135 anos de desrespeito à liberdade

Miséria e pobreza são sinônimos de negritude

O mérito de proibir a escravização e libertar as 700 mil pessoas ainda oficialmente cativas no Brasil de 1888 é da Lei Áurea. Mas é impossível ignorar que, no pós-abolição, o Estado não cumpriu seu papel para promover a inclusão dos negros na nossa sociedade.

A ausência de mudanças institucionais, prática nada republicana, gerou efeitos que hoje são aferidos em números vexatórios e em situações que deveriam ser inaceitáveis em qualquer lugar que se pretenda minimamente civilizado. Contudo, nessas terras foram naturalizadas e introjetadas ao cotidiano: miséria e pobreza são sinônimos de negritude.

Entre os 10% mais pobres da população brasileira, 78,5% são pretos e pardos, segundo o IBGE. Os mais altos índices de analfabetismo estão entre os negros. Além disso, a questão racial se conecta à de gênero e amplia a discriminação das mulheres negras.

Primeira página do Diário Popular, de São Paulo, noticiando a Lei Áurea, em 1888 – Folhapress

As penitenciárias do país também têm cor, posto que 67,4% da população carcerária é preta ou parda, conforme o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O que alimenta e estimula um viés preconceituoso e racista que rotula pessoas negras como “elementos suspeitos”, “perigosos”, “indesejáveis”.

O tipo de coisa que faz com que pretos e pardos sejam agredidos, insultados, perseguidos por seguranças de estabelecimentos comerciais ou abordados pela polícia sem motivo aparente. A ponto de um jovem ser parado na rua pela PM três vezes no mesmo dia enquanto desempenha atividades corriqueiras como sair para comprar ração, ir à academia e comer um hambúrguer com amigos. Ou do deputado estadual paranaense Renato Freitas ser retirado de dentro de um avião para uma revista aleatória.

Passados 135 anos da abolição, a herança da escravização se manifesta em casos diários de violação e desrespeito à liberdade. Preconceito e racismo (ora dissimulado, ora explícito) minam nossa autoestima. Ainda assim, continuamos lutando, sonhando e apostando num futuro melhor.

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Murucutu mantinha 50 escravos em famílias

Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel...

“Coisa de preto”

Tratar o racismo como brincadeirinha, piada, exagero, mimimi, pilhéria,...

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos...

Faxina de preconceito no Twitter

O perfil @aminhaempregada expõe o preconceito na rede A leitura...
spot_imgspot_img

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...
-+=