Antropólogo lança livro sobre políticas Públicas e ações afirmativas

O professor Dagoberto José Fonseca faz alguns comentários sobre as cotas raciais e as políticas públicas no Brasil

 

 

O professor de antropologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Araraquara, Dagoberto José Fonseca, lançou recentemente o livro ‘Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Segundo o autor, o livro faz uma releitura mais aprofundada do processo histórico de colonização do Brasil. “Nesse livro, eu volto a Portugal para mostrar que a vinda de Colombo às Américas e a chegada de Cabral ao Brasil, não foi um simples acidente de percurso, mas sim um projeto de políticas públicas desenvolvido pela Coroa Portuguesa em busca da ampliação do seu Estado. Nesse aspecto, o processo de ampliação territorial de Portugal, faz com que o Brasil esteja inserido dentro do cenário de políticas publicas da antiga coroa portuguesa”, disse.

 

Discussões


Em duas edições ocorridas, nesse ano, no programa Canal Livre da Rede Bandeirantes, o cientista social, Demétrio Magnoli, faz várias críticas as instituições de ensino que utilizam o sistema de cotas raciais nos seus processos seletivos. Ele chega a acusá-las de tribunal racista. De acordo com Magnoli, a utilização do quesito cor na hora de avaliar um candidato é favorecer o negro, seja pobre ou rico e abandonar a raça errada, isto é, os brancos pobres. O professor Dagoberto disse que é contrário à opinião de Demétrio. “Para mim, o Demétrio representa uma pequena parcela da sociedade que é contra ao sistema de cotas. No entanto, eu vejo a sua opinião como um ponto de reflexão para a sociedade. Porque com atitudes como essa, faz aparecer um movimento que ficou muito tempo preso no armário, o movimento branco, não o movimento de brancos. Esse movimento que ficou muito tempo implícito, hoje, reaparece na figura do Demétrio, que não é nada mais que representante dessa “elite branca” que utiliza a situação criada por eles mesmos, isto é os brancos pobres, para justificar as suas posições contrarias aos sistemas de cotas e ações afirmativas. Uma coisa não justifica a outra”, enfatiza o professor que ainda ressalta que as políticas públicas brasileiras sempre tiveram um recorte racial, o qual durante toda a história excluiu os indígenas e os negros.

Fonte: Jornal Imparcial

+ sobre o tema

Comunidade quilombola de Cairu (BA) é ameaçada por fazendeiro

Batateira, quilombo situado numa ilha no município de...

Quilombolas poderão comercializar produtos com nota fiscal

Quilombolas do estado do Espírito Santo, certificados pela Fundação...

Fundo Rotativo Solidário beneficiará empreendedores do Fórum da Economia do Negro de Fortaleza (CE)

Por: Karol Assunção   Adital – Empreendedores/as da capital cearense organizados...

para lembrar

Morre árvore de 200 anos, símbolo da cultura negra em Araxá

Lenda conta que dois escravos foram enforcados na árvore.Depois...

Ao som dos tambores africanos

Novo espaço da cultura negra em Curitiba apresenta oficinas...

Ministras buscam parcerias com estados pela igualdade racial e de gênero

  As possibilidades de parcerias e convênios entre o governo...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=