Vancouver 2010: Beleza pura, esquiador-cartola quer mais etíopes nos Jogos

Simpático e de estilo solto, o etíope Robel Zemichael Teklemariam soltou um “beleza pura” em português ao ser parado pela reportagem do Terra. O resultado do atleta, 35 anos, no esqui cross country, disputado no Olympic Park de Whistler, foi apenas um discreto 93º lugar.

No entanto, a sua história não está ligada a medalhas e bons resultados. Nascido no país africano, o atleta mudou-se aos 9 anos para os Estados Unidos, onde a sua mãe conseguiu uma transferência por ser funcionária das Nações Unidas, e no país da principal economia do planeta desenvolveu o seu amor pelo esqui.

Para se manter e pagar as viagens para as competições, Teklemariam conta com o apoio de uma empresa de resorts que o contratou como instrutor de esqui.

Em Turim 2006, Teklemaiam tornou-se o primeiro etíope a disputar uma Olimpíada de Inverno, terminando em 89º. Desta vez, em Vancouver, ele caiu cinco posições, mas não se abalou.

“Fiz o que pude, então está ótimo. Podia ser melhor em relação a resultado. Mas pelo que coloquei no percurso, foi 100% para mim. Estou contente com o resultado”, disse.

Para se tornar atleta olímpico pela Etiópia, Teklemariam teve de criar inclusive uma Federação de Esqui, controlada por ele e membros da sua família, para poder participar de competições. “No começo foi difícil para fazer o COI entender”, disse.

Depois de superar também uma certa resistência na terra natal para ter uma federação em um local que não neva, ele pôde competir e agora luta para criar espaço para mais atletas, apostando em sua presença nas competições para buscar novos adeptos. Para promover o esporte, ele até treinou no país recentemente com um roller-esqui.

“Depois de competir em Vancouver, eu vou para Europa. Preciso de mais competições para o meu currículo e para conseguir uma melhor performance”, disse.

“Para o futuro, quero lutar para ter mais etíopes envolvidos no esporte. Como vemos hoje no Brasil, há mais esquiadores e há um certo desenvolvimento”, disse o etíope, referindo-se às presenças de Jaqueline Mourão e Leandro Ribela. O brasileiro, por sinal, terminou apenas três posições à frente do etíope.

Fonte: Terra

+ sobre o tema

A importância da democracia direta

A Suíça vive nos últimos tempos um novo...

Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

  O Centro terá como sede a Universidade Federal do...

10 ideias errôneas que temos sobre a África

Uma jornalista da Namíbia, Christine Vrey, estava revoltada com...

para lembrar

Beluce Bellucci: A nova conjuntura africana

A virada do milênio representa uma virada na...

Conflitos em alguns países africanos é um «retrocesso» no processo de democratização – PR

  O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, classificou em...

Bono desafia Lula: vamos fazer juntos um Bolsa Família planetário

Ex-presidente e vocalista da banda U2 se encontraram nesta...

Brasileiro Roberto Azevêdo vence mexicano e vai comandar a OMC

Organização Mundial do Comércio é órgão máximo internacional da...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

‘Fui um menino negro criado por avós supremacistas brancos que me ensinaram a saudação nazista’

Shane McCrae é um consagrado poeta norte-americano. Ele foi premiado diversas vezes, publicou uma dezena de livros e é professor de redação criativa da...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...
-+=