Padre Toninho ajudou a enegrecer consciência e fé

 

 

Que Olorum acolha este nosso irmão que tanto ajudou a enegrecer nossas consciências

cristãs. Fui aluno de padre Toninho nas disciplinas de Moral I e II, seu orientando no
curso de Teologia no Instituto Teológico São Paulo (ITESP), no Ipiranga, em São
Paulo, entre 95 e 98, e amigo de Pastoral Afro, quando ele ainda estava na Aquiropita,
no bairro do Bexiga.

Ele nos ajudou e muito… Só hoje, em meio a tantas mudanças por que passa a igreja,
percebemos o quanto sua ação foi de ponta, profética, zumbílica. Quando na década
de 90, no seminário, lia ou ouvia suas reflexões sobre a Vida Religiosa e Consagrada
Negra e Indígena na Igreja Católica eu me descobria negro, afro-brasileiro, herdeiro de
Zumbi, Anastácia, Luiz Mahim, João Cândido, Moisés, seguidor de um Jesus Cristo
Negro, na perspectiva de Puebla. Quantos grupos de base pelo país afora se reuniram
ao redor da Bíblia, do atabaque e da busca de construção de “novos céus e nova
terra”.

De tudo que aprendi de pe. Toninho, e levarei sempre, fica principalmente a leveza e a
ternura no trato das questões étnico-raciais, sem perder a segurança de denunciar o
racismo onde não se espera encontrá-lo, mas também a fé no Quilombo Páscoa
Ressurreição do Reino da Igualdade, na irmandade quilombola daqueles e daquelas
que sonham, lutam, celebram e dançam na utopia de um mundo mais justo e igualitário.

Pe. Toninho fez a sua parte, reinventou os quilombos nas CEB’s (Comunidades
Eclesiais de Base), alicerçou uma Teologia Negra Latino-Americana, enegreceu a
própria Teologia da Libertação, inculturou Missas e Celebrações tornando-as genuinamente Afro-Brasileiras; padre Toninho nos legou um serviço sacerdotal
enegrecido na beleza das cores, das comidas, das danças, da inculturação da liturgia,
da promoção da justiça e da igualdade. Ao redor da mesa ou da toalha, ele nos ensinou
a reunir as diferenças religiosas, a firmar e celebrar o compromisso da fé cristã com o
diálogo com as outras religiões, especialmente, as religiões de matrizes africanas, numa
perspectiva macro-ecumênica.

A nossa Negritude deve-se muito à sua consagração à causa do povo negro!
E também a tantas outras consagrações… Ele nos ajudou a viver de uma forma mais
autêntica, inculturada e contextualizada o nosso próprio Batismo, nossa maior
consagração na construção do Reino!

Padre Toninho agora fará mais linda a festa no Orum, reunindo-se numa grande roda
de alegria com todas as pessoas que, neste mundo, fizeram de sua vida ponte, corrente
de amor, laços de união e vida, no respeito e na valorização das diferenças!!!

Padre Toninho! Axé, paz na vida!

+ sobre o tema

Preto e dinheiro são palavras rivais???

Por Bruno Rico Do Afro21 Precisamos aprender a reconhecer algo histórico,...

“Para branco sempre tem espaço”, diz Vovô do Ilê sobre dívida do bloco afro

Bloco passa por momento complicado, com dívidas que chegam...

para lembrar

Manoel Quirino

Por: Edson Costa Está lá nos textos produzidos...

Parceiros discutem Encontro do Ano Internacional dos Afrodescendentes

Agendado para acontecer em Salvador, nos dias 17, 18...
spot_imgspot_img

Câmara aprova projeto que torna Dia da Consciência Negra feriado nacional; texto vai à sanção

Por 286 votos a favor e 121 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) um projeto de lei que declara o dia 20 de...

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

“Quanto mais diversos formos, melhores seremos”

Uma das mais destacadas intelectuais em atividade no país, a historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz, docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas...
-+=