Alunos de escola de Porto Alegre fazem protesto após denúncias de assédios sofridos por alunas

Estudantes dizem que escola não age para conter o problema; direção diz ter tomado todas as medidas cabíveis

FONTEBrasil de Fato, por Marcelo Ferreira
Colégio Estadual Júlio de Castilhos (Foto: Guilherme Kepler)

Estudantes do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, conhecido como “Julinho”, de Porto Alegre, realizaram um protesto dentro da escola e ruas próximas, na manhã desta terça-feira (17), denunciando que alunas teriam sido assediadas por um estudante dentro da instituição. Com cartazes e palavras de ordem, o grupo critica a direção da escola, que não estaria dando a devida atenção a casos de assédio, e pede que seja aberta uma discussão ampla sobre o tema.

Na segunda-feira (16), quando o aluno acusado retornou à escola após alguns dias de afastamento, um grupo de estudantes ficou indignado ao vê-lo de volta ao ambiente escolar sem ter sofrido punições. Em meio aos protestos, novos casos de assédio vieram à tona e a direção da escola acionou o Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca).

Estudantes criticam que escola não dá atenção aos assédios

A estudante Roberta Ribeiro critica a direção da escola, pontuando que este não teria sido o primeiro caso de assédio no ambiente escolar. “Os alunos se revoltaram porque o menino desse segundo caso apareceu na escola andando livremente pelos corredores, tudo normalmente, como se nada tivesse acontecido. O que leva a gente a voltar no primeiro caso, quando a escola somente removeu ele do grêmio estudantil e o transferiu de sala de aula”, conta.

Ela afirma que os estudantes ficaram “com o pé atrás sobre a situação” quando a diretora afirmou que ficou sabendo do atual caso de assédio pelo próprio estudante acusado e que chamou os pais para conversar. “No primeiro momento a escola chamou as meninas e o menino para conversar, mas não teve comunicação entre a escola e os pais”, afirma.

Roberta relata ainda que as quatro alunas que fizeram as denúncias estão sendo ofendidas por alguns funcionários da escola. Explica que o protesto é para que a escola “não cale ou não abafe o assunto, porque assédio é crime e tem que ser penalizado na forma correta”.

Escola firma ter tomado todas as medidas cabíveis

A diretora do Julinho, Fernanda Schmidt Gaieski, afirma que a escola estava tomando todas as medidas cabíveis. “Fomos informadas na semana passada do ocorrido pelo próprio estudante acusado de assédio. Ele assumiu a situação. Conversamos também com as meninas envolvidas e chamamos os pais na escola para conversar, mas nós não podemos sair judicializando”, salienta.

Segundo ela, o outro caso que veio à tona nesta segunda-feira não era de conhecimento da escola. “Não temos como tomar uma atitude se não temos conhecimento da situação.”

A vice-diretora do turno da manhã do colégio, Paola Cavalcante Ribeiro, reforça que a direção procurou tomar todas as ações quando soube do fato, ocorrido na quarta-feira (11) da semana passada. “Ouvimos as alunas e o aluno, buscamos averiguar e fazer os encaminhamentos via setor educacional, já que o aluno envolvido tem 15 anos”, explica.

No entendimento de Paola, esse tipo de situação deve ser trabalhada dentro da escola para educar os estudantes envolvidos. “Tanto o menino potencial agressor para que tenha dimensão do fato que cometeu, grave e que não deve ser repetido, quanto as meninas, para que busquem fazer a denúncia, mesmo sabendo o quanto é difícil para uma mulher falar em uma situação dessas”, pondera.

A diretora salienta que que não dá para tolerar a violência. “As meninas têm todo o direito de protestar e isso, inclusive, é bom para levantarmos o debate, mas não podemos aceitar que chegue ao extremo da violência física. Nós vamos passar nas salas de aula para conversar com os alunos. Esta volta após a pandemia está sendo muito desafiadora, precisamos de muito diálogo”, reforçou.

Fernanda também destacou que a direção encaminhou a situação para o Deca, onde será feita uma investigação a partir dos depoimentos dos envolvidos. Além disso, a escola pretende promover debates sobre a questão de gênero e está sendo pensada uma programação cultural para trabalhar temas como machismo e racismo.

-+=