Carrefour promete implantar políticas de Ações Afirmativas

Depois do lamentável e criminoso incidente que envolveu Januário Alves Santana pai de família, negro e funcionário da Universidade de São Paulo, que como já foi amplamente noticiado, foi violentamente espancado no estacionamento e em uma saleta do supermercado Carrefour em Osasco, o Movimento Negro de São Paulo e do Brasil, aliado com todas as forças da sociedade que abominam o racismo e o preconceito racial, desencadearam um série de protestos e manifestações no sentido de exigir que todos os envolvidos no caso sejam exemplarmente punidos.

No último dia 05 de setembro, o Fórum Regional Oeste Metropolitano da Igualdade Racial, que reúne 19 municípios, organizou uma grande manifestação de protesto com cerca de 500 pessoas, num ato de desagravo à vítima que contou também com a participação de inúmeras entidades, sindicatos, associações e centrais sindicais.

Na ocasião após a passeata que percorreu as ruas de Osasco, houve um ato público defronte a loja e na ocasião uma comissão foi recebida por diretores e pela Superintendente de Comunicação do Carrefour Regina Pitoscia que deixou bastante evidente o interesse da empresa em iniciar o mais brevemente possível a construção de um plano de ação para aprimoramento da educação para a diversidade dentro da empresa e a implementação de políticas de ações afirmativas voltadas para a população negra.

No último dia 11, houve uma nova manifestação defronte a sede central do Carrefour, que contou com a participação da CONEN, UNEGRO, Círculo Palmarino, Sindicato dos Comerciários de S. Paulo, CUT, CGTB, ANID, ocasião em que foi entregue aos representantes do Carrefour um Manifesto exigindo do Estado e do Carrefour a apuração dos fatos e a punição dos responsáveis pela agressão sofrida pelo funcionário da USP. Na oportunidade, uma comissão também foi recebida por Armando Almeida Diretor Executivo – Brasil da empresa, além de outros diretores e o mesmo se comprometeu de fato a implementar uma política de ações afirmativas na empresa e para tanto espera contar com a assessoria direta do Movimento Negro.

Dessa forma, o Fórum Regional Oeste Metropolitano da Igualdade Racial marcou uma primeira reunião de trabalho que deverá ocorrer no dia 17 de setembro às 18h30 na Casa da Cidadania em Osasco ocasião que em conjunto com as entidades interessadas formará uma comissão que irá assessorar o Carrefour na implementação de tais políticas, independentemente das ações judiciais e criminais que estão correndo contra a empresa em função das agressões praticadas contra Januário.

+ sobre o tema

PMs são condenados a 96 anos de prisão por obrigar 17 adolescentes a pular em rio

Policiais militares do Recife foram condenados a 96 anos de reclusão...

Apartheid no shopping?

A Justiça de São Paulo permite que seis centros...

Inteligência ficou cega de tanta informação?

Em 1543, Nicolau Copérnico publicou seu livro "De Revolutionibus...

Observatório identificará situações racista ou violência contra a mulher e LGBTs

Essas estruturas permitem ampliar o campo de visão e...

para lembrar

O “Africano” do “Pânico” é um caso de idiotia, má fé ou ambos? Por Cidinha Silva

Menos de 24 horas após exibição de personagem racista,...

A violência policial, a morte negra e a dor branca

Passados três meses do pico das manifestações que...

Licença para matar

Milhares de homicídios praticados pela polícia do Rio são...

Uma ofensiva contra a intolerância, o racismo e o ódio crescentes

Aslak Sira Myhre (*) Como qualquer outro cidadão de...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=