Basta um documento com foto para votar domingo

Eleitor poderá apresentar apenas documento com foto no próximo domingo

Por 8 votos a 2, o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubou nesta quinta-feira (30) em caráter liminar (provisório) a exigência de que o eleitor apresente dois documentos para votar no próximo domingo (3). Com a decisão, será necessário levar um documento de identificação com foto, como RG, carteira de habilitação ou passaporte. Votar somente com o título de eleitor, entretanto, não será permitido.

A exigência da apresentação de um documento oficial com foto, além do título de eleitor, foi estabelecida por uma lei aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante o julgamento, os ministros consideraram que a lei é inconstitucional, pois poderia restringir o direito fundamental do eleitor de votar.

O pedido para que a lei fosse declarada inconstitucional foi feito pelo diretório nacional do PT. O DEM, por sua vez, foi ao Supremo defender a aplicação da lei.

De acordo com o ministro Marco Aurélio Mello, a nova regra poderia causar uma “burocratização” das eleições.

– Mesmo que o eleitor identifique que é ele mesmo não poderá exercer o direito? Corremos o risco de entrar no campo da burocratização de escolher os representantes.

Além de Marco Aurélio, votaram contra a exigência de dois documentos a relatora do caso, ministra Ellen Gracie, e os ministros Dias Toffoli, Carmen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Britto e Celso de Mello. Votaram a favor da exigência de dois documentos o ministro Gilmar Mendes e o presidente da Corte, Cezar Peluso.

Na sessão da última quarta-feira (29), após os primeiros sete votos iniciais a favor da lei, o julgamento foi interrompido por um pedido de Mendes para analisar melhor o processo. Na volta do julgamento, ele votou a favor da exigência de dois documentos, argumentando que a nova regra já foi amplamente divulgada e que uma nova alteração a três dias das eleições poderia gerar “transtornos e inseguranças”.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, Mendes conversou com o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, antes de fazer o pedido de análise que interrompeu o julgamento. Mendes negou interesses político-partidários em sua decisão logo após o início do julgamento hoje.

De acordo com a ação do PT, “a exigência conjunta de dois documentos, além de causar previsível confusão, afronta a razoabilidade, a proporcionalidade e a eficiência, ao impor infundada restrição a um direito de cidadania, com riscos e prejuízos para o conjunto do eleitorado”. O DEM, que contestou a ação, afirmou que a “exigência da lei é adequada e necessária porque não há, até o presente momento, outra forma capaz de eliminar a possibilidade de fraude no momento da votação”.

Fonte: R7

+ sobre o tema

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

para lembrar

Quando o carnaval passar… Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva Quando o Carnaval passar,...

Racismo em tempos de Copa fica mais evidente

Mônica Francisco* O racismo institucional e o racismo cotidiano percebido...

11 filmes para entender a ditadura militar no Brasil

Onze filmes que fazem um diagnóstico de como o...

Jornalismo e Sensacionalismo : Entrevista – Wanda Chase

Fonte: Fazendo Jornalismo- Por Leia Celestino & Elaine Adriana...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...
-+=