“Cadê a dentista?” Dentista teresinense faz post lamentando racismo de pacientes

A odontóloga Laynna Lima, 26 anos, fez uma postagem nesta segunda-feira (12), na rede social Facebook, lamentando o preconceito de alguns pacientes do consultório que trabalha. Na postagem, a profissional que também é Mestre em Odontologia pela Universidade Federal do Piauí (Ufpi), conta que constantemente é vítima de racismo.

no Cidade Verde

“Muitos deles [pacientes] ficam receosos quando entram no consultório e me perguntam: “Cadê a dentista?” Tenho sempre que me identificar e citar minhas qualificações. Nasci negra como você pode perceber. Mas a minha pele nada diz sobre o meu conhecimento”, escreveu Laynna Lima.

Apesar dos episódios, a odontóloga não acredita que os pacientes sejam maldosos. “Eles simplesmente se surpreendem ao verem uma dentista negra. É o racismo da forma mais pura. Um pré conceito mesmo”, disse ao Cidadeverde.com.

A postagem da dentista teve quase 200 curtidas e compartilhamentos.  Nos comentários do post,os internautas deram apoio à Laynna e repudiaram  o rascimo sofrido por ela.

A dentista ressalta,ainda, que casos de rascimo devem ser denunciados e as vítimas não podem silenciar diante dessas situação.

“Ao meu ver é uma questão muito grave e deve ser exposta, sim”, finaliza Laynna Lima.

+ sobre o tema

Racismo em Ribeirão Preto, mais um caso para pensarmos que país é este?

No sábado, dia 12 de Dezembro de 2009, três...

27% das mulheres nordestinas já sofreram violência doméstica

Segundo uma pesquisa apresentada no auditório da representação da...

Fundadora da nova Arena não vê contradição em ser bolsista do Prouni

Bolsista do Programa Universidade para Todos (Prouni) na Universidade...

para lembrar

Herança oligárquica e higienização social fundamentam os ‘justiceiros’

    Em 'Justiceiros' e a Violência Urbana", José Fernando...

Após morte, família acusa PMs de espancar mulher em Ribeirão Preto

Luana dos Reis foi internada após ter sido agredida...

Novo Código Penal: Sugestões relativas à questão racial são entregues ao relator Pedro Taques

  Um grupo coordenado pelo Ouvidor da Secretaria de Políticas...

Professora chamada de “macaca” por diretora ainda sofre discriminação

Por: Suzana Vier Episódio em escola paulista chamou atenção...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=