Professora sugere que aluna negra “alise o cabelo para agradar os meninos”

Enviado por / FonteDo Pragmatismo

Professora disse que as garotas devem se cuidar para "agradar os meninos" e sugeriu que a criança, negra, fizesse chapinha para alisar o cabelo. Docente foi demitida e a polícia investiga a denúncia de racismo feita pela família da vítima

A Polícia Civil e a Secretaria de Educação investigam um suposto caso de racismo de uma professora em uma escola municipal na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo.

A docente, que leciona geografia, teria dito que as alunas precisam se cuidar para “agradar os meninos”. Nesse momento, utilizou uma menina negra de 12 anos como exemplo e sugeriu que ela fizesse chapinha para alisar os cabelos.

Sobre a mesma garota, a professora teria dito que “olhos claros não combinam com cabelos crespos” e que a criança deveria “fazer um alisamento ou passar um creme porque o cabelo estava muito bagunçado”.

A aluna relatou o episódio à família, que registrou boletim de ocorrência. Segundo o documento, a menina teria ficado constrangida com o ocorrido e postado um vídeo nas redes sociais, no qual manifestou orgulho pelo seu cabelo.

A Secretaria de Educação informou que o contrato da professora foi encerrado e que não compactua com esse tipo de atitude. O caso, agora, está nas mãos da polícia.

Medo de voltar para a escola

A menina de 12 anos disse que ficou com medo de voltar para a escola após o episódio. “Eu fiquei com medo e vergonha. Com medo de a professora e os outros alunos tirarem sarro outra vez. Ela disse que meus olhos verdes não combinavam com o meu cabelo, que era bagunçado”, afirma.

A família disse que o estado ofereceu acompanhamento psicológico à adolescente, mas que avisou muito em cima da hora e que não havia outra opção de horário, por isso, a menina não pôde comparecer. No entanto, familiares providenciaram um acompanhamento por conta própria.

Leia também:

“Saudade de quando preto era escravo”: garoto é vítima de racismo por colegas de escola em BH

Alunos da PUC Rio acusam professor de racismo e perseguição contra estudantes

Homem é preso suspeito de chamar funcionária de mercado de “preta fedorenta”

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Racismo à portuguesa ganha força com ultradireita e orgulho do passado colonial

Enquanto parte da sociedade lusitana reverencia um passado histórico...

Supervisor acusa vereador de Embu das Artes de racismo: “Todo preto fede”

O supervisor Izac Gomes, de 57 anos, acusou hoje...

Cotas no ensino superior: uma política bem-sucedida

Para um país que historicamente se pensava como uma...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=