América Latina, por Maurício Pestana

enviado para o Portal Geledes

Várias são as representações e signos construídos em torno dos latinoamericanos que em dezenas de países comungam. Além da maciça fé cristã, o espirito libertário indígena e o toque do tambor afrodescendente estão na alma de seu povo. Este pedaço do mundo carrega ainda o estigma no imaginário social do planeta como um local de escasso desenvolvimento social, econômico e político e zero contribuição para a formação social da humanidade. Isso é evidenciado na forma como somos representados na literatura ou nas manifestações midiáticas, oriundas do hemisfério norte – as produções de Hollywood são provas incontestes desta visão.

Esta deformação da nossa realidade encontra na elite econômica latina, com seus complexos de inferioridade, um forte aliado no culto à baixa autoestima. Isso contribui para que nos interessemos muito mais pelo que acontece na Europa, nos Estados Unidos  até no Japão do que aqui nos nossos vizinhos. Isso é válido para países como Chile, Argentina, Peru, Uruguai, Venezuela e Paraguai, só para citar a América do Sul.

A 20a copa do Mundo, em realização no Brasil, tem demonstrado o tamanho deste equívoco e o quanto ele é prejudicial ao desenvolvimento desses países, principalmente no quesito da percepção de mundo. Enquanto esperávamos o desempenho avassalador de seleções como Portugal, Inglaterra, Espanha e ou outras “potências” do futebol europeu com o qual vivemos conectados, nos mantivemos cegos diante do futebol praticado por países como Costa Rica, Uruguai, Venezuela e Chile, que venceram as favoritas mundiais.

Isso só reforça a ideia de que a América Latina precisa olhar mais para si e compreender o quanto este pedaço do planeta tem sido estigmatizado e discriminado – às vezes, por nós mesmos. Temos muito mais a mostrar para o mundo do que possamos imaginar, e podemos surpreender. Basta olhar para a Copa realizada aqui no Brasil, já tida como a melhor edição do evento em todos os tempos por grande parte da imprensa
internacional.

 

 

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

DEM: Candidato de R$ 92 mi está preso por estelionato

Por: BRENO COSTA Selmo dos Santos (DEM-SP), dono declarado...

Moisés Mendes: racismo e apatia no metrô de Paris

Por que as pessoas ficaram passivas, enquanto os ingleses...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

Centro de Referência da Igualdade Racial em São Paulo terá atenção aos índices de desigualdades

“Temos que ter uma atuação e políticas públicas diferenciadas...

“Previsões furadas: deu caos na mídia”

Site "Muda Mais" questiona reportagens da grande mídia que...

Cultura e preconceito

A história dos negros na cidade de São Paulo...

“Este é o momento ideal para falar da questão racial no setor privado”

Entrevista com Judith Morrison, assessora principal da Divisão de...

Maurício Pestana: Quando o racismo se torna entretenimento

Desde a explosão midiática do caso de George Floyd, falar, opinar, criticar ou denunciar atos de racismo nunca esteve tão em moda. Seu assassinato à luz do dia...

No país dos deputados “negros” que são brancos

Diversidade, inclusão, pluralidade, equidade, enfim, são várias as denominações que podemos encontrar para definirmos uma só coisa: o desejo de uma sociedade mais igualitária e...

Senegal decreta feriado nacional para festejar título inédito da Copa Africana de Nações

O Senegal acordou nesta segunda-feira (7) em clima de euforia. É como se a comemoração, que entrou pela madrugada, não tivesse fim até que...
-+=