Após polêmica, Bell Marques terá que alterar música

O cantor Bell Marques compareceu nesta segunda-feira, 14, na sede do Ministério Público para firmar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). No documento, ele se compromete em alterar a letra da música “Cabelo de Chapinha”, lançada na última semana.

Por Maíra Azevedo Do A Tarde

De acordo com o TAC assinado, o vocalista será obrigado ainda a fazer uma campanha contra o racismo e machismo durante o Carnaval de Salvador em 2016.

Após anunciar pelo Facebook que sua aposta para o Carnaval é a música “Cabelo de Chapinha”, o cantor Bell Marques virou um dos nomes mais comentados da internet. A letra da música foi considerada machista e racista por muitos fãs e movimentos sociais.

“A música atinge duplamente a mulher, em especial a mulher negra. Fala de um homem que espera adequação da imagem da sua parceira ao gosto dele. E tem abordagem racista, quando ratifica as opressões que os corpos negros vêm sofrendo. É a imposição de um padrão estético que não nos contempla”, explicou a antropóloga Naira Gomes, idealizadora do movimento Empoderamento Crespo, ao Jornal MASSA!

Um dos compositores da música, Filipe Escandurras também falou sobre a canção: “A música é alegre, como a maioria das minhas canções. Quis mostrar que existem outras formas de dizer ‘eu te amo’. Afinal, a mulher é minha, tenho o direito de escolher e pedir pra ela colocar o corte ou o vestido que eu mais gosto”.

O artista também usou sua rede social para se solidarizar com o autor da letra. “Muito boa essa forma gentil que o compositor encontrou para enaltecer sua amada e que deveríamos aplaudir, pois essa é a mensagem da música: gentileza e amor”, disse Bell.

Defensoria Pública

Diferentemente de Bell e Escandurras, a ouvidora-geral da Defensoria Pública, a socióloga Vilma Reis acredita que a música pode contribuir para a violência doméstica. “Muitas mulheres vivem situações extremas de violência, porque as coisas foram tratadas como brincadeiras. Uma sociedade que opina na estética vai querer exercer controle social sobre o corpo dessa mulher”, diz.

A advogada Dandara Pinho, que também presidente da Comissão Especial de Igualdade Racial da OAB-BA, já tinha adiantado que a música podia virar caso da Justiça. “‘Cabelo de Chapinha’ é uma agressão, pois reforça o poder dos homens, incentiva o machismo e quebra a autonomia feminina, quando a mulher precisa fazer algo para agradar a seu parceiro”.

+ sobre o tema

A marcha contra o Genocídio do Povo Negro incomoda os inimigos

A marcha contra o Genocídio do Povo Negro incomoda...

Líder quilombola é morto e esquartejado no Acará

O líder quilombola Artêmio Gusmão, conhecido pelo apelido de...

Padre Assis: ‘Meu Cristo tem cabelo crespo, é do povão e anda por favelas’

Ivaldino de Assis Mendes Tavares já perdeu as contas...

Após funcionário sofrer racismo, hamburgueria fecha as portas para clientes intolerantes

Hamburgueria na cidade de Serra, no Espírito Santo, publica...

para lembrar

O Itinerário de Amílcar Cabral

Imagem retirada do DNotícias   De há algum tempo que os estudos...

Cor da pele interfere até na ação policial, dizem pesquisadores

No DF, porém, o número de mortes por intervenção...

A Luta Necessária por Luciana Nepomuceno

Luciana Nepomuceno   Quando eu era mais jovem eu...

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman TEDx SaoPaulo Salon

Porque queremos olhos azuis? por Lia Vainer Schucman. Lia fala...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=