Casos de racismo não podem ficar impunes

Fonte:Psol –

 

Os deputados Ivan Valente e Chico Alencar apresentaram nesta terça-feira (15) um requerimento à Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara pela realização de Audiência Pública com o objetivo de discutir as graves denúncias de prática de racismo, violência e agressão contra o Sr. Januário Alves de Santana nas dependências do Hipermercado Carrefour, no município de Osasco/SP.

O requerimento deve ir a voto na próxima reunião da Comissão, sendo aprovado serão convidados um representante da empresa Hipermercados Carrefour, o Ministro Sr. Edson Santos, da SEPPIR – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e o Sr. Janúario Alves.

Leia abaixo a íntegra do requerimento:

 

REQUERIMENTO N.º , de 2009

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS

(Dos Srs. Deputado CHICO ALENCAR E IVAN VALENTE)

Requer a realização de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias com a finalidade de discutir as graves denúncias de prática de racismo, violência e agressão contra o Sr. Januário Alves de Santana nas dependências do Hipermercado Carrefour, no município de Osasco/SP.

Senhor Presidente,

Requeiro, nos termos do artigo 255 do Regimento Interno, ouvido o plenário desta Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a realização de Audiência Pública com o objetivo de discutir as graves denúncias de prática de racismo, violência e agressão contra o Sr. Januário Alves de Santana nas dependências do Hipermercado Carrefour, no município de Osasco/SP.

Para tanto, propomos como convidados: a vítima, o Sr. Januário Alves de Santana, um representante da empresa Hipermercados Carrefour e o Ministro Sr. Edson Santos, da SEPPIR – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

 

JUSTIFICATIVA

 

Conforme já amplamente divulgado pela imprensa escrita e televisiva, em 07/08 último, o Sr. Januário Alves de Santana, 39 anos, funcionário da USP – Universidade de São Paulo, realizava, com a família, compras no Hipermercado Carrefour, no município de Osasco/SP.

 

Chegando ao local com sua esposa, seus 2 filhos, a irmã e o cunhado, Januário ficou aguardando no interior de seu carro, um EcoSport/Ford, enquanto seus familiares foram às compras, pois sua filha, de 2 anos de idade, estava dormindo no banco de trás do veículo.

Foi nesta situação que Januário foi surpreendido por seguranças do supermercado, que de armas em punho, chegaram acusando-o de estar roubando o carro, que no caso era seu próprio veículo.

A partir daí, depois de uma situação em que chegou a ocorrer inclusive uma luta corporal, Januário foi levado para uma sala no interior do estabelecimento comercial, onde foi espancado, com socos, pontapés, cabeçadas e coronhadas por cerca de 20 minutos.

Segundo Januário, suas tentativas de explicação, de que o carro era seu, que sua filha estava dormindo no banco de trás e de que sua família estava fazendo compras no interior da loja, eram respondidas com um “cala a boca seu neguinho”.

Com a chegada da polícia, cessou o espancamento, mas não a humilhação. Januário, novamente, ao informar que o carro em questão era de sua propriedade, ouvia risadinhas e declarações de cunho racista, tais como: “você tem cara de quem tem pelo menos três passagens. Pode falar, não nega, confessa”.

Posteriormente, ao se depararem com o grave equívoco que tinham realizado, Januário foi abandonado, pelos seguranças e policiais militares, no estacionamento do supermercado todo machucado e ensangüentado, sem que fosse tomada nenhuma providência de socorro médico, o que só ocorreu após a chegada de seus familiares.

Lamentavelmente, Senhoras e Senhores Deputados, membros desta Comissão, estamos diante de mais um gravíssimo caso de prática de racismo, de violência praticada por seguranças terceirizados, com a conivência de membros da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Um cidadão, por ser negro, foi classificado como um suspeito em potencial, e, a partir daí, foi vítima de mais outros crimes, com a sessão de tortura praticada contra este trabalhador.

Desta forma, recorremos à magnanimidade dos membros desta Comissão para que possamos pautar este nefasto acontecimento, de forma a contribuir para a elucidação dos fatos e para o banimento, em definitivo, da prática de racismo em nosso país.

 

Sala da Comissão,

Chico Alencar

Deputado Federal PSOL/RJ

Ivan Valente

Deputado Federal PSOL/SP

Matéria original

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Mackenzie expulsa estudante que gravou vídeo armado e ameaçou matar negros

Pedro Baleotti, eleitor de Jair Bolsonaro, divulgou um vídeo...

Urban Outfitters é acusada de racismo

Mais uma da Urban Outfitters! Depois de ser processada...

Shopping de área nobre de SP quer apreender crianças de rua e entregar para PM

Estabelecimento no bairro de Higienópolis, uma das regiões mais...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=