Cabelos crespos igual à ladra. O dia a dia das jovens negras nos Shoppings nacionais. Mais um caso de racismo inexistente…

por marcos romão

Agora foi na loja Riachuelo, no Shopping do Iguatemi em Salvador. Mais uma vez uma jovem negra sofre constrangimentos racistas ao fazer compras.

Seu relato no facebook, e o registro de queixa em delegacia, contam por si as dificuldades e constrangimentos pelos quais passam jovens negras, que com seus cabelos crespos aos circulam pelos shoppings do Brasil.

A maioria vai às compras despreocupada, como qualquer jovem de hoje em dia, e se pretas, elas não preveem nenhum problema, ainda mais em uma cidade como Salvador. Todas chegam a pensar que é natural para uma jovem negra, com seus cabelos encrespados, fazer compras  em uma loja de “Griffe” do “”soçaite”, em Salvador, a conhecida “Roma Negra” brasileira. Não é.

Na página Sos Racismo Brasil recebemos toda semana queixas deste tipo, a maioria só reclama, não deseja levar o caso adiante.

Não foi o que aconteceu com a jovem A.P.B. Ela reagiu e o caso foi parar em uma delegacia. É o que nós chamamos de efeito educativo que o jogador Aranha provocou na sociedade brasileira ao reagira contra o racismo.

A jovem A.P.B resolveu não levar desaforo nem ofensas para casa. Sofreu constrangimento moral e quer punição aos agressores de sua integridade pessoal. Foi racismo? A justiça irá decidir a questão legal.

Nós da Mamapress, já temos nossa opinião. Só pode ser racismo coletivo os constrangimentos por que passam e as ofensas que recebem as jovens negra no Brasil.

Aqui segue o relato de A.P.B publicado no seu perfil no Facebook.

Aconteceu comigo, aconteceu hoje.
Comecei meu dia muito bem, fui pra uma aula maravilhosa, nem imaginaria que poucas horas depois estaria na delegacia prestando queixa.

Acho importante que o máximo de pessoas saibam o ocorrido, pois não acredito que seja um fato isolado.
Passei no shopping Iguatemi depois da aula pra resolver umas coisas, entre elas efetuar um pagamento na loja Riachuelo, entrei na loja pelo terceiro piso e umas bijuterias em promoção chamaram minha atenção, parei para olhar e vi um brinco no formato de filtro dos sonhos, mas para mim (acostumada com AliExpress) estava meio caro e segui, parei novamente próximo aos caixas para ver o preço de um copo, quando um funcionário tocou em mim.

A princípio imaginei que queria passagem, quando ele me perguntou se eu estava assustada. Antes que eu respondesse qualquer coisa, pois estava atônita, ele foi ordenando que retirasse o brinco da bolsa. Que brinco, meu Deus!!!
Indignada e confusa comecei a retirar tudo que havia na minha bolsa ali mesmo. Como a referida aula era de filmagem, estava com o equipamento dentro de uma bolsa menor, ele apontou pra esta bolsa. Pedi que ele olhasse o conteúdo da bolsa, pois não gostaria de expor o mesmo, ele pediu que uma outra funcionária que havia se aproximado para olhar o interior da bolsa onde o equipamento fotográfico estava devidamente guardado. Esta funcionária era justamente a pessoa que supostamente me viu colocar o brinco dentro da bolsa e já chegou perto de mim com uma cestinha para que eu lá colocasse o tal brinco.
Várias pessoas me olhavam, pedi que se identificasse e disse que não sairia da loja sem as informações necessárias para prestar a queixa.
Falei com supervisora, que se desculpou e disse que esse não era o procedimento adotado pela loja, me explicou como seria, tentou me enrolar, disse que a tal funcionária que me acusou era temporária e estava no primeiro dia (E eu com isso?).
Exigi ver ela registrar a ocorrência, peguei o primeiro nome e função dos três, registrei o ocorrido com a administração do Shopping e segui para a 16º. Relatei a ocorrência e vou levar a diante.

Cabelos crespos igual à ladra. O dia a dia das jovens negras nos Shoppings nacionais
Cabelos crespos igual à ladra. O dia a dia das jovens negras nos Shoppings nacionais

Provavelmente será apenas mais um processo contra a loja, mas é questão de honra levar até a última instância, como disse no princípio isso não é uma situação isolada, senti hoje o verdadeiro peso do racismo, aquele que transforma negra, de cabelo crespo em ladra. Podem dizer que não há relação, mas enquanto eu não vir moças brancas com seus cabelos lisos relatarem fatos iguais não me convencerei. Estava vestida de maneira simples, como grande parte das mulheres jovens numa tarde de sábado muito quente, um short e sandálias havaianas.

 

Fonte: Mamapress

+ sobre o tema

Apresentadora é chamada de gorda e dá a melhor resposta

Enquanto vivermos referendando a lógica de se julgar os...

Cantora de “Tecnomacumba” lamenta veto a show e diz que decisão fomenta o ódio

Elverson Cardozo Proibida de se apresentar em Campo Grande, na...

Cristiano Ronaldo recorda Mandela e apela à luta contra o racismo

EX-PRESIDENTE SUL-AFRICANO MORREU HÁ UM ANO Nelson Mandela faleceu há...

para lembrar

Homem é perseguido por seguranças e acusa supermercado do Rio de racismo

Um cliente de uma rede de supermercados do Rio...

Filho de ex-lutador é vítima de preconceito racial

Em pleno século XXI, um país que se diz...

Funcionárias do bar Ursal, em BH, sofrem racismo e delegacia não inclui no B.O.

Situação de injúria se voltou contra funcionárias e uma...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=