O pontapé inicial para a correção de um erro

Há mais de 130 anos o Ceará assumia o pioneirismo no Brasil e libertava seus escravos, mais precisamente em 25 de março de 1884, quatro anos antes da Princesa Isabel assinar a Lei Áurea. Com a iniciativa, tornou-se a Terra da Luz, uma referência simbólica à claridade da liberdade dos negros escravizados, oriundos majoritariamente dos países africanos Congo e Angola. A iniciativa rende até hoje símbolos e homenagens que remetem à época, como o Centro Cultural Dragão do Mar, o Plenário 13 de Maio na Assembleia Legislativa, o Palácio da Abolição, dentre outras referências.

Por Fhilipe Augusto, do Governo do Estado do Ceará

Até chegar a esse momento de libertação alguns fatos importantes ocorreram na província Ceará e tiveram extrema ligação com o processo abolicionista. O principal deles foi o Movimento dos Jangadeiros, que teve início em janeiro de 1881, fechando o Porto de Fortaleza para o embarque de escravos. Outro fato ocorreu na Vila do Acarape – atual município de Redenção, em 1º de janeiro de 1883, quando 116 escravos daquela localidade foram emancipados. A cidade é conhecida como Rosal da Liberdade.

IMAGENS DA CIDADE DE REDENCAO (Foto: Tiago Stille)

O Movimento dos Jangadeiros foi encabeçado por Francisco José do Nascimento, conhecido também por Dragão do Mar ou Chico da Matilde, mulato natural de Canoa Quebrada e que havia se tornado prático da Capitania dos Portos. Nesta luta, ele teve ao seu lado a liderança de Antônio José Napoleão, ex-escravo que comprou sua alforria, da mulher, dos filhos e dos amigos, levando-os para morar nas dunas de Fortaleza, o que os fez se tornarem jangadeiros.

Para o professor Hilário Ferreira, cientista social e mestre em História Social, além dos abolicionistas historicamente conhecidos, como Dragão do Mar e José do Patrocínio, todo esse processo de pioneirismo cearense teve fundamental participação dos atores diretamente ligados à causa, como Antônio Napoleão e a esposa Preta Simôa, e Negra Esperança, que morava entre dois traficantes e se arriscava ao dar abrigo aos escravos que fugiam das fazendas.

“É por causa desses negros, em todo um processo de luta e de resistência para não se separar dos seus (familiares) e serem vendidos para o Sudeste, que há um processo de luta que se encerra no processo de abolição no Ceará”, comenta Hilário Ferreira.

Influências

Além da reflexão sobre os erros a não serem repetidos, esse período deixou muitos costumes e interferências no dia-a-dia da nossa população. Podemos identificar isso em áreas como a música, vocabulário, culinária, entre outros.

LAVAGEM DO INSTITUTO BELCHIOR COM A BECA DOS ORIXAS NA PROGRAMACAO DO MES DA CONSCIENCIA NEGRA (Foto: Tiago Stille)

“Você tinha durante todo o século XIX, do ponto de vista cultural, o samba de umbigada, o que no Maranhão ainda hoje se chama samba de crioulo. Tinha encontro de sambas na Avenida Imperador, no bairro Damas, em Sobral. Outra manifestação cultural desses povos era a festa do Congo, a burrinha, o bumba meu boi. Com o tempo, a festa do Congo vai se reelaborando e nasce o maracatu. Sem falar no vocabulário, palavras como moleque, caponga, munheca, bunda, umbigo”, ressaltou o professor Hilário Ferreira.

Um pedaço da história

Primeira cidade a abolir a escravidão, Redenção guarda um pouco dessa história em forma de museu. Instalado na antiga fazenda da família Muniz Rodrigues, o Museu Senzala Negro Liberto foi inaugurado em 2003. No local, visitantes podem conhecer espaços ocupados no século XIX por senhores e escravos.

IMAGENS DA CIDADE DE REDENCAO (Foto: Tiago Stille)

O museu preserva ainda a casa grande da fazenda, senzala, documentos de compra de terra e livros de contabilidade escritos na época com caneta de pena pavão, moedas antigas e até objetos que eram utilizados para torturar os escravos. O piso da casa grande tem buracos que eram feitos para que os senhores ficassem sempre vendo o comportamento dos escravos na senzala, que acomodava de 50 a 60 escravos.

Convivência

A cidade de Redenção continua sendo ocupada por brasileiros e africanos nos dias atuais. Desta vez, não mais com relações de exploração por um dos lados, mas de integração em busca de educação. Criada em 2010 e instalada em 2011, a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) funciona como um elo de ligação entre os povos do Brasil e das nações que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), especialmente os países africanos, com a finalidade de promover o desenvolvimento regional e o intercâmbio cultural, científico e educacional.

IMAGENS DA CIDADE DE REDENCAO (Foto: Tiago Stille)

Pós-escravidão

A comemoração da Data Magna cearense neste 25 de março é um momento importante para reflexão sobre os erros do passado e se o pós-escravidão de fato libertou os negros. Indicadores sociais e econômicos mostram que ainda há uma distância entre pessoas de cor no Brasil, colocando aqueles de pele mais escura predominantemente na parte baixa da pirâmide social do nosso país, sem falar na discriminação racial ainda presente em nossa sociedade.

Para fomentar o respeito e a igualdade entre as raças, o Governo do Ceará criou em 2010 a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial, que teve à frente, entre 2015 e 2018, a professora da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Maria Zelma de Araújo Madeira. Para ela, “esses problemas são colocados na sociedade e demandam atenção por parte do poder público, quando incluídos na agenda governamental, por meio das politicas transversais de promoção da igualdade racial”.

(Foto: Tiago Stille)

Podemos destacar algumas ações da Coordenadoria, que hoje faz parte da Secretaria de Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos, como a criação e implementação do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial e a reelaboração e a implementação do Plano de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial. O Ceará também firmou convênio com a União para o Projeto Municipalizando a Promoção da Igualdade Racial no Ceará e aderiu ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial.

+ sobre o tema

Damas negras

Fonte:Atribunamt  Por Reginaldo de Sousa Santos Uma...

Dirigido por Lázaro Ramos, Namíbia, Não! comemora 10 anos com temporada especial em SP na Semana da Consciência Negra

O premiado espetáculo Namíbia, Não!, inspiração do filme Medida Provisória, desembarca...

Aos 17 anos, Mahany Pery conquista o mundo da moda

A modelo Mahany Pery tem menos de um ano...

para lembrar

Servidores cobram do Planejamento ações afirmativas no serviço público

Por André Pelliccione, da Redação do Sindsprev/RJ Dirigentes sindicais...

Milton Gonçalves é padrinho oficial do Festival Alagoano das Palavras Pretas

Milton Gonçalves é padrinho oficial do Festival Alagoano das...

A maquiagem perfeita para noivas negras

As donas de pele morena,...
spot_imgspot_img

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Exposição e seminário em São Paulo celebram legado de Nelson Mandela

No dia 18 de julho é celebrado o Dia Internacional Nelson Mandela, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em reconhecimento à contribuição...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...
-+=