Atraídos por uma ‘vida melhor’, haitianos dão de cara com preconceito e abusos no Brasil

“Se você quer, pega. Se não quer, não quer”. Foi assim que Alix Mustivas, de 26 anos, foi tratado pelo patrão após se machucar enquanto trabalhava na construção civil. Após fraturar a coluna o braço em dois lugares durante o trabalho – sem carteira assinada – o dono da empresa ofereceu R$ 300 ao jovem. “Eu disse que minha vida não valia R$ 300”.

 Gabriela Bazzo

Mustivas, que teve o apoio de entidades sindicais catarinenses para receber, durante um mês, auxílio do INSS, conta que ficou dois dias sem levantar e andar. “Depois de uma semana consegui caminhar e levantar sozinho”, afirma.

Haitiano, ele está há mais de um ano entre Curitiba e Santa Catarina. Mustivas veio ao Brasil em busca de oportunidades melhores do que as que encontrava no país de origem, que ainda se recupera de um devastador terremoto, que atingiu a nação em 2010.

“Eu trabalhei em um condomínio em Santa Catarina, mas depois da temporada não precisavam mais de serviço”, conta ele, que então conseguiu um novo emprego, no setor de construção civil, sem dificuldades.

“O chefe pagava R$ 70 por dia, mas não queria assinar a carteira de trabalho.Ele dizia que ia assinar na semana seguinte, mas nunca assinava. Eu estava em uma situação que tinha que pagar aluguel, ajudar minha filha, não podia ficar parado”, conta ele, pai de uma garota de 7 anos que mora com os avós maternos no Haiti.

Atualmente, ele mora em Curitiba – “achei que lá teria mais gente para cuidar de mim”, contou – onde tem uma banda e trabalha como segurança em uma universidade particular.

Mustivas é, de acordo com dados da Polícia Federal, um dos 65 mil haitianos que chegaram ao Brasil entre 2011 e novembro de 2015.

Não há dados precisos sobre quantos haitianos vivam em Santa Catarina, mas as estimativas giram em torno de 6.000 pessoas.

“O indicativo que se tem é que em 2013, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, os haitianos tornaram-se o grupo de trabalhadores imigrantes em SC, de maior presença no mercado formal”, explica a professora Gláucia Assis, coordenadora do Observatório das Migrações de Santa Catarina, ligado à UDESC.

Em Santa Catarina, nos cinco primeiros meses do ano passado, foram emitidas 2.259 carteiras de trabalho para haitianos, mais do que o dobro do registrado ao longo de 2014: 986.

Gláucia aponta para a configuração de redes sociais, que fazem com que um imigrante “puxe” o outro para determinada cidade.

“Esse incremento da presença de haitianos no estado se deve ao fato de que a maioria quando chegou encontrou trabalho, antes da intensificação da crise econômica, e a principalmente ao fato de que os imigrantes uma vez estabelecidos e encontrando trabalho tendem a passar essa informação a amigos e parentes que vem para onde já há algum conhecido estabelecido e posso ajudar a encontrar emprego e moradia.” 

Foi a perspectiva de um emprego e a possibilidade de avançar nos estudosque levaram Alexandre Bladimy, de 28 anos, a Balneário Camboriú. Antes, ele trabalhou em um frigorífico no Rio Grande do Sul.

“Foi um momento muito duro para mim, pois meu coração não compartilha com esse tipo de lugar, com sangue, com sofrimento. Tenho um coração muito sensível”, conta ele, que trabalhou por um ano e pediu para ser mandado embora.

Após um ano sem emprego, o jovem começou a cursar Relações Internacionais na Universidade do Vale do Itajaí, onde trabalha na Secretaria de Inclusão, com o atendimento a conterrâneos.

Ele, que trabalhava como gerente de uma escola técnica no Haiti e dava aulas de idiomas, critica a falta de políticas públicas voltadas aos haitianos.

“O governo está promovendo uma política externa para trazer mais haitianos para o Brasil, mas não tem nada de políticas públicas para os haitianos aqui”, conta ele, que afirma ter sido convidado para vir ao país, mesmo com um bom emprego no Haiti , e agora se prepara para voltar ao país de origem. 

“Lá não estava muito ruim para mim. Eu ganhava bem, tanto que paguei minha passagem. Uma grande parte dos haitianos vem para procurar trabalho, mas eu tinha uma vida boa lá. O que me motivou a vir foi a boa oferta, eu esperava oportunidades melhores aqui, principalmente em avançar nos estudos.”

+ sobre o tema

Afro-Cubanos

O termo afro-cubano se refere a cubanos de ancestralidade...

‘As mulheres são criadas para achar que o casamento é muito importante’ diz Chimamanda Adichie

Escritora aclamada pela crítica internacional, a nigeriana pertence ao...

Bolsas para graduação no Brasil

Estudantes de 24 países africanos podem tentar uma vaga...

para lembrar

Mãe de Pogba quebra protocolo da FIFA e levanta troféu

A FIFA tinha avisado que apenas campeões e chefes...

Relação entre China e África caracteriza-se pela extração e predação – filósofo camaronês

O filósofo e teórico político camaronês Achille Mbembe considerou...

“A escravatura é legítima”, dizia Fernando Pessoa. E cria polémica na CPLP

Escritos de Fernando Pessoa parecem apoiar a escravatura aos...

Livro infantil reúne brincadeiras de 20 países africanos

Vivemos em geografias diferentes, mas estamos sentados na mesma...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Carta aos brasileiros: somos de fato um país acolhedor aos estrangeiros?

Fomos criados escutando vários mitos. O de que somos o país mais alegre do mundo é apenas um deles. Há também o da democracia...

Portugal se ressente da invasão de brasileiros mas não nos devolve o ouro

Pela segunda vez neste ano estou em Lisboa, e desta vez pude rever com mais tempo os meus irmãos portugueses –luso-africanos de origem cabo-verdiana, guineense,...
-+=