Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

racismo
Do Pragmatismo Politico
Ator Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática nesta quarta-feira após sua filha ser alvo de comentários racistas

Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, no Rio, nesta quarta-feira (16). O ator procurou a polícia depois que a sua filha, a pequena Titi, sofreu ofensas racistas através das redes sociais.

“Preconceito é crime. Vim aqui para falar do que aconteceu. Falei a verdade, e agora a polícia vai atrás. Racismo se combate com amor e justiça. Tenho 100% de certeza de que a polícia vai achar e [essas pessoas] vão pagar pelo que fizeram”, disse, após o depoimento. “Não foi o primeiro caso, mas espero que seja o último que esse caso”, concluiu.

O ator afirmou ainda que tem provas de todas as ofensas, que aconteceram há cerca de uma semana. “Como ser humano, como pai, fico muito triste. Por isso estou aqui cobrando e pedindo justiça, para as pessoas aprenderem e para servir de exemplo para o mundo”, afirmou Gagliasso, que chegou à delegacia acompanhado do advogado Michel Assef Filho e foi assediado por fãs na saída.

Segundo a delegada Daniela Terra, os criminosos, assim que identificados, responderão por injúria por preconceito, injúria qualificada e racismo. A pena prevista é de reclusão de um a quatro anos. Até o momento, a polícia tem dois perfis suspeitos.

“Esses criminosos serão identificados. Eles se utilizam da internet acreditando que estão passando despercebidos por estarem fazendo uso de rede social, mas não estão. Não adianta apagar o perfil, não adianta apagar o comentário, não adianta usar de subterfúgios para mascarar a conexão porque a Polícia Civil tem tecnologia suficiente para identificar esses criminosos que serão individualizados e punidos ao rigor da lei”, afirmou.

No Instagram, Giovanna Ewbank, esposa de Bruno, também publicou um post repudiando as ofensas a sua filha. “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar“, ressaltou.

A ideia de adotar uma criança começou depois que Giovanna viajou ao Malaui para entregar mil peças de roupa confeccionadas por uma americana de 100 anos, que tinha o objetivo de ajudar meninas da África.

Giovanna conheceu a pequena Chissomo –apelidada carinhosamente de Titi–, se envolveu sentimentalmente e conseguiu convencer o marido a adotá-la. Em 1 ano e 5 meses, eles viajaram sete vezes para a África, com o objetivo de resolver os trâmites legais da adoção, concluída neste ano. O casal recebeu elogios pela atitude, mas também foi vítima de muitas críticas.

Racismo e famosos

Embora o preto pobre seja a principal vítima de racismo no Brasil, o preconceito contra negros ultrapassa a barreira da classe social.

Alguns famosos sentiram recentemente na pele o peso do preconceito racial. A apresentadora do Jornal Nacional Maria Julia Coutinho foi alvo de comentários racistas e os agressores já foram identificados pelo Ministério Público.

As atrizes da Globo Taís Araújo e Cris Vianna e a cantora Negra Li também sofreram ofensas raciais e foram adiante em busca de punição aos agressores.

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Carta de repúdio ao racismo praticado na formatura de História e Geografia da PUC

Durante a tradicional cerimônia de formatura da PUC, onde...

PARANÁ: Caso de racismo leva treinador a pedir demissão no estadual

  O treinador Agenor Picinin pediu demissão do...

‘Prefiro que a loira me atenda’, diz cliente a atendente negra em restaurante

Após ser atendida pela funcionária branca e de cabelos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=