Feminicídios: Rio Grande do Sul é um dos estados mais violentos do Brasil

É necessário mais campanhas de prevenção e mais investimento em políticas públicas destinadas às mulheres

Hoje o Rio Grande do Sul é um dos estados mais violentos do Brasil, com uma média de dois feminicídios por semana. Também está entre os primeiros no quesito de violência doméstica, seja física ou psicológico, contra suas mulheres. 

No último dia 8, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul (Alergs) promoveu um Ato Solene “Pela Vida das Mulheres”, em conjunto com a participação dos espaços institucionais, da Procuradoria da Mulher da ALERGS e de entidades civis.

O lançamento desta campanha teve por objetivo conscientizar a população gaúcha em relação aos números crescentes de violência contra a mulher, através dos alarmantes dados que foram levantados e apresentados pelo Dossiê 2021/2022, da “Força Tarefa de Combate aos Feminicídios do RS”, que atua em 22 municípios gaúchos.

E também dos dados trazidos pelo “Levante Feminista”, que apresentaram os principais diagnósticos causadores da atual situação da violência e dos feminicídios contra a mulher no nosso estado.

Este momento que vivemos no RS em relação aos números estatísticos em crescente aumento da violência contra a mulher e, por consequência, o aumento dos feminicídios, antes e pós-pandemia, nos remete ao estado de alerta para a importância da mudança deste aculturamento machista gaúcho, como quebra de paradigma, atuando diretamente na educação nas escolas públicas, através de campanhas de prevenção.

Necessitamos também de uma rede de proteção à mulher realmente eficaz e interligada com os demais órgãos competentes, para além da polícia, proporcionando mais abrigos a mulheres e seus filhos, que tenham sofrido violência e não tenham para onde ir, visando assim um atendimento interdisciplinar mais complexo.

Na Câmara Municipal de Porto Alegre, temos a Frente Parlamentar “Homens pelo fim da Violência contra a mulher”, parceria esta criada através da Frente Parlamentar Estadual, impulsionada pelo movimento ElesPorElas (HeForShe), criado pela ONU Mulheres, que tem como meta um esforço global para envolver homens e meninos na remoção de barreiras sociais e culturais que impedem a ascensão de mulheres em atingir o seu potencial.

Em Porto Alegre, temos também o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CONDIM), que completou 27 anos de atuação, e recentemente empossou seus novos integrantes, agora em 30 de maio de 2022, atuando nas políticas públicas para mulheres. 

Se faz necessário mais campanhas publicitárias de prevenção contra a violência contra a mulher e mais investimento em políticas públicas destinadas às mulheres. Bem como o trabalho em parceria com o Judiciário e a rede para agilizar o tramite processual, para que se possa oferecer segurança e a integridade física às mulheres do RS.

* Vanessa Goulart é assistente social e assessora do Vereador Oliboni (PT).

* Acir Luís Paloschi é filósofo, pedagogo, pós-graduado em violência doméstica, líder comunitário e assessor do vereador Oliboni.

+ sobre o tema

Chacina de Campinas: nós, homens, precisamos discutir nossa masculinidade

Não chamem de tragédia, apenas. Foi uma tragédia, mas...

Mãe de adolescente que cometeu suicídio após ser estuprada divulga carta da filha

O caso da adolescente Cassidy Trevan, que cometeu suicídio...

Angelina Jolie pede mais esforços contra violência sexual em guerras

Atriz Angelina Jolie quer documentar crimes e apoiar processos,...

para lembrar

Homem mata esposa grávida a facadas porque ela não quis fazer jantar

Uma mulher grávida foi assassinada dentro de casa pelo...

Mulheres da Paraíba exigem ética da mídia local

Só este ano, 73 mulheres foram assassinadas na Paraíba....

TamoJuntas realiza 6ª Mutirão Lei Maria da Penha este sábado (5)

O último Mapa da Violência registra: aumentou em 54% os...
spot_imgspot_img

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...

Amparo para órfãos do feminicídio

Um alento para crianças e adolescentes em vulnerabilidade que perderam a mãe para o hediondo feminicídio. Cada um deles terá direito a receber auxílio...
-+=