Brincar é um ato revolucionário!

A Ciranda Paulo Freire, realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, alinha pedagogia com amor e carinho para levar aos sem-terrinhas o sentimento de ‘pertença’ pela terra

Corda, bolinha de sabão, lanchinho e muito amor: esta é a definição da Ciranda do MST, que é conduzida com muito carinho pelo setor de Educação do Movimento.

Elis Carvalho, da coordenação da Ciranda, a considera uma das tarefas mais importantes do Movimento, e conta como ela começou:  “As Cirandas infantis do MST são um espaço pedagógico e político que a gente forjou no sentido de garantir a participação dos pais e das crianças nas atividades no Movimento. As crianças sem terra sempre estiveram presentes desde o nascimento do movimento, desde o início da luta pela terra, então a gente teve que construir este espaço e pensar qual o lugar da infância no MST. Da experiência cubana com crianças, dos círculos infantis, nós trouxemos a ideia para a nossa realidade do MST.”

IMG_3720

Foto: Agatha Azevedo / Jornalistas Livres e Mídia NINJA

“Do primeiro seminário da infância do MST, realizado em 2007, surgiu a discussão do papel da infância no trabalho pela reforma agrária. Desde então, se investe cada vez mais a formação dos educadores. “A gente não pode conceber uma ciranda infantil sem pensar na formação dos educadores, no processo político-pedagógico, então a gente conseguiu fazer em 2007 uma grande formação com mais de 30 educadores pensando na ciranda infantil.”

Para ela, a importância está no tato e no tratamento com as crianças e com a formação dos cirandeiros.  Sobre a formação, ela explica: “a gente começa a trabalhar com os educadores a partir dos 15 anos, porque menos que isso eles estão no processo de saída do sem terrinha.”

E com amor, as educadoras e os educadores do MST seguem desenvolvendo a formação dos jovens membros do Movimento: “Não é um trabalho só de cuidar da criança, é um trabalho pedagógico e lúdico em que você contribui para o processo de desenvolvimento político, físico e psíquico da criança.”

IMG_3603

Foto: Agatha Azevedo / Jornalistas Livres e Mídia NINJA

Todas as cirandas nacionais do movimento homenageiam Paulo Freire, grande educador que inspira as ações da educação sem-terrinha. “É importante a gente garantir que as crianças tenham este espaço para o brincar, desenvolver as diversas dimensões das linguagens artísticas e culturais. É um lugar que as crianças gostam muito de vir.”

Time-da-Casa-Minas-6-de-15

Foto: Agatha Azevedo / Jornalistas Livres e Mídia NINJA

Time-da-Casa-Minas-8-de-15

Foto: Agatha Azevedo / Jornalistas Livres e Mídia NINJA

E gostam tanto, que a Ciranda teve até que ampliar a idade limite, de 6 para 12 anos. “As crianças gostam tanto e são tão rebeldes no sentido de lutar pelo que elas querem que hoje nós temos dois espaços, um para os pequenos e outro para as crianças maiores, que já não estão mais na fase da educação infantil”

Time-da-Casa-Minas-9-de-15

Foto: Agatha Azevedo / Jornalistas Livres e Mídia NINJA

Orgulhosa do trabalho que faz, Elis, que já foi Diretora Nacional do MST e agora retorna à Ciranda, ressalta que o amor pela terra começa desde a infância.  “Nós queremos que estejam presentes as músicas infantis, as cantigas de roda, a ideia do se olhar, do círculo, as brincadeiras de criança, mas também de pensar um espaço com um objetivo. Trabalhar a identidade sem terra, a pertença das crianças ao movimento e criar um espaço lúdico, para que as crianças possam estar presentes e que seja um espaço prazeroso.”

Nossa força, a nossa identidade, a nossa luta precisam de continuidade. A gente não pode perder de forma alguma de vista a formação das nossas crianças. Ainda que seja de forma lúdica, a gente precisa trabalhar o que é a nossa identidade e o que é o MST.”

Elis é uma inspiração como mulher e militante dentro do movimento, e se dedica ao papel de educar desde bem jovem. Hoje aos 38 anos, ela é da coordenação da Ciranda e parte orgânica do MST.

photo_2016-07-23_18-55-33

Foto: Leandro Taques/ Jornalistas Livres

 

+ sobre o tema

Bolsista do ProUni convida Lula para festa de formatura

A estudante de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26...

UNEafro abre inscrições para cursinho

UNEafro abre inscrições para cursinho VAGAS ABERTAS 2017 Você quer ser...

Universitários brasileiros são brancos, moram com os pais e estudam pouco

Pesquisa traçou perfil do estudante que cursa os últimos...

Como a Academia se vale da pobreza, da opressão e da dor para sua masturbação intelectual

Texto originalmente publicado em RaceBaitR como “How Academia Uses...

para lembrar

Obra infanto-juvenil em inglês aborda preconceito racial

Lançamento do livro “The Black Butterfly” (A borboleta Preta), de...

Educação física, arte, sociologia e filosofia ficam no Ensino Médio

A Câmara dos Deputados decidiu incluir na reforma do...

Nova Zelândia oferece bolsas de estudo para brasileiros; veja como participar

Quem sempre teve o sonho de estudar no exterior,...

A crítica de Marcien Towa às doutrinas de identidade africana

O presente trabalho propõe tematizar a crítica que o...
spot_imgspot_img

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...

Contra o racismo, educação

Algumas notícias relacionadas à temática racial chamaram a nossa atenção nesta semana. Uma delas foi a iniciativa de um grupo de entidades de propor...
-+=