Brasil assina acordo internacional para apoiar jovens vítimas de violência sexual

Projeto irá ajudar outros países a estimular a inclusão social dos jovens com educação e trabalho

O governo brasileiro assinou na terça-feira (27) um acordo de cooperação internacional para apoiar adolescentes e jovens de países em desenvolvimento que sofreram violência sexual.

A iniciativa tem como objetivo expandir o alcance do programa ViraVida, que tem como objetivo estimular a inclusão social de jovens vítimas de violência sexual por meio da educação e do trabalho. O ViraVida já existe em 25 cidades brasileiras e em El Salvador.

O foi assinado na sede das Nações Unidas, em Nova York, nos Estados Unidos, pelo representante permanente do Brasil junto à ONU, o embaixador Antonio Patriota, o subsecretário geral e diretor executivo do Fnuao (Fundo de População das Nações Unidas), Babatunde Osotimehin, e o presidente do Conselho Nacional do Sesi (Serviço Social da Indústria), Jair Meneguelli.

“O estudo de impacto do projeto realizado em 2012 constatou que o ViraVida proporciona excelentes resultados econômicos e sociais para seus participantes, famílias, indústria, comércio e comunidades”, disse Jair Meneguelli, presidente do Conselho Nacional do Sesi.

Projeto ViraVida

Ao longo de seis anos, mais de 4.000 jovens e adolescentes, com idade entre 14 e 24 anos, foram matriculados no programa ViraVida.

São atendidos meninas e meninos de famílias de baixa renda, que residem nas periferias de grandes centros e têm sua história de vida marcada por experiências relacionadas à violência física e psicológica, gravidez precoce e dependência química.

Os cursos realizados combinam formação profissional e educação básica, com abordagem de temas como cidadania, saúde, doenças sexualmente transmissíveis, cuidados com o corpo, orçamento familiar e direitos, dentre outros.

Além disso, garante atendimento integral aos alunos, incluindo tratamento médico e odontológico, orientação jurídica e atendimento psicossocial, que também se estendem às famílias.

Fonte:R7

+ sobre o tema

Justiça condena Lindemberg Alves a 98 anos e 10 meses de prisão

Jurados entenderam que ele teve a intenção de matar...

Abusada por treinador, nadadora tem crise nervosa após entrevista de Xuxa

Joanna Maranhão sofreu e usou o Twitter para dar...

Dilma Rousseff enfatiza luta contra violência doméstica

A presidenta da República, Dilma Rousseff, afirmou que é preciso “reprimir...

para lembrar

Mudou o padrão do tratamento da violência contra as mulheres, afirma Nilcéa Freire

Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da...

PF prende acusados de aliciar mulheres de 7 Estados para prostituição

A Polícia Federal começou a desmantelar nesta quinta-feira (15)...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...
-+=