Ativistas da Marcha das Vadias no RJ vêm sofrendo ameaças de violência e assassinato

A Relatoria do Direito Humano à Saúde Sexual e Reprodutiva da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais – Plataforma Dhesca – divulgou no último dia 7 de agosto uma nota de repúdio aos ataques e ameaças que vêm sendo feitos contra as organizadoras da Marcha das Vadias no Rio de Janeiro. Após a realização do ato organizado pela Marcha durante a visita do papa Francisco à capital fluminense, no mês passado, Rogéria Peixinho, Danielle Miranda e Nataraj Trinta passaram a receber ameaças de morte por e-mail, redes sociais e telefone.

O Instituto Patrícia Galvão divulga abaixo o conteúdo da nota. Adesões podem ser enviadas para [email protected]  até o final do dia desta sexta-feira (9 de agosto).

“Nota de apoio às defensoras de direitos sexuais e reprodutivos ameaçadas no estado do Rio de Janeiro

Vimos pela presente denunciar as ameaças que vêm sofrendo as ativistas e defensoras dos direitos humanos, sexuais e reprodutivos, Rogéria Peixinho, Danielle Miranda e Nataraj Trinta, que fazem parte da organização da Marcha das Vadias no Estado do Rio de Janeiro. Neste ano, a Marcha aconteceu na cidade do Rio de Janeiro durante evento da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), na praia de Copacabana. Devido a problemas com o local primeiramente escolhido para o evento da JMJ, este foi alterado para a Praia de Copacabana, local que já havia sido escolhido com antecedência para a realização da Marcha das Vadias.

Durante a Marcha houve uma apresentação por pessoas que estavam na manifestação, que usaram a quebra de imagens de santas, e essas cenas foram veiculadas nos meios de comunicação. Desde então as organizadoras da Marcha vêm recebendo ameaças de morte através das redes sociais, e-mails e telefones. As ativistas foram diretamente responsabilizadas pelos atos de terceiros durante a Marcha em representação ao Ministério Público Estadual apresentada pelo deputado estadual Bolsonaro Filho.

Tal medida representa uma tentativa de atribuir responsabilidades por atos de terceiros nos quais as ativistas não tiveram participação, além de instaurar o pânico moral em relação à manifestação antissexista visando o cerceamento da liberdade de expressão das integrantes da Marcha das Vadias, violando os seus direitos humanos e garantias constitucionais.

As ativistas afirmam que não sabiam da existência dessa apresentação e que não concordam com nenhuma ação de intolerância religiosa.

A Marcha das Vadias tem outro propósito bem diferente, é a expressão de um movimento global que tem como principal objetivo denunciar o sexismo e a cultura machista nos casos em que as mulheres e meninas vítimas de violência sexual são acusadas de terem provocado a violência que sofreram devido ao seu comportamento ou vestimenta, organizada em outros estados e em outros países desde que começou no Canadá, no ano de 2011.

Pelos fatos expostos solicitamos providências imediatas cabíveis para a proteção de sua integridade física como defensoras dos direitos humanos sexuais e reprodutivos.”

Fonte: Agência Patrícia Galvão

+ sobre o tema

Literatura e ideologia: uma entrevista com Alice Walker

Gostaria de dizer que planejamos tudo desde o começo,...

A namorada tem namorados

Um caso muito peculiar de infidelidade Do Armando Antenore   Num lugar...

Há uma justa medida em todas as coisas; existem, afinal, certos limites – Fátima Oliveira

A ADVERTÊNCIA DO ROMANO HORÁCIO CONTRA OS EXCESSOS Por Fátima Oliveira "Est...

para lembrar

Brasil é segundo país da América Latina com menos mulheres no comando

Brasil é segundo país da América Latina com menos...

Fátima Oliveira: O Taj Mahal reconhece de longe o perfume que uso

Do perfume e de suas finalidades espirituais, religiosas e...

Professora expulsa aluna que levou filha a universidade e turma deixa sala em protesto

Estudante de pedagogia da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) foi...

E padre seria bom marido?

Assume relevo a questão do celibato sacerdotal, enquanto crescem...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=