Avianca demite copiloto que xingou nordestinos

 

Após a repercussão negativa provocada pelos comentários preconceituosos contra o Nordeste e os nordestinos feitos pelo copiloto Eduardo Pfiffer, companhia aérea demitiu o aeronauta. Pfiffer reclamou, em sua página no Facebook, depois de ser mal atendido em um restaurante em João Pessoa, na Paraíba; taxou o povo nordestino de “relaxado, nojento, medíocre e escroto”; empresa divulgou nota repudiando o posicionamento do piloto e informando que ele não faz mais parte do quadro de funcionários

por Mariana Almeida,

Após a repercussão negativa provocada pelos comentários preconceituosos contra o Nordeste e os nordestinos feitos pelo copiloto Eduardo Pfiffer em sua página pessoal no Facebook, a companhia aérea Avianca agiu rápido para evitar maiores danos e demitiu o aeronauta. Após ser mal atendido em um restaurante na cidade de João Pessoa, na Paraíba, Pfiffer escreveu um texto na rede social, onde taxava o povo nordestino de “relaxado, nojento, medíocre e escroto”, transformando o Facebook no palco de mais um episódio de xenofobia. Após o caso vir a público, a empresa divulgou uma nota repudiando o posicionamento do piloto, e informou que Pfiffer não faz mais parte do quadro de funcionários da companhia.

“Para manter o padrão porco, nojento, relaxado, medíocre e escroto de tudo no Nordeste como sempre… Depois de 1h10 minutos esperando um filé de peixe simples, sem nada de diferente, eles conseguem errar e fazer algo completamente diferente do cardápio que já não tem opção nenhuma”, escreveu o piloto em sua página no Facebook. “Povo escroto do caralho! Lugar nojento!”, xingou.

O texto recebeu diversos comentários negativos, com internautas condenando a atitude do profissional e afirmando que “preconceito é ainda mais escroto e nojento”. Muitos pediram a demissão do piloto. “Vai ver eles mudam sua escala e você nunca mais passe por aqui. Talvez não passe mais em lugar nenhum”, comentou um internauta revoltado com o post.

Após a repercussão negativa, Pfiffer voltou a criticar a Região e afirmou que as palavras eram “a opinião de quem acha esse lugar [o Nordeste] uma merda e pronto”, acrescentando que os “serviços são sujos” e “o povo é mal-educado e folgado”. Entretanto, após a repercussão negativa, o piloto deletou a postagem e o perfil na rede social.

Em nota, também divulgada no Facebook, a Avianca disse “repudiar veementemente o comentário atribuído a um funcionário seu, nas Redes Sociais, de cunho preconceituoso”. Menos de um dia depois, a empresa informou que Pfiffer foi retirado do quadro de funcionários da empresa. Em menos de 24 horas o caso vir à tona, a página da Avianca, mais especificamente a nota condenando a atitude do aeronauta, contabilizava mais de 500 comentários – em sua maioria repudiando a atitude do copiloto -, além de 584 curtidas e 93 compartilhamentos.

As redes sociais já foram palco de diversos episódios envolvendo preconceito contra o Nordeste. Um dos casos de maior repercussão aconteceu logo após a eleição da presidente Dilma Rousseff (PT), quando o alto índice de votos para a petista na Região foi pretexto para vários comentários preconceituosos, sendo o que ganhou mais destaque foi o da estudante de direito Mayara Petruso, que afirmou que “nordestino não é gente”, além de pedir que os brasileiros “fizessem um favor e matassem um nordestino afogado”.

Fonte: 247

+ sobre o tema

Os Caminhos da Sociedade Civil e o Sentido de suas Organizações e Coletivos

As manifestações brasileiras, e tantas outras pelo mundo,...

Marcha Mundial das Mulheres discute trajetória do feminismo na América Latina

Nesta terça-feira (27), as participantes discutem sobre as...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=