“As Divas Negras no Cinema Negro Brasileiro” e a “kineasta” inglesa Vik Birbeck

MAIS UM RESGATE DO ACERVO CULTNE

Vik Birkbeck no Flash de Amaury Jr falado sobre o seu documentário “AS DIVAS NEGRAS DO CINEMA BRASILEIRO”

por Marcos Romão, do Mamapress

Vik Birbeck eu poderia dizer, é a mulher inglesa que renasce no berço do movimento negro e no movimento indígena contemporâneo brasileiro.

Chegou ao Brasil em pleno governo Geisel em 1975.

A partir de 1981, já lado de seu então companheiro Adauto dos Santos, o conhecido cineasta e jornalista Ras Adauto que hoje vive em Berlim, Vik Birbeck imergiu com sua câmera no invisível mundo negro e indígena no Brasil.

Com sua câmera nos ombros documentou que se passava no Brasil da abertura, como ela própria fala, “abertura” do Geisel. Imergiu e ficou e, só vai na Inglaterra de visita.

Criou com Ras Adauto a empresa de produção de vídeos “Enugbarijô Comunicações”, e circularam como peixes dentro d´água, pelos movimentos sociais, principalmente dos negros e dos indígenas no Brasil.

Teve assim a oportunidade de participar e ser uma das principais motoras e testemunhas dos documentários, que retratam as ações artísticas, culturais e políticas dos negros e dos índios do Brasil, numa época em que nem se sonhava que um dia surgiria “smartphones”.

As televisões, o o cinema apresentavam, como ainda apresentam o negro e índio como personagens de coro grego, que mudos ficam, ao fundo dos nos eventos sociais, culturais e políticos do país e nos teatros e filmes da vida.

Grandes manifestações sociais que eclodiam pelo país na década de 80, não apareciam nas telinha globais, mas Vik e Adauto, como era conhecido o casal de jovens cineastas na época, lá estavam imersos no seio do movimento negro com as câmaras nos ombros e nas mãos, sempre remando contra o vento do “mainstream”  visual brasileiro predominantemente branco.

Ouso até dizer que sem o trabalho de documentação do protagonismo negro, realizado por Vik&Adauto, que vem sendo resgatado pela inciativa negra,“Acervo Cultine”, nossos netos digitalizados de hoje poderiam dizer que estaríamos contando lorotas. Pois até hoje a história da movimentação política dos negros no Brasil, não é relatada nas resenhas anuais que as TVs  apresentam em suas retrospectivas de ano novo. Mesmos nos nossos tradicionais rituais de oferendas à Yemanjá no Ano Novo, a cada ano ficamos cada vez mais desaparecidos.

Sem esta dupla e todos os fotógrafos e cineastas negros e negras das décadas anteriores, seríamos uma lenda e, sem ironias, as negras  e os negros do Brasil não passariam de “Fada Morgana inglesa”.

Tristes trópicos em em que até os ingleses veem o racismo que o branco brasileiro recusa ver.

Quem estava por trás das câmaras, finalmente apareceu.

O Acervo Cultne nos resgata em 2015 um vídeo com uma entrevista dada por Vik Birbeck, para Amaury Jr em 1989 .

É uma joia da história do processo de documentação sobre o que negras e negros faziam na década de 80 e antes. Fala do documentário internacionalmente premiado, “As Divas Negras no Cinema Negro Brasileiro”, em que as protagonistas são artistas negras do cinema e do teatro que desde a década de 50 se projetaram no cenário artístico nacional e internacional, mas que ao contrário das artistas brancas, vivem em sua maioria no ocaso e no esquecimento, salvo raras exceções.

Em suas palavras Vik afirma na entrevista em 89: ” Ruth de Souza” foi a pioneira no cinema nacional. Levou o cinema brasileiro para fora, ganhou em Cannes o prêmio de melhor atriz com “Sinhá Moça” em 1953, projetou-se nos anos 50 e 60, e agora está relegada a papéis pequenos em novelas, e isto é um absurdo, pois ela é tão atriz como Fernanda Montenegro…”

A história de Vik Birbeck e de seu olhar de mulher inglesa imersa na cultura indígena e negra do Brasil, é um retrato de como um olhar sobre a realidade brasileira, que torna invisível o protagonismo dos negros e dos índios, pode se descolonizar e mostrar o que está na cara e que ninguém vê na “TELINHA”.

Na própria entrevista podemos perceber o “incômodo” demonstrado pelo entrevistador branco brasileiro, menos familiarizado do que a cineasta já abrasileirada, com a realidade das negras e dos negros no Brasil.

Para termos uma visão melhor da importância que Vik Birbeck e de Ras Adauto tiveram para manter a memória e tornar visível o protagonismo de negras e negros no Brasil na história artística, cultural e política do Brasil, apresentamos aqui na Mamapress, “As Divas no Cnema Negro Brasileiro”, em cinco episódios digitalizados e  divulgados pelo Acervo Cutine,coordenado pelo também cineasta e ativista negro Asfilófio de Oliveira Filho, mais conhecido como Don Filó.

Documentário “As Divas Negras do Cinema Brasileiro” produzido pela Enugbarijô Comunicações em 1989.

Entrevistas e performances com atrizes negras de cinema, teatro e televisão que narram suas vidas, carreiras, discriminações e lutas no mundo artístico brasileiro. Estrelando as atrizes Zezé Motta, Ruth de Souza, Léa Garcia, Zenaide Zen e Adele Fátima, além da ativista Lélia Gonzáles.

Direção:Vik Birckbeck e Ras Adauto

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

 

+ sobre o tema

Livros angolanos expostos em Lisboa serão matéria de estudo

Lisboa (do correspondente) – Alguns dos 50 títulos...

Fifa se desculpa por desrespeito de consultora a africanos e sul-americanos

A Fifa pediu desculpas pelas declarações desrespeitosas a africanos...

Fundação Palmares quer que Cais do Valongo, no Rio, vire patrimônio da humanidade

Brasília – A Fundação Cultural Palmares quer tornar o...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=