Paquistão: jovem grávida é morta apedrejada pela própria família

Ao se recusar a efetivar um casamento pré-arranjado e se unir a outro homem, jovem grávida de 25 anos foi assassinada por familiares “em nome da honra”

Por Redação

Uma mulher grávida de 25 anos foi apedrejada até a morte por sua própria família no Paquistão, enquanto, segundo o marido, nada foi feito pelas autoridades para impedir a tragédia.

O motivo? A jovem Farzana Igbal deixou de casar com o primo selecionado pela família, para se casar com Muhammed Igbal. Em muitas partes do Paquistão, os casamentos arranjados ainda são a norma ,e para lidar com as recusas, são necessárias “mortes em nome da honra”.

O casal se dirigia à corte de Justiça para testemunhar que seu casamento era legal, refutando as denúncias da família de Farzana de que seu marido a havia sequestrado.

Igbal relatou que durante os 15 minutos em que o assassinato aconteceu – em frente à uma corte fortemente guardada na movimentada cidade de Lahore – ele implorou aos policiais que estavam presentes para que o ajudassem, mas eles se recusaram alegando que nada podiam fazer.

O governo paquistanês, ao ser informado da morte na presença de policiais em Lahore, disse que o assassinato brutal era “totalmente inaceitável”. O primeiro-ministro Nawaz Sharif teria afirmado que seu ministro-chefe iria intervir na apuração do caso. De todos os envolvidos, o pai foi o único a ser detido – os outros fugiram. Segundo o policial que o prendeu, ele de fato confessou que foi uma “morte em nome da honra”.

O alto comissário dos Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse que era algo descabido usar a frase “morte em nome da honra” e completou: “Não existe um mínimo vestígio de honra em matar uma mulher dessa maneira”. Enquanto a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão afirma que a média anual desse tipo de assassinato é de 869 vítimas, os números provavelmente são maiores, por conta dos casos não relatados.

Foto: / MOHSIN RAZA/REUTERS

Fonte: Revista Fórum 

+ sobre o tema

Barbárie, por Sueli Carneiro

Morar em São Paulo está se tornando uma experiência...

Basta apenas ser mulher para ser vítima de estupro

Se alguém contasse que um médico aproveitaria o momento...

O negro errado por Sueli Carneiro

Somos, geralmente, um único ponto preto numa turma de...

para lembrar

Movimento de mulheres organiza ato em Campinas contra feminicídio

No último dia 31, o técnico de laboratório Sidnei...

E as mulheres nas letras do gangsta rap?

Moro no litoral norte e, recentemente, mulheres de Ubatuba...

Trabalho doméstico tem ‘herança escravista’, diz secretária do governo

O trabalho das empregadas domésticas tem uma "herança escravista",...

Deputados aprovam lei que limita família a “união entre homem e mulher”

Se o governador não vetar o texto, colégios ficam...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=