Realmente “o racismo é coisa da tua cabeça”

Mais uma da série: ‪#‎nãoexistepreconceitonoBrasil‬ ‪#‎nãomeKhaloMais‬

Eu, no terminal de integração, com todos os documentos e procedimentos necessários efetuados tentando fazer a segunda via do meu cartão de passe quando a moça que me atendia chama a gerente e mostra algo no computador. A gerente acena a cabeça negativamente e consigo ler em seus lábios: “Não pode.”

por Marcinha Lima no Facebook

Fiquei sem entender. A moça do guichê entrega meus
documentos de volta e no comprovante de bloqueio escreve e me diz: “Vc tem que mudar a foto.”

Eu pergunto o por quê e ela diz que foi a gerente que falou que não podia. Insisti em entender o motivo, explicando que minha foto atendia todas as normas pré-estabelecidas no site onde efetuei o cadastro. Ela diz que infelizmente não pode fazer nada e que eu deveria mudar minha foto para conseguir efetuar o procedimento.

Não satisfeita fui até a gerente e educadamente – vale salientar – a questionei o motivo de eu ter que trocar a foto. Primeiro ela diz que a foto ta escura. Eu digo que não, pq não está. Depois ela diz que existe um tipo de avaliador no site que define se a foto pode ou não ser utilizada. Eu a questiono sobre isso, já que a minha foto, depois de eu fazer o cadastro, constou como válida e quem definiu se ela podia ou não foi a mesma, porque eu vi. Quando ela solta:

– “Meu amorzinho, tire a foto com o cabelo preso que fica MELHOR. É SÓ PRENDER, como a que tava na sua Carteira de Estudante. Vc tira no celular mesmo. É só uma foto.”

O moço que tava do lado questiona: Então o problema é o cabelo?

Ela repete olhando pra mim: É só prender que dá certo, ta bom?

Eu olho pra ela, me retiro e choro. Choro muito. Tava chorando até ainda agora pra ser bem sincera. Pois todo mundo que eu conheço tira suas fotos 3×4 com o cabelo solto pq eu não podia?

O problema não era a foto, antes que alguém venha falar. Ela era recente, estava nítida, tinha o fundo branco, eu estava de frente, não tinha outras pessoas, eu não estava com adereços.

O problema era o cabelo. Meu black. Estar solto. Existir.

Fazia tempo que algo desse tipo não me atingia tanto. Hj doeu que só. Mas passou.

Na verdade esse textão de hj serve mais como um recado pra mim e essa gerente: NUNCA MAIS ALGO DO TIPO VAI ME ABALAR TANTO. SÓ QUEM VAI ABALAR DE HOJE PRA FRENTE É MEU BLACK. PQ ELE É LINDO! ELE É MEU! PQ VAI TER BLACK EM FOTO 3X4 SIM. E COMO VAI! VAI MUITO, VAI SEMPRE!

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

BA: casos de discriminação racial no Carnaval crescem 64%, diz estudo

O número de casos de agressão relativos à desigualdade...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=