Boicote de negros à Copa de 2018? Racismo na Rússia faz Fifa demonstrar temor

Quem primeiro levantou essa bola foi o melhor jogador africano da atualidade, o marfinense Yaya Touré. Vítima de racismo em visita à Rússia para partida pela Liga dos Campeões contra o CSKA Moscou há um ano, o meio-campista do Manchester City falou sobre um boicote de jogadores negros à Copa do Mundo na Rússia, em 2018.

por Bruno Winckler na Carta Capital

“É um problema real aqui, algo que acontece o tempo todo, e é claro que eles precisam resolver o problema antes da Copa do Mundo. Caso contrário, se não tivermos confiança para ir à Copa do Mundo na Rússia, nós não iremos”, disse Touré em outubro de 2013. Um ano depois, depois de ir a Moscou mais uma vez e de ter lançado sua conta no Twitter, foi alvo de insultos virtuais na rede social.  O jogo foi disputado sem torcida.

Clubes russos têm sido punidos pela Uefa por conta do comportamento de seus torcedores racistas. O CSKA jogou duas partidas com portões fechados nesta Liga dos Campeões. Muito pouco quando se sabe que o racismo no país não será intimidado por punições tão brandas. A Federação do país se cala para o problema mesmo quando a cada rodada do campeonato nacional um novo caso apareça.

O mais recente teve como protagonista o técnico do Rostov, o ucraniano Igor Gamula, que para negar a contratação de um jogador camaronês soltou que “a equipe já contava com jogadores negros suficientes” e que por conta disso “já estava preocupado com o ebola”. A repercussão foi imediata e cinco jogadores negros do clube disseram que não jogariam mais no clube se Gamula não fosse punido.

A federação até puniu Gamula depois de ele pedir desculpas. Ele foi suspenso por cinco jogos do Rostov, uma punição branda e que veio com outra declaração infeliz do técnico. “A imprensa estrangeira simplesmente não entende o humor russo”.  Humor. Os jogadores africanos, infelizmente, não seguiram com a ameaça e entraram em campo no último jogo da equipe no Campeonato Russo.

Fifa-Tokyo-Sexwale-anti-racismo

A Fifa jura que luta contra o racismo, que não tolera o preconceito, mas faz muito pouco contra federações que são tão coniventes com os racistas. Dentro da entidade, o comitê de luta contra o racismo, está atento. Tokyo Sexwale, sul-africano que lutou com Nelson Mandela contra o apartheid, é consultor da Fifa e apesar de não apoiar um boicote de negros à Copa da Rússia, faz alerta sobre as consequências da não-ação da Rússia contra o racismo.

“A federação russa precisa ser mais séria na luta contra o racismo. A África do Sul foi banida da Fifa durante o apartheid”, lembrou Sexwale, considerando coerente se a Rússia passasse pela mesma sanção. “Há certas partes em Moscou em que se você é da minha cor não é seguro andar. As pessoas estão com medo de ir para Moscou”, completou Sexwale. Ele não defende um boicote à Copa da Rússia, mas diz que se o país seguir fazendo vistas grossas para o problema, o tema não será deixado de lado.

“É um fracasso a Rússia não tomar uma atitude contra o racismo. Poderíamos estar falando algo diferente sobre a Copa do Mundo de 2018, mas se o país não age contra o problema, mais pessoas vão dizer que não vão para a Rússia”, completou Sexwale.

Vladimir Putin, o presidente do país, não faz qualquer sinal de que o país vai lutar contra o preconceito. Basta citar os protestos contra a homofobia que antecederam os Jogos de Inverno em Sochi neste ano. Até atletas do calibre de Yelena Isinbayeva se mostraram tolerantes à lei antigay na Rússia.  Apesar dos protestos de estrangeiros, os Jogos aconteceram sem qualquer ameaça de boicote. O mesmo deve acontecer em 2018, apesar das críticas internacionais.

Seria revolucionário se jogadores negros dessem as costas para a Copa do Mundo de 2018. A Rússia, país que mais apresenta casos de racismo relacionados ao futebol, mereceria um ato dessa magnitude. Mas por falta de união entre atletas, complacência com o sistema e acordos com patrocinadores é difícil imaginar uma ação conjunta neste sentido.

+ sobre o tema

Prazo para comprovar dados do Prouni termina nesta terça-feira

Termina nesta terça-feira (20) o prazo para que candidatos...

Beyoncé revela ter psoríase e fala sobre sua relação com o cabelo ao lançar linha de cosméticos

Beyoncé revelou em uma entrevista ter psoríase no couro cabeludo....

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião...

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade...

para lembrar

Instituto de Mulheres Negras pede a prisão de acusado de xingar fotógrafa

O Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso (Imune)...

Marine Le Pen foi a comício anti-racismo

  Foi a uma manifestação contra o racismo, mas fez...

Racismo no Brasil é comprovado por César Menotti e Altas Horas

O cantor sertanejo César Menotti, ao declarar no programa...

Polícia gaúcha afasta policiais suspeitos de racismo

Estudante diz que foi chamado de "negro sujo" e...
spot_imgspot_img

Seleção brasileira recebe prêmio Fair Play da Fifa por luta contra o racismo após ataques a Vinicius Jr.

O prêmio fair play no Fifa The Best vai para o Brasil. A seleção brasileira masculina profissional recebeu a honraria por conta de sua campanha contra...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Racismo contra Rodrygo: MP abre investigação após relatório apontar perfis

Um relatório realizado pelo grupo Observatório da Discriminação Racial no Futebol, em parceria com Rodrygo, identificou 107 perfis que cometeram racismo contra o atacante...
-+=