Luisito, el vampi, ataca outra vez, por Cidinha da Silva

por Cidinha da Silva

Existem formas e formas de dar vazão ao espírito bélico de um guerreiro. Honrar os ancestrais guarani que modulam a agressividade de um rosto, por meio de gestos simples e nobres de respeito aos companheiros de profissão pode ser uma delas.

Luisito, ao contrário, prefere ser (ou só consegue ser) uma bomba-relógio feita à pólvora de racismo, violência e canibalismo, tingida por boa técnica para camuflar o tic-tac, o tatibitati, o desespero de mais um homem em conflito com a própria masculinidade, convulsionado por sentimentos devastadores, com os quais não sabe lidar, para os quais não busca ajuda.

Mas, não há como condoer-me, é muito cruel em suas metáforas, o tal Luisito. Aos negros, cuja origem socioeconômica é parecida com a sua (dizem que ele foi um menino extremamente pobre em Salto, sua cidade natal, e venceu na vida pelo futebol, como inúmeros meninos mundo afora), ele reserva o desprezo, a humilhação e a violência física como expressões do racismo que os afasta de seu corpo supostamente superior, aos chutes. Aos negros ele recusa aperto de mãos no início de uma partida.

É líquido e certo que os defensores do atacante dirão que Luisito agrediu apenas um negro, o francês Evra.  Poderão dizer mais, Evra é europeu, mesmo sendo senegalês, e Luisito, um pobre latino-americano massacrado pela imprensa e pela cultura anglo-saxônica. Pobrecito! O caso é que não é necessário matar 10 gays ou 10 mulheres para que um crime seja caracterizado como homofobia ou feminicídio, basta investigar e explicitar a motivação de ataque a pessoa única, porque é gay, lésbica, mulher, negro.

Aos brancos, por sua vez, Luisito devota a violência reincidente da mordida. Quer comê-los, engoli-los, capturar a brancura deles dentro de si, talvez como recurso atávico e macabro da crença canibalista de que ao chupar-lhes o sangue, ao mastigar-lhes a carne, el vampi adquiriria todas as qualidades do branco, festejadas pela supremacia branca. Quem sabe, o sangue branco ingerido pudesse até apagar as origens indígenas expressas em seu corpo latino-americano, talvez afro-latino-americano (os pelo duro costumam ter pavor dos ancestrais negros). Quiçá, ao arrancar dos brancos nacos de carne e gotas de sangue,  Luisito realize o sonho de tornar-se um deles.

+ sobre o tema

A inovação política que emerge nas periferias

Resultados do 1º turno reforçam nova configuração no Folha de...

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

Mitt Romney é vaiado por organização afro-americana nos EUA

Republicano foi vaiado por 25 segundos durante convenção em...

Serra chama negros tucanos ao Palácio para abafar crise

Fonte: Afropress     S. Paulo - A crise aberta com as...

para lembrar

A luta da UFSB no combate ao racismo no Sul da Bahia

A encruzilhada do combate ao racismo hoje tem muitos...

Mídia têm papel decisivo contra o racismo

Sugerir mudanças e novas práticas na maneira como a...

Na Flip 2018, Geovani Martins e Colson Whitehead relembram casos de racismo

Há 24 anos, quando fez um périplo de mochileiro...

Racismo e agressão a negros em SP

Cinco jovens foram presos pela Polícia Civil em São...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

“Inácia” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.5

— Senhora, senhora! Eu corri atrás da zungueira para entregar-lhe um galho seco e sem cheiro que caíra da bacia que carregava na cabeça....
-+=