terça-feira, maio 18, 2021

Tag: Ciências

(Foto: Divulgação/ Fapesb)

Cientistas baianos buscam soluções para doença falciforme com apoio da Fapesb

A Fapesb divulgou, nesta quarta-feira (17), os 12 trabalhos aprovados que serão contemplados com, aproximadamente, R$ 100 mil cada, para que possam dar continuidade ao estudo com foco em buscar soluções para doenças que atingem a população negras e povos tradicionais. Com duas linhas de pesquisa, divididas entre doença falciforme e doenças crônicas e as sequelas do racismo na saúde, o edital tem o objetivo de promover a melhoria na qualidade de vida dos indivíduos que sofrem desses males, além de estimular a criação de políticas públicas que possam reduzir o número de mortos e impactados por essas doenças. A Fapesb é a primeira Fundação de Amparo à Pesquisa no Brasil a lançar um edital com este recorte. De acordo com a secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Adélia Pinheiro, foram reservados 30% dos recursos para propostas cujos participantes se autodeclararam negros ou pardos, e com prioridade para as ...

Leia mais
Arte: Catarina Bessell

Por que a ciência precisa de diversidade?

Se a diversidade étnico-racial vem ganhando espaço na agenda de muitos setores da sociedade –nos negócios, na representação política, nas artes, no jornalismo–, nas ciências em geral ela ainda é tímida. Essa lacuna é marcante principalmente em relação ao desafio de reduzir a sub-representação no universo de professores universitários, no financiamento de pesquisas científicas e entre os destinatários das bolsistas de pesquisas. As pessoas negras (pretos e pardos) representam 56% da população brasileira, mas foi somente em 2019 que pela primeira vez os estudantes negros passaram a ser maioria nas universidades públicas. Segundo o censo da educação superior, porém, apenas 16% do universo de docentes se declarou negro. Essas disparidades estampam as consequências do racismo e de uma sociedade historicamente desigual. Tais anomalias têm origem no passado, e temos falhado em corrigi-las no presente. Em pleno século XXI é inadmissível fechar os olhos para a ausência de pessoas negras nos diversos ...

Leia mais
Ilustrações mostrando evolução a partir do macaco (Imagem: Getty Images/iStockphoto)

Tem cor a ciência?

A ciência conhecida como moderna é reguladora do poder mundial. Nesse momento difícil em que vivemos o contexto de uma pandemia, é a ciência que promete ser o diferencial nas disputas de narrativas por nações de excelência em desenvolvimento. Mas o que é a ciência? A ciência é uma das maneiras de fazermos leitura sobre a realidade. Existem outros recortes possíveis de realidade? Sim, existem. O conhecimento tradicional, o conhecimento popular ou mesmo o conhecimento religioso. Não é possível apontar que recorte oferece melhores respostas. Pois, cada um destes só merece crítica dentro do próprio corpus de conhecimento que produz. Fato é que vivemos sob a égide da sociedade tecnológica. Por sua vez, a tecnologia é fruto do desenvolvimento do conhecimento científico e, desta forma, o conhecimento científico, que é construído socialmente e desenvolve modelos para compreender como os fenômenos se complexificaram lentamente a partir de inúmeras transformações/mutações, segue sendo ...

Leia mais
Mulheres na ciência: 40% dos pesquisadores do Brasil que declararam ter doutorado são mulheres; maioria se concentra na área de saúde. — Foto: Science in HD/Unsplash

Mulheres são 40% dos pesquisadores do Brasil que declaram ter doutorado nas 5 maiores áreas de conhecimento, aponta levantamento

Dos 77,8 mil pesquisadores rastreados na Plataforma Lattes, 31.394 são mulheres. Linguística, letras e artes é a área em que elas mais se destacam, e também a que menos tem especialistas. Por Elida Oliveira, do G1  Mulheres na ciência: 40% dos pesquisadores do Brasil que declararam ter doutorado são mulheres; maioria se concentra na área de saúde. — Foto: Science in HD/Unsplash O Brasil tem ao menos 77,8 mil pesquisadores nas cinco maiores áreas de conhecimento que declararam ter doutorado na Plataforma Lattes, de acordo com um levantamento feito pelo Open Box da Ciência. Entre eles, 46.501 ou 59,69% são homens e 31.394 ou 40,3% são mulheres. A plataforma Lattes é uma base de dados alimentada pelos próprios pesquisadores com informações sobre seus currículos e grupos de pesquisa dos quais participam. De acordo com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o currículo Lattes ...

Leia mais
Foto: vchal by Getty Images

Levantamento inédito revela quem são as mulheres protagonistas da ciência brasileira

Quem são as mulheres que protagonizam a ciência do Brasil? A Gênero e Número, organização que atua entre o jornalismo e a pesquisa de dados, lança, no dia 12 de fevereiro, a plataforma Open-Box da Ciência. O levantamento inédito apresenta quem são as principais pesquisadoras do país em um universo de 250 nomes dividido em cinco áreas do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e da Terra, Engenharias, Ciências Biológicas e Ciências da Saúde. No Serrapilheira Foto: vchal by Getty Images O evento, aberto ao público, será no Auditório do IFT-Unesp, a partir das 9h. Na ocasião será lançado também a Agência Bori, organização que irá conectar institutos e centros de pesquisa à mídia. Os dois projetos são apoiados pelo Camp Serrapilheira. As coordenadoras da Bori, Sabine Righetti e Ana Paula Morales, abrem a programação com a mesa sobre jornalismo científico no Brasil, onde estarão a ...

Leia mais

Jovem astrônoma vai até a Nasa para decifrar as galáxias

Bolsista contou com apoio da Capes, agência que sofre com falta de recursos Por Jefferson Barbosa, Da Folha de S.Paulo A astrônoma Carolyne Oliveira, 27, que fez um estágio sanduíche na Nasa, durante seu mestrado - Arquivo Pessoal Primeira da família a conquistar uma vaga na universidade, Carolyne Oliveira, 27, que é negra e original de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, escolheu estudar algo muito distante de sua realidade —na verdade, a muitos anos-luz dali. Ela, astrônoma, estuda as propriedades físicas e as aparências das galáxias. Em sua aventura mais recente, Carolyne foi para a Nasa (agência espacial americana), onde passou cinco meses analisando galáxias próximas e distantes. A experiência nos EUA fez parte do que, no jargão acadêmico, é conhecido como mestrado-sanduíche. Carolyne é aluna do curso de mestrado em astrofísica do Observatório do Valongo, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). “Eu ...

Leia mais
Katherine Johnson matematica da Naza

NASA batiza órgão em homenagem à pioneira matemática Katherine Johnson

Responsável pela segurança de dados e softwares das missões espaciais, a unidade agora se chama Katherine Johnson Independent Verification and Validation Facility no Universa UOL Katherine Johnson Imagem- Getty Images A NASA, agência espacial do governo americano, anunciou na sexta-feira (22) que um de seus principais órgãos, Independent Verification and Validation Facility, foi rebatizado com o nome da matemática Katherine Johnson. Responsável pela segurança de dados e softwares das missões espaciais, a unidade agora se chama Katherine Johnson Independent Verification and Validation Facility. Ícone para as mulheres nas ciências, Katherine Johnson foi uma das primeiras cientistas afro-americanas a ocupar um cargo de destaque na NASA. Seus cálculos em mecânica orbital e teorias sobre aplicação de computadores em cálculos avançados permitiram que o homem chegasse à Lua. Taraji P. Henson (centro) viveu Katherine Johnson Imagem- Reprodução:Northern Star A matemática, hoje com 100 anos, trabalhou por 35 ...

Leia mais

23 cientistas negras que mudaram o mundo

Mulheres que merecem toda nossa admiração. Por Anjali Patel Do Buzzfeed 1. Alice Ball (1892-1916), química que criou o primeiro tratamento eficaz contra a hanseníase quando tinha apenas 23 anos. University of Hawaii / Anjali Patel / BuzzFeed / Getty Images / Via hawaii.edu Antes de Alice, as pessoas sabiam que um tratamento potencial para a hanseníase existia no óleo de Chaulmoogra. No entanto, ele era espesso demais para circular através do corpo. Alice Ball, prodígio da ciência e química extraordinária, foi quem FINALMENTE descobriu como transformá-lo em um tratamento que funcionasse. 2. Annie Easley (1933-2011), cientista aeronáutica que desenvolveu um software para o Centaur, um dos lançadores de foguete mais importantes da NASA. NASA Science and Engineering Newsletter / Anjali Patel / BuzzFeed / Getty Images / Via Women in Science O Centaur é um lançador de foguetes usado para propulsionar sondas e satélites até ...

Leia mais
Marcelle Soares Santos, da equipe do laboratório que descobriu ondas gravitacionais

Marcelle Soares, brasileira lidera pesquisa que vai “dar luz” à expansão do universo

Marcelle Soares Santos tinha quatro anos de idade quando foi morar em Serra dos Carajás (PA) para acompanhar o pai --técnico em eletrônica--, que iria trabalhar na então estatal Vale do Rio Doce. por Carlos Madeiro no UOL Marcelle Soares Santos, da equipe do laboratório que descobriu ondas gravitacionais - Renner Boldrino/Divulgação Um década depois, a capixaba voltou a Vitória com sonho e estímulo para se tornar cientista --e nada conseguiria detê-la. Agora aos 37 anos, a física e doutora em astronomia pela USP (Universidade de São Paulo) lidera uma busca por imagens que ajudem a explicar a força que faz o universo se expandir. A pesquisa é um complemento à revolucionária descoberta de ondas gravitacionais, vencedora do prêmio Nobel de Física de 2017. Marcelle é a única brasileira entre as 16 líderes da pesquisa coordenada pelo Fermilab (laboratório de física de partículas ligado ao Departamento ...

Leia mais
Milton Santos em entrevista para o Jornal do Brasil, em 1977 (Foto: Imagem retirada do site Milton Santos)

Milton Santos | 13 livros em PDF para download

Milton Santos (1926 – 2001) destacou-se por seus trabalhos em diversas áreas da geografia, em especial nos estudos de urbanização do Terceiro Mundo. Foi um dos grandes nomes da renovação da geografia no Brasil ocorrida na década de 1970. Sua obra caracterizou-se por apresentar um posicionamento crítico ao sistema capitalista, e seus pressupostos teóricos dominantes na geografia de seu tempo. Em Por uma Outra Globalização, livro escrito dois anos antes de sua morte, o autor realiza uma abordagem crítica sobre o processo de globalização capitalista, ao qual corresponde, segundo o geógrafo, a produção de novos totalitarismos e o pensamento único, que transformam o consumo em ideologia e os cidadãos em meros consumidores, massificando e padronizando a cultura e concentrando a riqueza nas mãos de poucos. Para aqueles que queiram conhecer melhor a obra do autor, segue abaixo o link para download de 13 de seus livros em PDF: A cidade como centro da região – CLIQUE AQUI! A Natureza ...

Leia mais

A ‘neurocientista’ de 7 anos que faz sucesso ensinando ciência na internet

Amoy Antunet Shepherd tem 7 anos e, ainda que esteja na escola primária, suas ambições são grandes: quer ser neurocirurgiã. Da BBC Amoy é norte-americana e, graças ao Facebook, se transformou em "professora de ciência" com apenas sete anos E até já começou a dar aulas pela internet. "Hoje vamos ver como funciona um neurotransmissor chamado GABA", anuncia em um dos seus vídeos mais populares no Facebook. "Não, não me refiro a Yo Gabba Gabba (série de televisão infantil norte-americana) , mas sim ao ácido gamma-aminobutírico", complementa, exibindo um sorriso. Com uma explicação teórica digna de um professor universitário, mas com as palavras que usaria uma menina, Amoy também mostra seu laboratório. "Estes são meus tubos de ensaio", diz, apontando para pequenos cilindros. "E estes são meus béquers (recipientes de vidro usados em laboratório)", acrescenta, mostrando os instrumentos para a câmera. "Aqui estão minhas provetas. E estes são alguns dos meus microscópios", ...

Leia mais
A pesquisadora Joana Felix é PhD em Química por Harvard e dá aulas numa escola técnica de Franca (SP) Foto: Guito Moreto

PhD em Química por Harvard, brasileira faz pesquisa de ponta com alunos no ensino médio

A fala doce, baixinha e de sotaque carregado já dá a pista. Aquela mulher de aparência frágil, de não muito mais do que um metro e meio, tem o dom de contornar obstáculos. De família pobre de Franca, no interior de São Paulo, a professora de Química Joana D’Arc Felix de Souza, de 53 anos, estudou em apostilas emprestadas e, muitas vezes, dormiu com fome quando morava em Campinas, onde fez graduação, doutorado e mestrado na Unicamp. De lá, bateu asas para os Estados Unidos, onde concluiu seu pós-doutorado na Universidade de Harvard, uma das mais prestigiadas do mundo. A vida lhe pregou uma peça, e ela precisou voltar ao Brasil, onde, desde 2004, faz pesquisa de ponta com alunos do ensino médio na Escola Agrícola de sua cidade natal. Acha que ela se lamentou? Tratou de inovar e já tem, em parceria com os estudantes, 15 patentes nacionais e ...

Leia mais

Estudos de gênero, trajetórias de mulheres e história das ciências no Brasil

Apresentação do trabalho de pesquisa da Dra. Mariana M. O. Sombrio: Foto: Reprodução/GEICT Do GEICT Estudos de gênero, trajetórias de mulheres e história das ciências no Brasil. Pensar a história das mulheres nas ciências e as formas como as relações entre homens e mulheres, masculino e feminino, influenciam e influenciaram o desenvolvimento das instituições científicas vem consolidando um campo importante de estudos nas últimas décadas. As perspectivas se abriram para estudos em campos diversos, sociologia, antropologia, filosofia das ciências, biologia, história, entre outras possibilidades. Nesse quadro, os estudos historiográficos cumprem um importante papel ao promover representatividade, questionar lugares de participação e conceitos marcados por estereótipos sociais, reverter o quadro de desconhecimento em relação às experiências de mulheres e sua atuação em práticas e instituições científicas. As funções pré-determinadas a cada gênero e as representações desses papéis são e foram mais flexíveis do que a historiografia tradicional ...

Leia mais

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

Elas recebem menos convites para avaliar o trabalho de seus pares. E meninas se veem como menos brilhantes desde os 6 anos Por DANIEL MEDIAVILLA, do El Pais O filme ‘Estrelas Além do Tempo’ mostra o papel relegado de algumas mulheres na conquista espacial Na semana passada, dois estudos colocaram em evidência algumas das barreiras que impedem o aproveitamento do potencial das mulheres na ciência. O primeiro deles, publicado na revista Nature, se refere à presença feminina como avaliadoras dos trabalhos de seus colegas. Essa avaliação é uma das bases do sistema científico e acadêmico, e permite que as revistas científicas analisem a qualidade dos artigos submetidos para publicação. Além disso, trata-se de um caminho para que os avaliadores melhorem em sua própria área de conhecimento e fortaleçam vínculos com outros pesquisadores. Uma análise da União Americana de Geofísica (AGU, na sigla em inglês) indica que mulheres de todas as idades ...

Leia mais

“Talvez o próximo Einstein esteja morrendo de fome na Etiópia”

Neil deGrasse Tyson diz que a educação e a ciência são as melhores armas contra o fanatismo Por NUÑO DOMÍNGUEZ, do El Pais  Neil deGrasse Tyson, depois da entrevista ao EL PAÍS. RAFAEL AVERO Neil deGrasse Tyson (Bronx, EUA, 1958) é um dos divulgadores científicos mais reconhecidos do mundo. Este astrofísico assumiu o lugar de Carl Sagan à frente da nova versão da série Cosmos, programa de sucesso que despertou vocações científicas no mundo inteiro. Tyson estudou no Instituto de Ciência do Bronx (Nova York), um centro público de ensino médio muito seletivo e especializado em matemática e ciência. Ao final do curso, o próprio Carl Sagan o chamou para que fosse visitá-lo, com a intenção de contratá-lo para sua universidade, Cornell. Tyson preferiu Harvard, mas diz que descobriu em Sagan “o tipo de pessoa em que queria me transformar”. O cientista comparece pela primeira vez ao festival Starmus, realizado até sábado ...

Leia mais

Brasileira supera 4 finalistas e vence Olimpíada Nuclear Mundial na Áustria

Alice Cunha, de 25 anos, concorreu com vídeo e redação sobre a área. Jovem está no último ano de engenharia nuclear na UFRJ. Do G1 A brasileira Alice Cunha da Silva, de 25 anos, venceu a edição de 2015 da Olimpíada Nuclear Mundial em Viena, na Áustria. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (17) pela organizadora do evento, a Universidade Nuclear Mundial (WNU, na sigla em inglês). Alice, que, segundo a WNU, está no último ano do curso de graduação e engenharia nuclear na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), superou os outros quatro finalistas, dois estudantes da Índia, um da Malásia e um das FIlipinas. A estudante passou por diversas etapas até chegar ao prêmio final. Primeiro, ela produziu um vídeo na primeira etapa do concurso. O tema que ela escolheu foi como a energia nuclear pode salvar vidas. "Achei que era um ótimo projeto para engajar estudantes de ...

Leia mais

Lorrayne: ‘Espero que outros jovens tenham grandes oportunidades para se desenvolver’

Nossa campeã está de volta! Depois de arrasar na Dinamarca e conquistar o 18º lugar na Olimpíada Internacional de Neurociências, a estudante carioca Lorrayne Isidoro voltou ao Brasil nesta quinta-feira (7). Por Brasil Post “Foi muito enriquecedora, a gente participou da Olimpíada Internacional, isso foi ótimo. Participamos das provas, do congresso da Sociedade Europeia de Neurociência. Foi bem legal, bem enriquecedor, a gente pôde ver trabalhos, entender um pouco mais sobre as neurociências e conhecer, também, a cidade, que é muito bonita”, contou ela à Rede Globo, durante entrevista ao vivo. A estudante do Colégio Pedro II disse ainda esperar que "outros jovens consigam ter grandes oportunidades para se desenvolver". Para chegar à Dinamarca, onde passou oito dias, Lorrayne enfrentou uma verdadeira saga: precisou fazer uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar dinheiro para a viagem, já que sua família não tinha condições financeiras, e a Polícia Federal precisou emitir ...

Leia mais
André Rebouças (1838-1898)

Negros na Ciência e na Tecnologia

Ciência Negra para a descolonização do saber "Negro é arte, é cultura Negra é fé... Axé! Negro tem talento Tem bravura" texto de Carlos Machado, Ilustração de Márcio Mariano no  O Menelick O refrão contagiante da música Batuque, A Força de Uma Raça, samba-enredo da Escola de Samba Leandro de Itaquera no carnaval paulistano de 1992, sempre vinha em minha mente quando eu pensava sobre a influência negra na sociedade brasileira, e esta composição me fazia pensar: nós, negros e negras, influenciamos o Brasil apenas na música e no esporte? Qual é o papel da ciência dentro de uma cultura? A importância de refletir sobre as perguntas acima é que sem saber das respostas que elas suscitam, podemos compreender muito pouco do mundo em que vivemos. A quase totalidade dos nossos pensamentos, de nossas convicções e também dos nossos valores, se inscreve nas grandes visões do mundo já elaboradas e estruturadas ao ...

Leia mais

Conheça 12 cientistas do nosso tempo que arrasam no que fazem! (E tem duas brasileiras!)

Quando pensamos em “cientistas”, geralmente pensamos em um homem, de jaleco branco, mexendo em vidrinhos em laboratórios. Por Lilian Silva Do Awebic E isso precisa mudar. Ao longo da história, algumas mulheres foram decisivas para vários avanços na Ciência. Como Ada Lovelace, considerada a primeira programadora na história: foi a primeira pessoa a escrever um algoritmo para uma máquina de cálculos. Ou Hedy Lamarr, que além de excelente atriz era também cientista e criou a tecnologia que deu origem aos sistemas de telefonia celular e GPS que conhecemos hoje. Felizmente, nos dias de hoje temos mulheres na ciência que são experts no que fazem. Ainda estamos longe do ideal, mas elas são verdadeiras heroínas e podem inspirar meninas a seguirem o caminho da ciência. A foto que ilustra este artigo foi tirada em uma conferência da TED Fellows. Doze mulheres das mais diferentes áreas – biologia, genética, arqueologia, astrofísica, medicina… conheça ...

Leia mais

10 coisas que foram inventadas por mulheres e você não sabia

Quando você pensa em quem inventou um utensílio ou eletrônico, como imagina o inventor? Quase sempre como homem, certo? Não se preocupe, você não é o único. Isso acontece com praticamente todo mundo. por Jéssica Chiareli no Fatos Desconhecidos Acontece que nem sempre são os homens que inventam as coisas, ao longa da história houve várias mulheres inventoras também. No entanto, estamos acostumados a pensar apenas na figura masculina. A mesma coisa acontece quando você lê um texto aqui na Fatos Desconhecidos, por exemplo. É provável que você esteja imaginando que foi um homem quem escreveu, se não tiver lido o nome do autor lá em cima, mas dessa vez ele foi escrito por uma mulher. Pensando nisso, preparamos uma seleção de invenções que você nunca imaginaria que foram criadas por mulheres, mas foram. Veja só: 1. Programação Em 1944 na Universidade de Harvard, Grace Hoppe e Howard Aiken desenvolveram o primeiro ...

Leia mais
Página 1 de 3 1 2 3

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist