Brasil e África misturam padrões de design, revela pesquisa de dez anos

 

 

PEDRO DINIZ,

Memórias enraizadas trocadas de geração em geração entre a África e o Brasil são mais comuns do que supõem as publicações brasileiras de história da moda e do design.

Esse é um dos motes do novo livro do tecelão Renato Imbroisi e da jornalista Maria Emília Kubrusly, “Lá e Cá: Trocas Culturais entre o Brasil e Países Africanos de Língua Portuguesa”, resultado de uma pesquisa de dez anos em países como Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Salta aos olhos a estrutura têxtil muito parecida apresentrada em produtos de tapeçaria e cestaria do Brasil e dos países africanos.

A obra, que é toda ilustrada, joga luz nas semelhanças entre a produção artesanal feita em Muquém (MG) e Maciene, na província africana de Gaza – e também na criação de acessórios de grifes refinadas como a italiana Bottega Veneta e a brasileira Serpui Marie.

O trançado usado na cestaria da Costa dos Coqueiros, na Bahia, por exemplo, é quase o mesmo que a Bottega utiliza em bolsas, carteiras e sapatos de couro, vendidos a preços altos em lojas chiques.

Já as bolsas de Serpuie Marie bebem da fonte da cestaria da cidadezinha de Mecúfi, distrito de Cabo Delgado, em Moçambique, que por sua vez guarda relações com o que se faz em palha em Parnaíba, no Piauí.

“Não sabemos o que vem de cá e o que vem de lá e há poucos registros sobre essas semelhanças. A troca de escravos explica alguns exemplos, mas não essa mesma herança estética enraizada nas duas culturas. O trabalho em tear dos países é idêntico”, diz Imbroisi.

Bom exemplo são os padrões geométricos dos teares de Minas, que se assemelham aos do que as mulheres africanas de Palma produzem.

LÁ E CÁ
AUTOR Renato Imbroisi e Maria Emilia Kubrusly
EDITORA Senac
QUANTO R$ 65 (160 págs.)

 

 

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Cultura Hip-Hop como ferramenta de afirmação e resistência

Ações comunitárias como o Baile Pelo Certo desempenham um...

África conseguiu reduzir a pobreza

Nova Iorque - A Campanha do Milénio da...

Entrevista: Akon leva energia para 600 milhões de pessoas na África

Entrevista com Akon sobre seus novos projetos  Do Auforria   Embora o...

Padaria troca nome de torta Nega Maluca por ‘bolo afrodescendente’

Uma padaria da cidade de Rio Grande, no Rio...

para lembrar

spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=