Aza Njeri realiza, na Balada Literária, a masterclass ‘Afro-referência na indústria cultural’ – Inscrições abertas

Neste encontro refletimos acerca das filosofias e estéticas africanas e as suas incorporações na Indústria Cultural. Seria uma apropriação ou uma incorporação estética? Passeamos por algumas obras desta indústria apontando a presença das afro referências, percebendo suas nuances e impactos

A professora e escritora Aza Njeri ministrará a masterclass Afro-referência na indústria cultural na Balada Literária. O encontro será realizado no dia 2 de outubro, sábado, das 14h30 até as 17h30. Inscrições exclusivas pelo site da Balada Literária (www.baladaliteraria.com.br).

Metodologia

Neste encontro refletimos acerca das filosofias e estéticas africanas e as suas incorporações na Indústria Cultural. Seria uma apropriação ou uma incorporação estética? Passeamos por algumas obras desta indústria apontando a presença das afro referências, percebendo suas nuances e impactos.

Tópicos abordados:

-Qual o papel da Indústria Cultural?

-Indústria Cultural e Filosofias Africanas

-Indústria Cultural e Estéticas Africanas

-Afinal é apropriação?

-Análise de algumas obras marcos da indústria cultural

AZA NJERI

Viviane Mendes de Moraes (Aza Njeri): é doutora em Literaturas Africanas – UFRJ, pós-doutora em Filosofia Africana/UFRJ, coordena o Núcleo de Filosofia Política Africana do Laboratório Geru Maa/UFRJ e o Núcleo de Estudos Geracionais sobre Raça, Arte, Religião e História do Laboratório das Experiências Religiosas/UFRJ. É professora nos cursos de graduação e pós-graduação de Engenharia e Psicologia na Universidade Geraldo Di Biasi – Nova Iguaçu e professora de Filosofia Africana na Pós Graduação em História da África no Instituto de Pesquisa e Memória Preto Novos/RJ.

BALADA LITERÁRIA MÊS A MÊS

A Balada Literária ganha novo formato, com conteúdos mensais on-line, que vão se somar à já consagrada edição do festival, que acontecerá em novembro. Na Balada Literária Mês a Mês estão programadas aulas especiais, shows inéditos, conversas ao vivo e oficinas literárias.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

O poder da beleza negra, na Vogue Itália

O poder da beleza negra, na Vogue Itália. A Vogue...

Beyoncé contrata 200 dançarinos africanos para novo clipe

Beyoncé contratou mais de 200 bailarinos africanos para o...

Camila Pitanga conta que faz terapia desde os 16 anos

Camila Pitanga falou com a Marie Claire e contou que faz...

Hoje na História, 1973, nascia Isabel Filardis

Isabel Cristina Teodoro Fillardis mais conhecida como Isabel Fillardis...

para lembrar

Debret e a Cultura Negra no Brasil

Obras do pintor francês e documentos do Arquivo Histórico...

“Sou o sol da Jamaica, sou a cor da Bahia”¹ O samba-reggae como atlântico negro baiano²

RESUMO O presente trabalho tem por objetivo contextualizar o surgimento...

Arthur Bispo do Rosario é tema de exposição nos EUA

Era quase véspera de Natal quando o sergipano Arthur...

Governo troca cultura por mais armas na favela

Em meio à violência que recrudesce nas favelas do...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...
-+=