Itabira de Drummond é a mesma do santeiro Alfredo Duval e dos quilombolas

Cidade aurífera traz a musicalidade da poesia e heranças da escravidão

No final de semana passado estive na região sudeste de Minas Gerais, na cidade de Itabira, também conhecida universalmente por ser a terra de nascimento do poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987).

Adentrar a cidade é respirar a poesia drummondiana, como se ela saísse dos poros das casas centenárias e das ruas de pedregulhos, esculpidas pelas mágicas mãos do semideus santeiro Alfredo Duval, o mesmo cantado em prosa e verso pelo grande poeta: “Meu santeiro anarquista na varanda/ da casinha do Bongue, maquinando/ revoluções ao tempo em que modelas/ o Menino Jesus, a Santa Virgem/ e burrinhos de todas as lapinhas”.

Estive costeando a casa do santeiro, com um grupo de amigos. Olhando em detalhes, é uma construção simples, talhada arquitetonicamente no estilo colonial mineiro, com vedação de pau a pique e adobe sobre embasamento de pedras, com data do século 19; traz uma varanda, a mesma que Drummond menino frequentou; no alto, traz detalhes do esculpido de madeira e sua maior marca, que eternizou o seu criador –uma pequena peça sacra, uma santa, a vigiar tudo e protegê-lo.

Alfredo Duval (1873-1947) foi um homem negro, que nasceu na vigência da Lei do Ventre Livre. Como muitos negros do seu tempo ou próximo a ele, viveu de artes e ofícios. As ruas itabiranas contam sua história e guardam as marcas do seu engenho. Ele é o primeiro a trabalhar o calçamento de ruas, na época, barrentas; a construir chafarizes, facilitando o acesso de água potável para as casas e a criar os primeiros sistemas de esgoto, provavelmente usando tubulação de bambu. Foi casado com Paulina Macieira, com quem teve 13 filhos.

A lembrança de Alfredo Duval é providencial e simbólica. Itabira é conhecida como a terra do maior poeta modernista brasileiro, mas que tem no escultor –e eu diria, sem cometer erro, um arquiteto, por tudo o que fez pela urbanidade, assim como século antes, Valentim da Fonseca e Silva (1745-1813), o Mestre Valentim, este outro mineiro, remodelava o centro do Rio de Janeiro, onde ainda pontifica o seu jardim, na altura da Cinelândia, e o imponente chafariz, edificado na praça 15 de Novembro.

Essa origem negra de Alfredo Duval tem a ver com parte da história do quilombismo itabirano também. São algumas dezenas, pelo que sei pela boca de quilombolas e remanescentes. Eu visitei dois deles –o do Capoeirão, ainda com seu líder octogenário José Canuto Ferreira, e o do morro de Santo Antônio, sob as batutas das quilombolas Rosemary Álvares, a Rose, e Maria Gregória Ventura, outra que já passou dos oito ciclos universais.

Foi uma viagem ao passado –mas a um passado bem distante. Embora estejamos no século 21, a impressão é que regressamos 200 anos. As centenas de famílias de negros, homens e mulheres, vivem vida roceira e pouco feliz. Têm pouco acesso à tecnologia, a bens materiais e a conforto. O ambiente é envelhecido –os próprios quilombolas também estão envelhecidos e, de certa maneira, parecem sós, abandonados e com pouquíssima presença da garrulice da juventude.

Laboram a terra como seus antepassados, cuja memória é remetida ao tempo da escravidão, a cruel escravidão mineira, a do tempo da extração do ouro, das pedras preciosas e da derrama da Coroa Portuguesa, de exploração de riquezas e de mortes da gente africana. Hoje a ameaça é de outra monta, que aterroriza a população quilombola e remanescente –vem das mineradoras, do chorume e dos excrementos perniciosos contidos nas barragens.

Conversei interessadamente com os naturais das duas comunidades. Ainda é latente nos seus rostos o ímpeto da luta que marcaram os tempos de Zumbi dos Palmares e as gloriosas escaramuças que determinaram a trajetória do abolicionista José do Patrocínio (1853-1905), que deu o concurso da abolição da escravatura, há 135 anos.

Deixei Itabira com a sensação de que encontrei parte de minhas raízes e ancestralidades. Também não seria por menos: a população negra itabirana, historicamente declarada, é de 72% de toda a população do município, estimada em 120 mil pessoas, sendo 71% delas viventes em área rural, localização da maioria dos quilombos existentes.

Embora não seja baixa a percentagem populacional que diferencia negros de brancos, a representação política e econômica está na mão desses últimos, que dominam a vida pública há 40 alcaides, todos homens, ou seja, desde 9 de outubro de 1848, por 174 anos. Não é mais aceitável. Alguma coisa precisa mudar, e para ontem.

+ sobre o tema

Empresa é condenada por prática racista que perdurou por oito anos

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho Um empregado...

Reeleição de Obama causa onda de tweets racistas nos EUA

Barack Obama venceu as eleições dos Estados Unidos depois...

Jamais sofra calado. Negro!

Se você ficar calado sobre sua dor, eles o...

O preço do progresso – por Boaventura de Sousa Santos

Enquanto perante as recentes manifestações na Turquia foi imediata...

para lembrar

Racismo no Carrefour: Carrefour indeniza cliente confundido com ladrão em loja da Grande SP

Januário Alves de Santana foi agredido por segurança em...

Sobre a casualidade tornada norma e nossa morte a conta-gotas

O caderno de cultura do jornal O Tempo, de...

Após funcionário sofrer racismo, hamburgueria fecha as portas para clientes intolerantes

Hamburgueria na cidade de Serra, no Espírito Santo, publica...
spot_imgspot_img

Torcedor do Santos é condenado por racismo contra jogador que errou pênalti

A Justiça paulista condenou por injúria racial o torcedor Paulo Morales, que, no ano passado, ofendeu o jogador de futebol Bruno Mezenga, então atacante...

Racismo ambiental põe em risco práticas religiosas de matrizes africanas

A sociedade já sabe que a crise climática afeta a todas as pessoas, mas precisamos aprofundar nosso entendimento sobre a maneira racista pela qual ela atinge comunidades,...

Mulher branca se recusou a vender imóvel depois de descobrir que compradora era negra nos EUA

Empoleirado em uma colina com vista para o Oceano Atlântico, o apartamento em Virginia Beach, nos Estados Unidos, era exatamente o que Raven Baxter queria. Tinha uma...
-+=