Campanha feminista estimula mulheres a ajudarem umas às outras

Para participar, basta fazer uma lista nas redes sociais com serviços gratuitos que você pode oferecer às mulheres

Por Heloisa Aun, do Catraca Livre 

Você sabe o que significa sororidade? O termo, que representa uma das bases do movimento feminista, evidencia o sentimento de irmandade estabelecido entre as mulheres na luta contra o machismo.

Pensando nisso, a jornalista de Salvador (Bahia), Sueide Kintê, 30, lançou a campanha #MaisAmorEntreNós em março deste ano para estimular as mulheres a ajudarem umas às outras, oferecendo apoio emocional ou serviços gratuitos por meio das redes sociais. A corrente do bem já atingiu muitas pessoas e tem se expandido para outros estados do Brasil.

Ao Catraca Livre, Suiede conta que a ideia surgiu em sua página pessoal no Facebook, quando ela publicou um post disponibilizando tarefas de graça para outras mulheres, durante uma hora por dia. Rapidamente, a ação de gentilezas viralizou e trouxe a adesão de outras internautas.

Os serviços que já foram trocados pelas participantes incluem desde faxinas, aulas de inglês ou matemática, ensinar a nadar ou andar de bicicleta, trançar o cabelo, meditar, escrever e até mesmo tirar uma ideia do papel. “Sororidade é coisa antiga que mulher sempre fez. Uma xícara de açúcar, um chá de boldo colhido direto do pé, ou até uma escuta amiga na porta de casa”, ressalta Sueide.

Para participar, basta inserir a hashtag #MaisAmorEntreNós na busca do Facebook ou Twitter para consultar se na sua cidade há pessoas procurando ou oferecendo ajuda. Com a grande demanda, a idealizadora da campanha e uma equipe de voluntárias construíram o site do projeto e agora estão desenvolvendo um aplicativo, tudo isso com o intuito de organizar o trabalho.

Por meio do site, as usuárias também podem doar para outras mulheres objetos que não usam mais. Este recurso também ficará disponível no aplicativo.

Mais-Amor-Entre-Nos-Campanha-768x341

Alguns serviços oferecidos estão reunidos no site do projeto

A campanha influenciou a criação de grupos em outros estados como o Mais Amor Entre Nós Jundiaí e o Mais Amor Entre Nós BSB. A expectativa é que até o final de abril aconteçam encontros presencias, redes de solidariedade e ajuda mútua em pelo menos em quatro estados: Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

A jornalista reforça ainda que qualquer mulher pode ser colaboradora da corrente feminista. “Quem não pode doar uma hora por dia, pode pensar em uma hora por semana ou por mês e até por ano”, afirma. Confira abaixo como participar:

  1. Faça uma lista de três ou mais atividades que você pode oferecer gratuitamente;
  2. Estipule o tempo, prazo e periodicidade da sua ação;
  3. Crie suas condições e limites para evitar sobrecarregar sua vida;
  4. Poste seu anúncio no face com a hashtag #MaisAmorEntreNós para que todas, ao clicar na tag, possam ver o que está rolando.

+ sobre o tema

Cidinha da Silva: Julho das Pretas

Em 1992, durante o Primeiro Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas...

Selinah July, I am Somebody (Eu Sou Alguém)

A menina Selinah July recitou parte do poema “I...

Casal transgênero tem ‘pai grávido’ nos Estados Unidos

Ambos não puderam arcar com as cirurgias de mudança...

As Paternidades do Homem Negro

“Querida, vou pintar o céu de azul Minha melhor criação...

para lembrar

Número de nascimentos diminui em São Paulo. Idade das mães aumenta

Nas duas últimas décadas, o número de nascimentos em...

Ser gay não é uma escolha e é tão natural quanto ser heterossexual

"Ser homossexual na nossa sociedade é um caminho mais...

Menores transexuais recebem apoio cada vez mais cedo nos EUA

Ofelia Barba Navarro se emociona quando lembra das agressões...

As mulheres e o feminismo: Por Rose Zanardo

O conceito de feminismo parte do princípio de que...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=