O PNLD Literário e a censura

Quando a censura ganha repercussão, passamos a discuti-la e isso parece mais um sintoma da nossa apatia política do que uma prática organizada de contestação e resistência

Recentemente fomos “surpreendidas” pela censura feita por operadoras da educação no interior do Rio Grande do Sul e em Curitiba a um livro de literatura selecionado pelo PNLD Literário (Programa Nacional do Livro e do Material Didático), componente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Trata-se de uma política pública de formação de acervo nas escolas públicas brasileiras, um dos maiores programas de distribuição de livros didáticos e de literatura do mundo.

A prática de censura não é surpreendente, de fato, porque ela tem nos acompanhado de maneira mais discreta em alguns momentos e insidiosa em outros, desde que Jair Messias Bolsonaro foi eleito presidente, e mesmo antes, no governo do usurpador Michel Temer. Quando a censura ganha holofotes e caixas de som nas mídias digitais, passamos a discuti-la e isso parece se configurar mais como um sintoma da nossa apatia política do que como prática organizada de contestação e resistência. Assim, escorregamos na casca de banana da novidade nos noticiários e sua avidez por coisas de potencial inflamável.

Não é objetivo desta crônica discutir o arcabouço de práticas de censura do governo Bolsonaro, tampouco os pequenos poderes de bolsonaristas incrustados (e protegidos) nos subterrâneos de órgãos da administração pública de cidades e estados, cujos governantes, câmaras municipais e assembleias legislativas são coniventes com práticas antidemocráticas, autoritárias, racistas, machistas, LGBTfóbicas, etc. Quero apenas trazer algumas informações sobre o processo de seleção de livros no PNLD Literário.

Inscrever um livro no PNLD Literário implica uma tarefa complexa. Primeiro é preciso vencer uma disputa no interior das próprias editoras, porque existem muitos títulos bons a cada ano e o edital limita o número de obras a inscrever. Feita a escolha, é necessário elaborar um imenso e detalhado material de apoio, que inclui vídeos, manual do professor, versões para pessoas cegas ou com baixa visão e versões em audiovisual, ou seja, uma vasta configuração de suporte técnico-didático que será escrutinada por um pequeno exército de avaliadoras e avaliadores, recrutados nas melhores universidades brasileiras.

Caso os livros inscritos sejam aprovados, passam a compor uma lista de livre escolha a ser enviada a todas as escolas brasileiras inscritas no FNDE. As escolas definirão internamente como escolherão os livros. Nesse processo, vemos de tudo: escolas que perdem o prazo de escolha; escolas que têm processos intensos e participativos de discussão no corpo docente; escolas que deixam a escolha nas mãos de um pequeno grupo de docentes ou mesmo de um indivíduo. O resultado final é encaminhado pela diretora ou diretor da escola, utilizando sua matrícula e CPF.

Quando a gestão pública é conduzida por critérios ideológicos e autoritários e não por pressupostos republicanos aplicados por servidores que heroicamente zelam pela coisa pública, em qualquer etapa do processo pode haver ingerências que deturpem os resultados ou excluam livros. Isso aconteceu, por exemplo, com o meu livro Um Exu em Nova York, que mesmo tendo sido aprovado em todas as etapas do PNLD Literário 2021, não entrou na lista de obras disponíveis para o processo seletivo nas escolas. À época, a editora Pallas com o meu apoio, optou por não judicializar a questão e tentou reverter o desaparecimento do título nos canais internos da instituição promotora do certame, contudo, era um tempo de trevas e o livro foi mesmo desaparecido do leque de opções.

+ sobre o tema

Vocês que lutem!

A meta almejada é um Brasil varrido de negros...

Os 9 países mais seguros do mundo e sua Maioridade Penal

Se você é do tipo que gosta de conferir...

Sobre o conceito de “Consciência Negra”. Leia e saia da ignorância!

Steve Biko, ativista negro sul-africano antiapartheid,  foi assassinado aos 30...

Maioria dos casos de racismo no futebol brasileiro ainda fica impune

Observatório da Discriminação Racial no Futebol foi criado para...

para lembrar

O papel da mídia na difusão do racismo e o silêncio acadêmico

Discutir o racismo no Brasil é muito complicado. Complicado...

Suástica na testa de Zumbi dos Palmares

Na manhã desta segunda (20.10) a estátua em homenagem...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=