desculpas a Vanessa Williams 32 anos depois

Sam Haskel aproveitou ainda a ocasião para convidá-la para...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=