Alice Portugal: Leci Brandão é um exemplo para as brasileiras

Em discurso durante a sessão especial A Mulher e o Poder Político, na tarde desta quinta-feira (14/6), na Câmara Municipal de Salvador, a deputada federal Alice Portugal (PCdoB) emocionou a deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP) ao mencionar a história de vida da colega e do seu exemplo para as mulheres brasileiras. O evento, promovido pela vereadora Olívia Santana (PCdoB), debateu a importância da representação feminina no poder político para a superação das desigualdades de gênero.

Alice, que também é secretária Estadual de Políticas para as Mulheres do PCdoB, parabenizou Olívia Santana pela sessão e agradeceu a Câmara de Vereadores por ter acolhido a temática do encontro. “Esta Casa tem sorte, pois tem uma dupla de luta aqui, minhas companheiras Olívia e Aladilce, vereadoras do PCdoB. Olívia não poderia tratar deste assunto sem a presença de Leci Brandão, uma mulher guerreira e combativa”, afirmou.

 

“Política é a arte de conviver, convencer para transformar. Estamos às vésperas de uma eleição municipal e precisamos trabalhar a ideia de líderes reais”, disse Alice, ao acrescentar que “as mulheres são a maioria da população, dos eleitores, dos professores e profissionais concursados. Na base da pirâmide social são as mulheres negras que carregam o Brasil nos ombros. É hora de dar voz e vez para as mulheres.”

De acordo com a Opinião Interparlamentar da ONU (Organização das Nações Unidas), 17,2% é o índice de mulheres parlamentares no mundo e nas Américas, o valor é de 19,5%. “Na Câmara de Deputados, dos 513 parlamentares apenas 45 são mulheres. Para que essa estatística mude, é necessário constituir reformas políticas de empoderamento das mulheres”, finalizou a deputada federal.

Bastante emocionada, Leci Brandão agradeceu o convite para participar do encontro e disse que as mulheres estão querendo mais espaço no poder político. Na ocasião, ela mencionou a Casa Legislativa de São Paulo, que conta com apenas 12 deputadas dentre as 94 cadeiras legislativas. “E, dentre as 12 deputadas estaduais, sou a única negra”, afirmou.

Leci acredita ser necessária uma mudança na mentalidade dos partidos políticos em relação a um maior apoio às mulheres. “É preciso que os partidos ofereçam uma infraestrutura para que sejamos eleitas e criem fundos para isso. Nós queremos sim participar da política do nosso país, mas precisamos de ajuda.”

Olívia Santana acredita que a discussão não se resume apenas a questão eleitoral. “Queremos o empoderamento das mulheres em diferentes áreas. A luta é por equidade, por políticas públicas para as mulheres e contra o racismo. Tudo isso busca garantir a igualdade entre as partes em uma sociedade que é tão diversa. As mulheres precisam romper as amarras, vencer a timidez e não permitir que o medo as imobilize.”

A vereadora disse que mesmo com a cota de 30% para as mulheres, o número de mulheres na política ainda é pequeno. “Aqui na Câmara de Vereadores de Salvador, das 41 vagas existentes, apenas seis são ocupadas por mulheres”, concluiu Olívia.

A sessão teve início com a apresentação musical da artista Graça Onassilê. Após isso, a presidente do Instituto Mauá, Emília Costa Almeida, entregou um buquê de flores a Leci Brandão em nome das artesãs beneficiadas pelo instituto. Após isso, a representante da Secretaria Estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Arielma Galvão, falou um pouco sobre o Programa de Pró-equidade de Gênero e Raça desenvolvido pela secretaria e que chega a quarta edição.

Na ocasião, o integrante do grupo de Pró-equidade da Secretaria da Administração do Estado, Antônio Carlos Lordelo, falou que dentro do governo estadual o número de mulheres é superior ao de homens, mas elas estão predominantemente na base e não os cargos de direção e chefia.

A sessão especial aconteceu no Plenário Cosme de Farias da Câmara de Vereadores de Salvador e contou com a participação da vereadora Aladilce Souza (PCdoB), da secretária Estadual de Mulheres do PT, Antônia Garcia, artistas e diversos representantes de movimentos sociais da Bahia.

De Salvador,
Ana Emília Ribeiro

 

 

Fonte: PCdoB

+ sobre o tema

Quem são as mulheres indígenas eleitas deputadas em 2022?

Quatro mulheres indígenas foram eleitas para a Câmara dos...

Gênero e sexualidade nas pedagogias culturais: Implicações para a educação infantil

O presente trabalho tem por objetivo problematizar as relações...

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse...

Em Minas Gerais, tornozeleira eletrônica evita que homem volte a atacar mulher

Cintia Sasse A Lei Maria da Penha é admirável não...

para lembrar

“É um desafio ser uma negra e índia que se atreve a escrever”, diz Cláudia Canto

Escritora multifacetada que viveu "exílio domiciliar", em Portugal, lança...

Trailer de “Tangerine”, filme estrelado por atrizes trans e gravado inteiro no iPhone

Filmado inteiramente com iPhones 5S, Tangerine  é o queridinho...

PT e movimento social perdem Sonia Leite

Em homenagem a Sonia Leite (na foto, no fundo,...

Saúde feminina e maternidade

Lançada no final de março pelo Ministério da Saúde...
spot_imgspot_img

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...
-+=