Brasileira supera 4 finalistas e vence Olimpíada Nuclear Mundial na Áustria

Alice Cunha, de 25 anos, concorreu com vídeo e redação sobre a área. Jovem está no último ano de engenharia nuclear na UFRJ.

Do G1

A brasileira Alice Cunha da Silva, de 25 anos, venceu a edição de 2015 da Olimpíada Nuclear Mundial em Viena, na Áustria. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (17) pela organizadora do evento, a Universidade Nuclear Mundial (WNU, na sigla em inglês). Alice, que, segundo a WNU, está no último ano do curso de graduação e engenharia nuclear na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), superou os outros quatro finalistas, dois estudantes da Índia, um da Malásia e um das FIlipinas.

A estudante passou por diversas etapas até chegar ao prêmio final. Primeiro, ela produziu um vídeo na primeira etapa do concurso. O tema que ela escolheu foi como a energia nuclear pode salvar vidas.

“Achei que era um ótimo projeto para engajar estudantes de diferentes partes do mundo para aprender e divulgar as diferentes aplicações do ‘mundo nuclear’, e eu, claro, quis fazer parte disso”, afirmou ela, em seu perfil no site do evento.

O vídeo produzido pela jovem do Rio foi um dos dez selecionados por um júri para a segunda fase da competição, que julgaria os candidatos pelo número de “curtidas” nos vídeos de inscrição. Alice, então, conseguiu ficar entre as cinco candidaturas com o maior número de apoios do público, e chegou à final.

Na última rodada, que foi encerrada nesta semana, os candidatos precisaram escrever uma dissertação sobre um tema ligado à área da energia nuclear. Além do texto redigido por eles, um júri avaliou a apresentação de dez minutos que cada um fez em Viena.

Única candidata mulher, Alice também foi a que tirou a nota final mais alta e, por isso, levou o título de campeã da olimpíada. A jovem, que teve a passagem de ida e volta paga pela WNU, vai ter seu vídeo divulgado pela entidade durante todo o ano de 2016.

+ sobre o tema

Bolsista do ProUni convida Lula para festa de formatura

A estudante de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26...

UNEafro abre inscrições para cursinho

UNEafro abre inscrições para cursinho VAGAS ABERTAS 2017 Você quer ser...

Universitários brasileiros são brancos, moram com os pais e estudam pouco

Pesquisa traçou perfil do estudante que cursa os últimos...

Como a Academia se vale da pobreza, da opressão e da dor para sua masturbação intelectual

Texto originalmente publicado em RaceBaitR como “How Academia Uses...

para lembrar

Ato de lesa-pátria

O governo Temer anunciou a suspensão do Programa Nacional...

A professora que ensina o que é inspiração

Gina Vieira Ponte nasceu em uma família de seis...

Chamada para o Edital Juventude Negra – Macaé Evaristo

Macaé Evaristo, secretária de educação de Minas Gerais, faz...

“Os pais têm medo dos filhos, de dizer não”

Pediatra fala sobre os principais pecados cometidos contra a...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=