Bélgica se desculpa pela primeira vez por passado brutal nas antigas colônias da África

Pela primeira vez, o governo belga declara mea culpa pelo sequestro de milhares de crianças africanas durante regime colonial

POR ANDRÉ NOGUEIRA, do Aventuras na História

Museu Real da África Central, em Bruxelas(Imagem retirada do site Aventuras na História /Reprodução)

No dia de hoje foi lançado um pronunciamento direto de Bruxelas em referência a um pedido de desculpas internacional dirigido ao Congo, Burundi e Ruanda, antigas colônias do pequeno país europeu, por todo o passado colonial no que se refere aos sequestros, estupros, métodos de segregação e deportação de milhares de crianças que passaram pelo processo de adoção coercitiva.

A iniciativa provem de uma associação de autores, historiadores e ativistas políticos para a criação de uma resolução parlamentar que incita o Estado Belga a reconhecer e se desculpar pelos erros cometidos na África, assumindo também a responsabilidade da cumplicidade da Igreja Católica.

O fenômeno ocorria com filhos de casais inter-raciais nascidos nas colônias, dentro do compromisso europeu de “melhoramento racial” e “europeização” de grupos internos ao território colonial no XIX. Isso porque os filhos mestiços eram considerados pelo governo colonial uma ameaça a seu empreendimento de ocupação militar e empresarial e, portanto, à seu lucro, a dominação racial e ao prestígio internacional das potências.

A colonização belga foi uma das mais violentas do continente africano. O Congo, por exemplo, antes de ser uma colônia de Bruxelas propriamente dito, foi propriedade direta do rei Leopoldo II, respondendo diretamente à sua vontade. Métodos de tortura sistemática, exploração do trabalho e dos corpos das populações nativas, mutilações, sequestros, execuções primárias e formas de escravidão eram comuns nessa colônia.

Imagens do holocausto colonial belga no Congo (Imagem retirada do site Aventuras na História /Reprodução)

O pedido de desculpas belga é o primeiro na história do país. Antes, a Bélgica assumia uma clara posição de resistir aos indiciamentos dos historiadores em relação ao trágico legado socioeconômico deixado pelo país na África Central.

A resolução indica também a necessidade de abertura dos arquivos nacionais belgas sobre a colonização e administração, possibilitando que muitos filhos de congoleses e ruandeses acessem suas certidões de nascimento e se informem em relação a identidade e procedência de seus pais, favorecendo a reconstrução da memória familiar das crianças sequestradas.

A decisão vai de encontro com a iniciativa belga, em 2018, de reaver a narrativa e as relações do país com o Congo. Ano passado, a Bélgica oficialmente homenageou o antigo líder revolucionário, ativista e primeiro-ministro congolês Patrice Lumumba, mesmo governante do país africano que foi derrubado por um golpe militar fomentado pelo governo belga e que resultou no assassinato de Lumumba, em 1961.

+ sobre o tema

A Origem e Consolidação do Racismo no Brasil

1- Constituição e Racionalização da Exploração Escravista na Antiguidade Mário...

A escravidão através dos olhos de uma parisiense em viagem pelo Brasil

Memórias, diários e relatos de viagens são fontes importantes...

Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas

“Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas”...

“Brasil: 12(6) anos de escravidão”

Diante do sucesso do filme de Steve McQueen, que...

para lembrar

A saga do negro

Com desafios tamanhos, a inteligência europeia decidiu-se por importar...

Inventário lista 100 lugares de memória do tráfico de escravos no Brasil

Com informações do LABHOI O Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico...

Por que falar da escravidão do Brasil em quadrinhos?

Produzido a partir de vasta pesquisa, novo livro de Marcelo...

A família negra no tempo da escravidão

Há alguns anos venho investigando as experiências de vida...
spot_imgspot_img

Trabalho escravizado no Brasil mostra a cara de um país sombrio e violento

"Achei que tinha que viver isso por ser pobre". A frase é de um homem de 51 anos, Marinaldo Soares Santos, natural do estado...

Número de resgatados da escravidão dispara em 2023 e é o maior em 14 anos

O Brasil encontrou 3.190 trabalhadores em condições análogas às de escravo em 2023. O número é o maior desde os 3.765 resgatados em 2009. Foram...

Suíça defendeu escravidão no Brasil, revela documento; tema é tabu no país

Documentos oficiais revelam que o governo da Suíça sabia da existência de cidadãos do país que eram donos de escravos no Brasil e que...
-+=