Boateng não quer que filho ouça sobre racismo

O jogador do Milan foi vítima de racismo este ano, e deixou o campo durante um amistoso contra o Pro Patria, disputado em 3 de janeiro

O meia ganês Kevin-Prince Boateng, do Milan, que este ano foi vítima de racismo e deixou o campo durante um amistoso contra o Pro Patria, disputado em 3 de janeiro, afirmou nesta sexta-feira em entrevista à Fifa que quer deixar seu filho longe do preconceito racial.

Boateng comentou seus problemas com o racismo na adolescência, quando ainda vivia em Berlim.

“Sofri discriminação, apesar de Berlim receber e integrar tantas culturas e nacionalidades diferentes. Quando era jovem tentava ignorar porque não queria enfrentar todas as consequências. Agora que sou mais velho e pai, quero fazer tudo para que meu filho cresça sem ouvir a palavra racismo. Esse seria o mundo perfeito”, disse.

Naquela dia 3 de janeiro, Boateng chutou uma bola nas arquibancadas e saiu de campo seguido por todos seus companheiros e pela comissão técnica do Milan. A ação chamou a atenção do mundo do futebol e da ONU.

Boateng participou do Dia Internacional pela Erradicação da Discriminação Racial, organizado pelas Nações Unidas e realizado em Genebra, onde fez um discurso confirmando que o racismo “continua sendo um problema” e que se não houver luta contra essa “praga”, muitos “serão infectados” por uma das “doenças mais perigosas”.

O atleta ganês afirmou que um dos passos para exorcizar o preconceito do futebol é “reconhecer que é um assunto extremamente complexo”.

Boateng declarou que seus ídolos são Martin Luther King, Muhammed Ali e Nelson Mandela, ao destacar que são um exemplo não por serem negros, mas por terem lutado contra o racismo. O jogador também quer ser um exemplo para os mais jovens e disse que abandonar o campo ao ouvir as ofensas foi uma “reação emocional”.

“O que eu senti é complicado de definir com palavras. Foi um misto de muitas emoções: tristeza, raiva e decepção. Não quero que ninguém se sinta assim jamais”, concluiu. 

 

Fonte: Exame

+ sobre o tema

Astro dos Clippers promete deixar time se racista continuar como dono da equipe

O ala-pivô Blake Griffin, astro dos Los Angeles Clippers,...

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de...

Histórias de esperança de dois jovens oriundos de minorias

Livros de Maajid Nawaz e Alom Shaha. por Nick...

para lembrar

Deputada é vítima de intolerância religiosa e preconceito racial no Amapá

Diante do fato, Cristina Almeida prestou queixa na administração...

6 maneiras de combater a discriminação racial ainda na infância

Professora da Unesp mostra como nós, adultos, podemos ajudar...

Homens negros relatam casos de racismo ao utilizar máscaras na rua

"Se você continuar falando demais, eu te levo preso,...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=