Capitolina e o poder das garotas

Esqueça as dicas quentes sobre como conquistar garotos ou as regras de roupas e maquiagens para impressionar rapazes; na revista adolescente Capitolina, os assuntos são importantes e fazem real diferença na vida das garotas. Matérias sobre sexualidade sem tabus, conteúdo sem machismo e discussões sobre relacionamentos abusivos dividem o espaço com colunas sobre jogos, cinema e moda para todos os tipos de corpos. E o sucesso é tão grande que se transformou em livro!

Por Jarid Arraes, do Questões de Gênero 

capitolina1-300x225
Algumas das autoras no lançamento na Bienal do Livro do Rio de Janeiro (Imagem: Reprodução / Facebook)

Em seu primeiro volume, “Capitolina – O poder das garotas” traz muitos textos que devem ser lidos não somente por meninas adolescentes, mas também por seus pais e responsáveis, amigos e por toda a família. Nele, questões como identidade de gênero e racismo são abordadas de maneira didática, entre páginas onde as leitoras são estimuladas a colorir, escrever e também exercer a própria criatividade.

Além do conteúdo relevante, o livro da Capitolina chama atenção pela diversidade de jovens que assinam os textos e ilustrações. Garotas de idades e contextos diferentes e de várias regiões do país se juntam para produzir um livro que não subestima a inteligência das adolescentes e nem ensina que a vida de uma garota deve girar em torno do gênero masculino. Ao contrario: quem lê Capitolina sai com a certeza de que seu valor e lugar no mundo jamais devem estar condicionados à aprovação dos outros.

O Feminismo também vem de forma acessível, aproveitando a onda de espaço que tem sido aberto na mídia, mas não deixando que a complexidade dos temas se perca. O livro é uma boa alternativa para introduzir a luta organizada e coletiva das mulheres em aulas e rodas de conversa. Para os pais, uma importante oportunidade de ensinar a suas filhas que garotas podem ser e fazer tudo o que quiserem e que é possível identificar e combater o machismo e a violência.

Acima de tudo, o livro, assim como o site, traz um exercício de companheirismo e apoio mútuo entre garotas. Sem competições, clichês ou estereótipos sobre meninas. A mensagem principal é evidente: juntas, garotas e mulheres podem transformar suas vidas e também o mundo – algo que toda adolescente merece ler!

+ sobre o tema

Mulheres e poder contra o culto da ignorância machista

O poder é reservado aos homens em todos os níveis...

Nome social de transexuais passa a ser adotado em conselhos tutelares do DF

A Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude...

ONU elege inspetor para investigar homofobia no mundo

A Organização das Nações Unidas (ONU) escolhe pela primeira...

O sexo impessoal do machão

Comentando o “Se eu fosse você'' Por Regina Navarro Lins A...

para lembrar

Desenhos que valorizam a estética da mulher negra

Artista paulistana Andréa Sechini faz centenas de desenhos que...

Engenheira Nadia Ayad, brasileira, vence concurso mundial por sua pesquisa com carbono

Ainda na graduação no IME, a (agora) engenheira Nadia...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=