quinta-feira, outubro 29, 2020

    Tag: Lei Aurea

    Reprodução/YouTube

    Bolsonaro carrega um cemitério nas costas, afirma historiador

    “Uma das razões porque estamos entrando nessa tragédia com esse grau de mortes resulta, em grande parte, não apenas, da atitude do presidente negando a epidemia, pressionando pelo retorno ao trabalho. Felizmente temos prefeitos e governadores que, independentemente de partidos, abraçaram uma atitude mais científica. Se não estaria muitíssimo pior.  Bolsonaro tem um cemitério carregado nas costas. Ele e o Trump. É uma cadeia de servidão. O Brasil é um espelho distorcido dos EUA. Só que lá as instituições são mais sólidas e ativas”. A avaliação é do historiador João José Reis ao TUTAMÉIA (acompanhe no vídeo acima e se inscreva no TUTAMÉIA TV). Professor da Universidade Federal da Bahia, ele é dos principais pesquisadores da escravidão e das revoltas escravas no Brasil. Autor de “Rebelião Escrava no Brasil” (2003), sobre o levante dos malês em 1835, e do recente “Ganhadores” (2019), relatando a greve negra de 1857 na Bahia, ele ...

    Leia mais
    IMAGENS DA CIDADE DE REDENCAO (Foto: Tiago Stille)

    O pontapé inicial para a correção de um erro

    Há mais de 130 anos o Ceará assumia o pioneirismo no Brasil e libertava seus escravos, mais precisamente em 25 de março de 1884, quatro anos antes da Princesa Isabel assinar a Lei Áurea. Com a iniciativa, tornou-se a Terra da Luz, uma referência simbólica à claridade da liberdade dos negros escravizados, oriundos majoritariamente dos países africanos Congo e Angola. A iniciativa rende até hoje símbolos e homenagens que remetem à época, como o Centro Cultural Dragão do Mar, o Plenário 13 de Maio na Assembleia Legislativa, o Palácio da Abolição, dentre outras referências. Por Fhilipe Augusto, do Governo do Estado do Ceará IMAGENS DA CIDADE DE REDENCAO (Foto: Tiago Stille) Até chegar a esse momento de libertação alguns fatos importantes ocorreram na província Ceará e tiveram extrema ligação com o processo abolicionista. O principal deles foi o Movimento dos Jangadeiros, que teve início em janeiro de 1881, ...

    Leia mais

    5 verdades e mitos sobre a abolição da escravatura no Brasil

    Desde a infância, os brasileiros aprendem que 13 de maio é um dia de celebração, por conta da abolição da escravatura no país – a última nação americana a libertar as pessoas escravizadas, em 1888. Mas quanto realmente sabemos sobre a data tão marcante para a história do Brasil? por Cinthya Oliveira no Hoje em Dia O discurso em torno do assunto tem variado ao longo dos anos, conforme pesquisas são realizadas por historiadores e novas interpretações são apresentadas. Muitas vezes, o que foi dito sobre a assinatura da Lei Áurea há 20 anos não corresponde mais ao que tem sido dito na historiografia contemporânea. Por isso, o Hoje em Dia levantou cinco afirmativas que fazem parte do imaginário de boa parte dos brasileiros e apresentou a historiadores para saber se são verdades ou mitos, de acordo com a atual historiografia. Confira o resultado:   1 - A princesa Isabel ...

    Leia mais

    Temer e Congresso querem cassar a Lei Áurea e a Lei dos Sexagenários?

    Por mais que parte do agronegócio e da indústria considerem que a Lei Áurea traz prejuízos à competitividade do país, gostaria de manifestar meu apoio à manutenção essa lei. Por Leonardo Sakamoto Do Blog do Sakamoto Sei que isso pode parecer extremista e até antipatriótico em um momento em que Michel Temer, seus principais ministros e muitos deputados federais e senadores atravessam madrugadas em claro buscando reduzir seus efeitos através da aprovação de grandes reformas. Mas acredito que a Lei Áurea (Lei Imperial 3353/1888) segue atual. E que os custos para manter a liberdade e um mínimo de dignidade aos trabalhadores não são o principal motivo pela qual nossa economia segue lenta feito um cágado. Pelo contrário, apenas um país com homens e mulheres livres e respeitados é capaz de crescer de forma justa e democrática. O governo federal e o Congresso Nacional não irão revogar a proibição ao direito de uma pessoa ser proprietária de outra ...

    Leia mais

    Haverá dia seguinte após a abolição da Lei Áurea?

    Na toada em que o Brasil vai, não é de se duvidar que o que parecia humor político de crítica ao desmonte dos direitos que conferem cidadania a seu povo, poderá concretizar-se. Circulou no Twitter que o atual governo cogitava abolir a Lei Áurea! Era um humor-terror tão surreal que parecia engraçado pelo absurdo que representa, a um ponto que perde para o inferno de Dante Alighieri, na “Divina Comédia”! Por Fátima Oliveira Enviado para o Portal Geledés Relembro o teor da Lei Áurea: “Lei 3.353, de 13 de maio de 1888, Declara extincta a escravidão no Brazil. A Princeza Imperial Regente, em Nome de Sua Magestade o Imperador o Senhor D. Pedro II, Faz saber a todos os subditos do Imperio que a Assembléa Geral decretou e Ella sanccionou a Lei seguinte: Art. 1º: É declarada extincta, desde a data desta Lei, a escravidão no Brazil. Art. 2º: Revogam-se as disposições ...

    Leia mais

    13 de Maio, uma data que nos jogou ao léu

    Por mais de três séculos, o negro escravizado impulsionou a economia e serviu de base à pirâmide social brasileira; durante esse período, reações individuais e coletivas – os levantes – representaram a outra face das relações entre senhores e escravos no Brasil. Humilhação ou revolta – a dominação teve limites preciosos durante praticamente todo o período colonial. Só no final do século XVIII, quando as idéias dos liberais europeus passaram a ser difundidas entre nós, é que se começou efetivamente a considerar a possibilidade da extinção do cativeiro.Tornaram-se comuns as grandes manifestações de rua. Repetiam-se as passeatas e comícios onde a palavra de ordem era a frase de José do Patrocínio: "A propriedade do escravo é um roubo" Finalmente, em 1888, os antiescravistas conquistaram a maioria no Parlamento. Refletindo a nova correlação de forças, a 7 de maio de 1888 o Congresso aprovava, por imensa maioria, um projeto de lei ...

    Leia mais

    Faxina de preconceito no Twitter

    O perfil @aminhaempregada expõe o preconceito na rede A leitura dos comentários sobre as domésticas satiriza a situação de desigualdade É mais um ingrediente que ajuda a diagnosticar a doença do preconceito para depois curá-la Um perfil no Twitter satiriza a herança escravocrata brasileira sob o codinome @aminhaempregada. A brincadeira toca em um assunto sério, a começar pela inclusão do pronome possessivo “minha” na alcunha virtual, que demonstra um papel de posse de alguém que lhe serve. O autor, que prefere ficar no anonimato, segundo a BBCBrasil, retuíta os posts preconceituosos de parte dos brasileiros, que em algum lugar do seu imaginário se julgam seres superiores em relação a seus empregados. “Só porque eu sou negra tá achando que eu vou trabalhar de empregada”, diz uma. “Minha empregada não chega, disse que tá sem ônibus, minha casa tá imunda. Vadia, vem andando!”, diz alguém, indiferente à greve de ônibus que ...

    Leia mais

    Lei Áurea: o final de uma luta que começou bem antes de 1888

    Antes da Lei Áurea, sancionada há 126 anos, Amazonas, Rio Grande do Sul e São Paulo já não tinham mais escravos; sistema logo chegaria ao fim Em  13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, decretando o fim da escravidão no Brasil. Nessa época, porém, a escravidão estava em decadência como sistema econômico, o contingente de escravos era menor que o de negros livres e alforriados, o trabalho assalariado já existia e o Império estava sob pressão dos movimentos abolicionistas nacionais e da Inglaterra. “A escravidão era uma rainha sem coroa”, segundo a professora de história do Instituto Federal do Sertão Pernambucano Valéria Costa. Nessa época, explica ela, o sistema escravagista já tinha ruído e seu fim iria chegar de qualquer forma, com ou sem a assinatura da princesa Isabel. As origens da decadência da escravidão no Brasil começaram em 1850, segundo Valéria. As leis daquela época contribuíram ...

    Leia mais
    pattycakedoll.com

    Pré-escola de SP usa bonecos para discutir racismo com alunos

    por Marcelle Souza pattycakedoll.com Racismo é o tema da aula e a sala parece pequena para a energia de 35 crianças de 4 e 5 anos na pré-escola Emei (Escola Municipal de Educação Infantil) Guia Lopes, no Limão, zona norte de São Paulo. "Apartheid é quando o negro fica separado do branco", explica uma das alunas no dia em que a reportagem do UOL visitou a escola. Em outros tempos e em outras escolas, o 13 de maio, data da Abolição da Escravatura no Brasil, era data comemorativa a ser lembrada com direito à lembrança da Princesa Isabel e da Lei Áurea. Mas nessa escola, não. Porque a questão do negro na sociedade é tema de todo dia. Na atividade, as duas professoras fazem perguntas sobre preconceito, racismo e a vida de Nelson Mandela. Os dedinhos para o alto mostram que a turma está afiada e todos querem falar o que aprenderam nas aulas anteriores. "Mandela ...

    Leia mais
    Foto: Flávio Florido

    Racismo não existe. As armas é que gostam de matar jovens negros – Por: Leonardo Sakamoto

    Foto: Flávio Florido Há amigos que nunca foram parados em uma blitz policial. Normalmente, são brancos, caucasianos, bem vestidos, jeito de bom moço ou moça, com todos os dentes ou próteses bem feitas, dirigindo veículos que estão nos comerciais bonitos de TV. Aqueles com o relevo e a fauna características de nosso país, como montanhas nevadas e cervos. Um deles, por exemplo, me explicou que pilota uma moto há tempos sem habilitação. “A polícia não para de jeito nenhum.” Enquadra-se perfeitamente na categoria acima descrita.  Recentemente, um róseo conhecido foi parado em uma batida. Ficou transtornado. “Como se atrevem? Acham que sou um qualquer?” Por outro lado, há aqueles que cansaram de cair na malha fina da polícia. Quase sempre, negros ou pardos. De tanto ser parado, um outro colega já encara como hábito. Perguntei se isso não o revoltava. Explicou, com um certo cansaço, que, ...

    Leia mais

    Descendentes de escravo mostram como era feito o Caminho dos Negros

    Daniela Jacinto  Escritura datada de 1874 e guardada na Cúria Diocesana comprova a posse das terras. Percorrido a pé, de carroça, a cavalo ou carro de boi pelos escravos, pelos alforriados e, mais tarde, os libertos pela Lei Áurea, o percurso feito pelos negros em Sorocaba e região, principalmente pelos parentes de José Joaquim de Camargo, está sendo traçado pela família como forma de resgatar a história de seu povo e também delimitar seu território. A ideia é que o Caminho dos Negros, futuramente, transforme-se em um roteiro turístico-cultural, para perpetuar esse registro. O Caminho dos Negros parte de Sorocaba, passa por Araçoiaba da Serra, segue até Sarapuí, passa por Salto de Pirapora, Piedade e termina em Votorantim, na divisa com Sorocaba. E poderá contar com o apoio da Fundação Cultural Palmares. "Soube que a comunidade está desenvolvendo esse projeto. É algo que está em formulação, mas assim que eu ...

    Leia mais

    Quantos escravos trabalham para você? Que tal fazer o cálculo?

    No dia 13 de maio de 1888 era assinada a lei áurea, abolindo de forma oficial a escravidão do Brasil, o último país das Américas a tomar tal iniciativa. O nosso passado escravocrata influencia a vida brasileira até hoje. Somos o país do racismo velado. Muitos são racistas, mas ninguém se assume racista. Ou pior, não reconhece o racismo nas suas próprias atitudes racistas. Muitos pensam que a escravidão tornou-se um assunto de livros de história. Uma passado manchado de vergonha na história da humanidade. Mas não é bem assim. Hoje, milhões pessoas trabalham em condições análogas à escravidão. Essas pessoas fazem parte da cadeia produtiva de produtos que eu, você e todo mundo consome. No Brasil, essa situação fica mais evidente na exploração de imigrantes bolivianos nas confecções, que prestam serviços a marcas de prestígio, e nas carvoarias “escondidas” nos nossos rincões. Entretanto, essas situações não são uma exclusividade ...

    Leia mais
    Mito da abolição

    Mitos e curiosidades do fim da escravidão no Brasil

    Assinatura da lei Áurea pela princesa Isabel completa 125 anos nesta segunda-feira Na gandaia! O professor de História e Geografia do Colégio Anchieta Fernando Santos Martins Portugal, conta que a vaidade da princesa Isabel e as “farras” de Dom Pedro II são mitos que circulam sobre a assinatura da lei Áurea : — Diz a lenda, que a princesa Isabel assinou a lei áurea porque seu pai estava fora, na gandaia. Dizem também que foi para ficar marcada na história, e não ser só mais uma princesa. Mas isso são lendas que se escuta na faculdade Medo de São Paulo A violência contra os escravos no Estado de São Paulo era motivo de chantagem Medo de São Paulo A violência contra os escravos no Estado de São Paulo era motivo de chantagem, conta a professora de história da Unesp Lucia Helena Silva: — Quando ...

    Leia mais
    abolição no parlamento

    Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas

    “Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas” é relançado com rigorosa revisão através de acordo entre a SEPPIR e o Senado Documentos do Arquivo do Senado mostram como Parlamento atuou na questão da escravidão O 13 de maio de 1888 ficou marcado na História do Brasil como o dia em que foi abolida a escravidão no país. Simplificado assim, o processo que culminou nesta data leva a ignorar as lutas populares e toda uma movimentação na sociedade brasileira, entre prós e contra o fim da escravatura, inclusive no Parlamento. O livro Abolição no Parlamento, 1823/1888 – 65 anos de lutas resgata, através de volumosa documentação histórica, os embates ocorridos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal até a assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel. Sua leitura é mais do que oportuna para situar os temas que, após 125 anos, ainda mobilizam o Congresso Nacional. A regulamentação da chamada ...

    Leia mais

    Fotografias, lugares e falsos conceitos sobre a questão da escravidão no Brasil

    É lugar-comum pensar na Abolição da Escravatura no Brasil como uma cena de novela: no palácio real, uma princesa, pressionada por abolicionistas brancos, assina o documento de libertação e, no dia seguinte, uma massa de ex-escravos negros saem felizes de suas fazendas em direção às cidades, cruzando no caminho com os trabalhadores europeus que vieram ocupar seus espaços no campo. O processo que levou ao fim da escravidão no Brasil, em 1888, no entanto, começou nas primeiras décadas do século XIX e contou com uma gama de atores diversos. Os negros, comumente retratados como agentes passivos deste processo, pelo contrário, contribuíram ativamente durante décadas para que um novo capítulo na História do Brasil fosse escrito e, mesmo antes da assinatura da Lei Áurea, muitos conseguiram se libertar de seus senhores. Se, para muitos, essas informações são novidades, isso resulta da forma como o tema foi constantemente ensinado e divulgado . ...

    Leia mais
    a Lei do Ventre Livre

    A Lei do Ventre Livre

    A Lei do Ventre Livre determinava que os filhos de mulheres escravas nasceriam livres, mas permaneceriam sob custódia do dono até completarem 21 anos. No dia 28 de setembro comemora-se o Dia da Lei do Ventre Livre. Esta data é muito importante para o contexto histórico e social do Brasil, afinal, garantiu a liberdade dos filhos das mulheres negras que nasceram a partir de 1871. A medida foi um dos primeiros passos dados no país para que acontecesse a abolição dos escravos, com a assinatura da Lei Áurea no país em 1988. Todos os anos, o dia 28 de setembro é lembrado como uma data transformadora para os negros brasileiros. Embora a lei do ventre livre não garantisse a liberdade de todos aqueles que sofriam de escravidão, ela evitava a continuidade desta prática oportunista e exploração do trabalho humano. Como surgiu a Lei do Ventre Livre? A Lei do Ventre ...

    Leia mais
    O destino dos negros após a Abolição

    O destino dos negros após a Abolição, por Gilberto Maringoni

    Morro da Favela (atual Providência), em 1927. Após a Lei Áurea, os negros libertos foram buscar moradia em regiões precárias e afastadas dos bairros centrais das cidades. Uma grande reforma urbana no Rio de Janeiro, em 1904, expulsou as populações pobres para os morros Gilberto Maringoni - de São Paulo A campanha abolicionista, em fins do século XIX, mobilizou vastos setores da sociedade brasileira. No entanto, passado o 13 de maio de 1888, os negros foram abandonados à própria sorte, sem a realização de reformas que os integrassem socialmente. Por trás disso, havia um projeto de modernização conservadora que não tocou no regime do latifúndio e exacerbou o racismo como forma de discriminação A campanha que culminou com a abolição da escravidão, em 13 de maio de 1888, foi a primeira manifestação coletiva a mobilizar pessoas e a encontrar adeptos em todas as camadas sociais brasileiras. No entanto, após a ...

    Leia mais

    Políticas educacionais e racismo

    por Ana Maria Gonçalves Divulgação Em recente viagem a Montgomery, no Rosa Parks Museum, encontrei com uma família de New Orleans, também evitando o confronto com o furacão Isaac. Negros, como eu e o guia que nos atendeu. Depois da visita, em resposta ao questionamento se tínhamos alguma pergunta a fazer, o guia se sentiu à vontade para nos contar sobre a presença ainda muito forte do racismo na cidade. Apesar de termos visto várias rodas de negros e brancos conversando amigavelmente no bar e no restaurante do hotel onde nos hospedamos, o guia nos contou que ainda há lugares pelos quais negros não andam; outros, onde negros não entram; e muitas regiões ainda completamente segregadas. Mas o que mais me chocou, e acompanhou durante o resto da estadia, foi a informação de que ainda há um núcleo bastante ativo da Ku Klux Klan que, durante ...

    Leia mais
    A Carta da Princesa

    O 13 de maio e a escola: A Escravidão no Brasil

    Por Noé Gomes A Carta da Princesa No dia 13 de maio de 1888 oficialmente é mencionado no calendário oficial, como marco final da escravidão no Brasil, que desde o período colonial, em 1500, os seus colonizadores (os portugueses) adotaram o escravismo como mão-de-obra para a extração de nossas riquezas. O processo de escravidão no Brasil, começou com os indígenas, quando nos 30 primeiros anos de ocupação portuguesa em solo brasileiro viveu o ciclo da extração do pau-brasil para a Europa, onde os indígenas eram usados neste momento, tendo os portugueses valendo-se do escambo para a concretização deste processo. Nos anos posteriores, teve inicio o Ciclo do Açucar, onde os colonizadores tentaram cooptar a mão-de-obra escrava indígena, mas sem sucesso. Ainda no século XVI, em substituição a mão-de-obra nativa, vieram os primeiros negros que até o século XIX, que foram subjugados ao poder dos colonizadores portugueses. ...

    Leia mais
    escravos

    Murucutu mantinha 50 escravos em famílias

    Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, que pretendia libertar todos os escravos, cuja força de trabalho tanto enriqueceu senhores de engenho e a elite cafeeira. Desde 1834 já era proibido o tráfico negreiro transatlântico entre o Grão-Pará e a África. Em 1850, esse tráfico passou a ser proibido entre o Brasil como um todo e a África. Uma exceção, conhecida e estudada em pesquisas desenvolvidas pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, é o Engenho Murucutu, localizado na cidade de Belém. Mais de 30 anos após a proibição do tráfico negreiro no Grão-Pará, ele ainda mantinha uma média de 50 escravos. É o que apontou estudo da bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Museu Goeldi, Juliana Brandão, estudante de História da Universidade Federal do Pará (UFPA). Orientada pelo arqueólogo pesquisador do MPEG, Fernando Marques, ela desenvolveu a pesquisa "Força negra a ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist