Caminhada do Silêncio homenageará mortos e desaparecidos políticos no dia 31 de março

A marcha sairá da Praça da Paz, no Parque Ibirapuera, em São Paulo e seguirá até o Monumento em Homenagem aos Mortos e Desaparecidos Políticos

Da  Revista Fórum

Imagem retirada do site Revista Fórum

Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos promove, no próximo dia 31 de março, a partir das 16 horas, na Praça da Paz, no Parque Ibirapuera, em São Paulo, a Primeira Caminhada do Silêncio. A marcha tem o objetivo de dar visibilidade à questão e promover reflexão acerca do tema.

O ato seguirá rumo ao Monumento em Homenagem aos Mortos e Desaparecidos Políticos, situado ao lado do parque. O monumento foi construído pela Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo para homenagear as pessoas que perderam a vida enquanto lutavam pela instalação do regime democrático no Brasil.

Concebida pelo arquiteto e artista plástico Ricardo Ohtake, foi inaugurada em 8 de dezembro de 2014 e em sua estrutura carrega os nomes de 436 mortos e desaparecidos políticos de todo o país, segundo o registro dos familiares.

A concentração da I Caminhada do Silêncio terá início às 16h com apresentações literomusicais, conduzidas pelo cantor e músico Renato Braz, que seguirão até às 18h. Logo após, às 18h30, o grupo dará início à caminhada. A ideia é que os participantes levem velas, flores e fotos de vítimas da violência estatal. Ao término da caminhada está prevista uma vigília até a meia noite.

O Departamento de Educação em Direitos Humanos e Direito à Memória, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, é um dos parceiros e garantirá a estrutura física e a logística de segurança durante a atividade.

O evento conta também com o apoio da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF).

Ainda como parte da mobilização, durante todo o mês de março a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos publicará no Facebook episódios históricos marcados pela violência estatal que retirou a vida de milhares de pessoas em atos políticos ao longo das últimas décadas. O objetivo é manter viva a memória para evitar que barbáries semelhantes se repitam.

Mais informações estão disponíveis na página da CEMDP.

+ sobre o tema

Capital para todos

A filosofia de negócios que une lucro e ativismo...

Ailton Krenak: A Potência do Sujeito Coletivo – Parte II

O TEMPO DO MITO Do Combate ao Racismo Ambiental  Foto: Aline Arruda Ailton...

STF analisa ação que pede cotas para negros em concursos do Legislativo e Judiciário

Por:Lorena Pacheco O Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara)...

Morre uma das líderes do movimento Mães de Acari

Marilene de Souza tinha 60 anos e lutava contra...

para lembrar

Concursos com inscrições abertas nesta segunda somam 27 mil vagas

Há cargos para todos os níveis de escolaridade.Salários chegam...

A impunidade nas terras do Paraná

A realização do Júri do assassinato de Eduardo...

Vicentinho diz que partido tentará retomar Comissão de Direitos Humanos

Segundo Vicentinho, ideia é indicar aliados 'profundamente comprometidos' com...

Aos 86 anos, d. Pedro Casaldáliga ainda enfrenta ‘lobos’ e fala de esperança

 Sônia Oddi e Celso Maldos Bispo emérito de São Félix...
spot_imgspot_img

Movimento Negro cobra e Brasil se posiciona na ONU sobre agenda racial

Nesta quarta-feira, 17, durante a sessão do Fórum Político de Alto Nível nas Nações Unidas, em Nova York, Geledés – Instituto da Mulher Negra...

46º Prêmio Vladimir Herzog: inscrições prosseguem até 20 de julho

Termina no próximo sábado, 20 de julho, o prazo para inscrições ao 46º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (PVH).  A premiação...

Governo federal apresenta ODS 18 sobre igualdade étnico-racial em evento na ONU

O Governo Federal, por meio da Secretaria-Geral da Presidência da República e com apoio do Pnud, realiza nesta terça (16/7) evento paralelo ao Fórum...
-+=