Após 2 anos, loja da BMW acusada de racismo é condenada no Rio

‘Aqui não é lugar para você. Saia’, teria dito gerente a criança, que é negra.
Loja foi condenada em processo por danos morais na 50ª Vara Cível.

Quase dois anos depois, chegou ao fim o processo contra a concessionária da BMW Autokraft, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que foi condenada por danos morais após um casal denunciar que o filho adotivo foi vítima de racismo dentro do estabelecimento. A história foi revelada em janeiro de 2013.

No dia 12 de janeiro de 2013, Ronald Munk e Priscilla Celeste – pais de cinco filhos – foram à loja acompanhados do caçula, de 7 anos, que é negro e adotado, em busca de um automóvel novo para família. Enquanto conversavam com o gerente de vendas sobre os carros, eles  foram surpreendidos com uma atitude preconceituosa de um funcionário quando a criança se aproximou dos três.

De acordo com Priscilla, o gerente, sem se dar conta de que o menino era filho do casal, disse para a criança: “Você não pode ficar aqui dentro. Aqui não é lugar para você. Saia da loja. Eles pedem dinheiro e incomodam os clientes”. Imediatamente, Ronald e Priscilla foram embora da loja levando o menino.

O caso teve repercussão na imprensa internacional. Na época, o BMW Group enviou uma nota ao G1 em que pedia desculpas ao casal. A consessionária, na ocasião, também enviou um email também se desculpando pelo ocorrido nas dependências da loja, mas tratou o caso como um “mal-entendido”. O termo levou o casal a criar uma página no Facebook: “Preconceito racial não é mal-entendido”, que, atualmente, tem mais de 113 mil seguidores.

‘É uma reparação’, diz mãe do menino

Indignados, Ronald e Priscilla processaram a BMW Autokraft que foi condenada pela 50ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio a publicar no 1º caderno do jornal O Globo, em 1/4 de página, a seguinte nota: “A concessionaria Autokraft repudia todo e qualquer ato de discriminação racial e vem declarar que promove todos os esforços para garantir a igualdade racial”. De acordo com a sentença do juiz Luiz Umpierre de Mello Serra, as mensagens devem ser veiculadas no jornal – que é o de maior circulação no Rio – duas vezes: uma em novembro e outra em dezembro.

Além disso, pela sentença do dia 10 de novembro, a concessionária fica obrigada a pagar 22 salários mínimos (cerca de R$ 16 mil) de indenização que, pelo acordo firmado com casal, será doada à Associação Nova Vida – entidade beneficente que acolhe crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.. A Justiça do Rio fixou multa única de R$ 10 mil em caso de descumprimento das medidas.

“Eu acho que foi um bom resultado. Desde início, o que a gente queria era uma medida educativa mais do que punitiva. Nosso objetivo é que isso sirva para que outras empresas também tomem consciência e isso não aconteça mais. A gente sabe o impacto que o racismo tem na vida de crianças e jovens. Eu me envolvi muito com a luta contra a discriminação. Acho que esse resultado é uma reparação. Não vai apagar, mas repara. E a gente vira uma página agora”, disse Priscilla Celeste ao G1 em entrevista neste sábado (15).

email4

 

Entenda o caso:

Fonte: G1

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Justiça nega habeas corpus, e PMs suspeitos de matar motoboy em SP permanecerão presos

A Justiça paulista negou habeas corpus para revogar...

A rede sueca H&M é acusada de racismo após anúncio com menino negro

A rede de fast fashion sueca H&M se envolveu...

Cagliari é multado por gritos de torcedores racistas contra Eto’o

ROMA - O Cagliari foi multado nesta terça-feira...

EUA: todos os jogadores de Futebol Americano admitem terem sofrido racismo

Uma pesquisa com os jogadores de Liga Nacional de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=