quinta-feira, dezembro 1, 2022
HomeQuestão RacialCasos de Racismo"Saudade de quando preto era escravo": garoto é vítima de racismo por...

“Saudade de quando preto era escravo”: garoto é vítima de racismo por colegas de escola em BH

Pai do garoto que sofreu racismo relatou que alguns dos outros pais presentes na reunião promovida pela escola, após o caso, tentaram minimizar o episódio

Um garoto de 14 anos foi alvo de ataques racistas pelos próprios colegas de classe, em uma escola de Belo Horizonte. As mensagens dos alunos em um grupo de WhatsApp chegaram a citar conteúdos como “saudades de quando preto era escravo”. O caso aconteceu com alunos do Colégio Cristão Ver, na região noroeste de Belo Horizonte, nessa semana.

Ao Uol, o pai contou que o grupo foi criado pelos próprios alunos da escola para estudarem conteúdo de uma prova que seria aplicada. Segundo ele, logo depois de criado, seu filho começou a ser excluído e isolado das conversas. O garoto decidiu sair do grupo e, logo em seguida, começaram os ataques racistas. “Que bom que o ‘neguin’ não tá, já não aguentava mais preto naquele grupo”, disse um dos alunos. Outro disse “nem sabia que preto estudava”. Em determinado momento, um aluno em questão disse que “nem sabia que preto podia ter celular” e “sdds [saudades] de quando preto só era escravo”, sendo respondido com “e sempre trabalhava”. 

O garoto, vítima de ataques racistas, recebeu os prints de um colega que viu as mensagens e o alertou. Logo em seguida o menino contou para o pai. “Eu fiquei estarrecido, o dia acabou para mim”, contou o pai, que, ao procurar a escola, disse que eles se solidarizaram e marcaram uma reunião. “Pensei que seria apenas eu, só que os pais dos outros alunos também estavam”, disse. Ele relatou que alguns dos pais presentes na reunião tentaram minimizar o caso de racismo.

“Eles se desculparam, mas o leite já foi derramado”, disse o pai. Segundo ele, o garoto está com sintomas de depressão. “Eles bateram muito forte não só na minha família, mas no meu filho também. Hoje [ele] não foi disputar um campeonato, não sai de casa e não está comendo”, relata.

O pai da criança que sofreu racismo informou ao Uol que procurou a Delegacia da Criança e do Adolescente. Ele foi orientado a comparecer em outra unidade da Polícia Civil, junto com seu filho, nesta segunda-feira, 20, para registrar o Boletim de Ocorrência. O portal Uol tentou entrar em contato com o colégio, porém não localizou nenhum representante ou a direção da instituição para comentar sobre o caso.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench