Ativista anti-escravidão no lugar de dono de escravos: nova nota de US$20 cria polêmica nos EUA

Enviado por / FonteDa BBC

Um novo desenho da nota de US$ 20, que trará um retrato da ativista americana anti-escravidão Harriet Tubman, estava previsto para entrar em vigor no ano que vem, mas será adiado até 2028, afirmou o secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, nesta quarta-feira (22/5).

Tubman, que escapou da escravidão e ajudou outros negros escravizados a fazerem o mesmo, havia sido escolhida em uma enquete conduzida durante o governo Barack Obama, em 2016, para substituir na frente da nota de US$ 20 a figura de Andrew Jackson, ex-presidente dos EUA e na época dono de escravos.

Ao explicar o adiamento na mudança, o secretário Mnuchin deu poucos detalhes – apenas afirmou que a prioridade no redesenho são “as questões de falsificação”, e por isso “a nova nota de US$ 20 não virá antes de 2028”. Mnuchin afirmou, porém, que antes disso o Tesouro americano vai lançar novas notas de US$ 10 e US$ 50. Ele não quis comentar se concordava ou não com a imagem de Tubman na nota.

(Foto: Imagem retirada do site BBC)

Durante a campanha eleitoral, Donald Trump expressou admiração pelo ex-presidente Andrew Jackson e afirmou que o plano de substituí-lo por Tubman era algo “puramente politicamente correto”, sugerindo que a ativista – que chamou de “fantástica” – fosse retratada na nota de US$ 2, que não está mais em circulação.

O general Jackson, que foi presidente dos EUA entre 1829 e 1837 e defendia a escravidão, figura na nota de US$ 20 desde 1928.

Durante sua Presidência ocorreu o início da expulsão de indígenas nativos americanos de suas terras no sul dos EUA, resultando em milhares de mortes por fome e doenças, explica a agência France Presse.

Além disso, Jackson liderou a invasão de região da Flórida para destruir o chamado “Forte Negro”, uma antiga fortaleza britânica onde cerca de 800 negros fugitivos se abrigavam. Muitos deles foram mortos e os que sobreviveram foram levados de volta à escravidão.

Ao mesmo tempo, Jackson se tornou um herói nacional por comandar uma batalha militar vitoriosa contra os britânicos no sul dos EUA, em 1815.

Alguns historiadores dizem que Jackson e Trump têm em comum o estilo populista, de governar estimulando o “nós contra eles”.

Trump, por sua vez, se disse “fã” de Jackson e da “grande figura política” do ex-presidente.

Harriet Tubman

Do outro lado da história está Harriet Tubman, nascida escrava nos anos 1820, mas que conseguiu fugir de seus “donos” quando tinha cerca de 27 anos. Segundo a fundação que leva seu nome, na década seguinte ela ajudaria mais de 300 escravos a obter liberdade, guiando-os pelos chamados “Trilhos Subterrâneos” – que na verdade eram uma rede de rotas e abrigos para negros.

Após o fim da escravidão nos EUA, Tubman tornou-se uma figura humanitária. “Ela arrecadou dinheiro para abrir escolas para afro-americanos e fez discursos sobre os direitos femininos”, diz a fundação Harriet Tubman.

A escolha de sua foto para substituir a de Jackson, em 2016, deu-se depois de meses de debate público, no qual decidiu-se que Tubman ficaria na dianteira da nota de US$ 20 e o ex-presidente, na parte de trás.

Na época, o então secretário do Tesouro Jacob Lew afirmou que a ativista negra era “não apenas uma figura histórica, mas também um modelo de liderança e participação na democracia”. Ela será a primeira mulher a aparecer em notas de dólares americanos em mais de um século.

Antes dela, figuraram nas notas a ex-primeira-dama Martha Washington, que ilustrou a de US$ 1 entre 1891 a 1896, e a indígena Pocahontas, que era uma das pessoas retratadas em uma cena que ilustrou a nota de US$ 20 entre 1865 e 1869.

+ sobre o tema

Wesley Snipes deve passar três anos na cadeia por sonegar R$ 35 milhões em impostos

Wesley Snipes deve se apresentar às autoridades norte-americanas, segundo...

Esta ciranda quem me deu foi Lia que mora na Ilha de Itamaracá

O jornal The New York Times a chamou de...

Lázaro Ramos estreia na TV com programa de entrevistas

"Diálogo. Escuta. Afeto. São três palavras fundamentais para seguirmos...

Manu Dibango:“Meu domínio é a música e minha política é estar engajado musicalmente

Rendemos uma singela homenagem ao símbolo incontornável da música...

para lembrar

Presidente da Guiné Equatorial pede que se repare “injustiça histórica” para com África

"É irónico que, embora os assuntos africanos constituam 75%...

Literatura e representatividade

Destacando-se como resposta para ausência de obras de autores...
spot_imgspot_img

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=