Dono de hotel é condenado por racismo

 

Fonte: Diário de Cuiabá


A Justiça Federal condenou a 3 anos e meio de prisão o proprietário do City Palace Hotel, Nidal Saleh Ali, pelo crime de racismo contra índios e negou a substituição da sanção por penas alternativas. O empresário é acusado de proibir a hospedagem de cinco pessoas – três mulheres e duas crianças – no hotel em Barra do Garças (a 516 quilômetros de Cuiabá) pelo fato de serem indígenas.

A sentença é fruto de uma denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2004. O fato aconteceu em outubro de 2003 e foi presenciado por servidores da Universidade Federal de São Paulo, que estavam na área prestando serviços de saúde às etnias e foram ao estabelecimento a fim de hospedar uma funcionária e as vítimas.

O recepcionista do hotel, Anthony Jean, confirmou a existência das vagas e entregou a chave de dois quartos. Contudo, no momento em que os indígenas entraram no estabelecimento foram impedidos de acessar as dependências, sob a argumentação de que o proprietário não permitia a hospedagem de índios. Após um telefonema do funcionário, Nidal teria ratificado a proibição.

Apenas o proprietário foi condenado pelo crime de racismo pelo fato do recepcionista ter apenas atendido à determinações do patrão, já que estava vinculado a ele por contrato empregatício e não tinha autonomia. O condenado tentou reverter a pena em prestação de serviços comunitários, mas a Justiça negou para que o réu “aprenda a tratar os outros seres humanos com respeito”. (Com assessoria)

 

Matéria original

+ sobre o tema

7 filmes para entrar de cabeça no Mês da Consciência Negra

Um Deslize Perigoso (2015): ambientado nos dias de hoje,...

LATAM é acusada de racismo

Depois de ser acusada de racismo por clientes que...

O Brasil que segue tolerando o intolerável

No dia 07 de julho de 1920, o jornal A...

Mãe denuncia ameaças de morte e racismo contra filha de 12 anos em escola: ‘Macaca’

Menina chegou a receber carta com xingamentos e ofensas....

para lembrar

Pesquisa mostra como racismo se perpetua nas estruturas do poder

Rafael Castino – Com foco nas relações de trabalho, estudo verifica...

“Bem aventurados os que batem tambor”

O Brasil miscigenado e religiosamente plural não pode conviver...
spot_imgspot_img

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....

Qual o impacto do racismo nas desigualdades?

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e um usuário de drogas pode estar na cor da pele, aponta uma...

Igualdade racial como estratégia de desenvolvimento

A desigualdade racial no Brasil é enorme, qualquer que seja a dimensão considerada –renda, educação, vitimização ou saúde, para citar algumas das mais importantes. Elas...
-+=