Aliada à Educação, literatura juvenil conta história do povo negro

Segundo a professora doutora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Maria Anória, estudiosa da área de Literatura Afro-Brasileira, o número de livros que abordam a temática racial, direcionados para crianças e jovens, aumentou bastante. Mas, de acordo com a pesquisadora, há também inúmeros “afro-oportunistas”, escritores não envolvidos com as relações étnico-raciais, mas que “aproveitam” o tema para se favorecer dentro da lógica do capitalismo, do lucro. “Muitos destes livros não rompem com os preconceitos raciais e com a visão equivocada de África. Há muitos afro-oportunistas”, frisa.

Do Correio Nagô

Imagem Retirada do site: http://correionago.com.br

A doutora Narcimária Luz também afirma que a literatura infanto-juvenil, que menciona assuntos sobre raça cresceu no Brasil, mas pontua que há “deformações”. “Por conta da lei n. 10.639/03, que torna obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas de nível fundamental e médio, muito se produziu sobre o tema. Muitas “deformações” viraram clássicos, mas não possuem nenhum vínculo com a comunidade africana, afro-brasileira, pois os autores inserem personagens negros a partir de uma visão euro-americana”, esclarece a autora de Obá Nijó, livro infanto-juvenil que conta a história de um menino, filho de africanos, que nasceu em Itapuã, na Bahia do começo do século XIX.

A professora Taísa Sena diz que leva para a sala de aula livros que se referem à cultura africana. Por um desses materiais, trabalhados na escola pela docente, trazer informações sobre o candomblé, a pedagoga disse que já foi “ameaçada” por uma mãe evangélica. “Ela disse que eu estava desrespeitando a religião dela porque eu falei, na sala de aula, sobre a religião de matriz africana”, menciona. Taísa ressaltou que percebeu a identificação dos alunos com o livro. “É importante esse tipo de discussão. Precisamos trabalhar as diferenças. Então, temos de trabalhar estas questões”, conclui.

A educadora Mileide Santos comenta, para o Portal Correio Nagô, que não é fácil levar a temática racial para a sala porque sempre há “choques”. “Os alunos do local que eu ensino são, em grande maioria, católicos ou evangélicos. É fácil se perceber o racismo. Por eu usar uma indumentária étnica, muitos, no início, não quiserem me aceitar como professora. O tema [preconceito] ronda a escola porque há muitas cenas de racismo. Eu trabalho muito com eles sobre isso, mas é um processo lento e contínuo”, acrescenta.

africas-e-diasporas
Imagem Retirada do site: http://correionago.com.br

Maria Anória diz que é preciso formar mais professores “aliados com a luta para desativar esta ‘bomba’ que é o racismo, que corrói a nossa sociedade ao longo do tempo”, diz. Em 2014, Maria Anória lançou, pela editora EDUNEB, o livro “Áfricas e Diásporas na Literatura Infanto-Juvenil no Brasil e em Moçambique”, resultado da sua tese de doutoramento.

Racismo sala de aula – Em 2013, no estado de Amazonas, um grupo de estudantes se recusou a fazer trabalho sobre a cultura afro-brasileira. Neste ano, 2015, esta notícia tem sido muito veiculada nas redes sociais. Sobre essa questão, a doutora Narcimária Luz diz que com a lei 10.639 está encontrando terreno fértil para abordar a temática racial. “Há algumas décadas era impossível falar sobre o assunto. A lei está aí para desarmar. O negócio é não abrir mão dela. Antigamente, o racismo, na sala de aula, era feito na hipocrisia. Agora, é realizado a partir da violência”, argumenta.

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

As melhores médias de estudantes do Brasil são de bolsistas do ProUni

Pesquisa mostra que alunos que contam com bolsa integral...

O feminismo e a primeira infância

Publicação reúne artigos que destacam a importância da perspectiva...

Governo quer começar a distribuir bolsas de estudo no exterior em 2012

Projeto para beneficiar 75 mil estudantes brasileiros será apresentado...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=