Aluno da primeira turma de cotistas raciais da UFPR defende tese de doutorado

A UFPR agendou para a próxima terça feira (7) a defesa de uma tese de doutorado que, além da importância natural de um evento como esse para os envolvidos, carrega uma expressiva carga simbólica para a instituição e os movimentos sociais. O doutorando – Wellington Oliveira dos Santos, de 31 anos – é egresso da primeira turma de cotistas raciais da universidade, em 2005, e é o primeiro cotista apoiado pelo Programa Afroatitude na UFPR a defender uma tese de doutorado na instituição.

Do Bonde

O Afroatitude foi lançado pelo governo federal na fase inicial de implantação das políticas afirmativas, quando oito universidades públicas tinham políticas próprias de cotas – entre elas a UFPR. O objetivo era apoiar alunos negros cotistas, fornecendo bolsas em projetos de pesquisa e extensão e desenvolvendo estratégias para elevação da auto-estima e enfrentamento do preconceito.

Wellington não é o único “filho” do programa a chegar ao doutorado – há pelo menos mais cinco egressos da UFPR inscritos em programas de diversas universidades. Mas ele será o primeiro a defender sua tese na instituição. Por isso a data será celebrada como um marco, com uma programação que inclui um encontro de egressos e cotistas negros/as da UFPR, marcado para o mesmo dia da banca .

Jonathan Campos/Gazeta do Povo

“Será a comemoração de um resultado de qualidade inegável, obtido por um pesquisador que desde o início de sua trajetória acadêmica teve um ótimo desempenho e desmentiu o argumento de que o ingresso de cotistas iria diminuir o nível das universidades”, afirma o professor Paulo Vinícius Baptista da Silva, do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da UFPR e orientador de Wellington tanto no mestrado quanto no doutorado.

Para a professora Maria Tarcisa Silva Bega, que era vice-reitora quando a UFPR discutiu e aprovou o Plano de Metas de Inclusão Social e Racial, a conquista de Wellington tem um forte simbolismo. “Ter um doutor negro, cotista, se titulando na UFPR representa para mim, o sucesso da política e sua função social no combate ao preconceito e à intolerância. Indica, para a comunidade negra, interna e externa, que estes jovens podem sonhar e efetivar seus sonhos. E demonstra, da parte dessa primeira turma de cotistas, alta capacidade de resiliência e de mobilização para a luta cotidiana dentro dos espaços da instituição”.

Trajetória
A tese de Wellington Oliveira dos Santos, que integra o Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR, consiste num estudo comparado entre políticas educacionais antirracistas no Brasil e na Colômbia.

As questões raciais são seu objeto de estudo desde a graduação em Psicologia. A monografia de conclusão de curso versou sobre a percepção de estudantes que não haviam ingressado pelo sistema de cotas acerca do sistema de cotas e dos cotistas. No mestrado, também na UFPR, Wellington analisou a presença de personagens negros/as e brancos/as em ilustrações presentes em livros didáticos de Geografia para o 2° ano do ensino fundamental recomendados pelo Programa Nacional do Livro Didático em 2010.

“Ele vem colocando seu investimento intelectual num tema que é muito importante não apenas para a comunidade negra, mas para o país”, diz o orientador.

De acordo com Wellington, esse foi um caminho natural para quem, teve sua vida transformada por essa oportunidade. Filho de pais que se conheceram em Curitiba depois de serem empurrados para a capital pelo êxodo rural, o doutorando faz parte da primeira geração da família a chegar ao ensino superior. A mãe, Lucinda, que só tem o ensino fundamental, criou os três filhos trabalhando boa parte da vida como empregada doméstica e diarista.

Hoje, Wellington é professor da cadeira de Psicologia da Educação da Universidade Federal de Goiás. E, claro, um orgulho para a família. “Minha mãe está convidando pessoas que eu nem conheço para assistir à defesa de tese”, conta. “Para mim, é uma grande vitória, mas acho que é algo que extrapola o círculo pessoal. É a prova do sucesso da política de cotas, que não apenas favorece os cotistas, mas enriquece a universidade ao trazer para dentro dela outros olhares e outras realidades.”

Avaliação
Para o professor Paulo Vinicius, a política de cotas apresentou avanços e retrocessos ao longo dos anos, mas sua efetividade é inegável. “Nesse período a UFPR formou mais alunos negros do que em toda a sua história anterior, de quase cem anos”, diz.

“Hoje a universidade é multirracial na graduação e demonstra caminhar no mesmo sentido na pós-graduação. Com isso teremos mais doutores afrodescendentes, quebrando um padrão de pirâmide escura na sua base, mas que se torna branca no topo”, afirma a professora Maria Tarcisa, que fará parte da banca examinadora de Wellington no dia 7.

+ sobre o tema

O racismo como polêmica escolar

ERICA BARBOSA BAIA FERNANDA MARQUES DE ALMEIDAROSIANE MACHADO...

MEC cria ‘Enem’ para professores

Primeira prova deverá ser realizada em 2011. Participação de...

Núcleo da UNEB oferece curso sobre história e culturas africanas e afro-brasileira

O Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros em...

Estudantes negros são menos de 10% nas universidades federais

Em 2003, pesquisa mostrava que taxa não chegava a...

para lembrar

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...

ENEM: OAB orienta candidatos do Enem a procurar MP e não descarta pedir anulação

Os candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio...

Faltam professores qualificados no ensino médio

Por: Cinthia Rodrigues Docentes desta etapa lidam com várias...
spot_imgspot_img

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...
-+=